PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Com sequência difícil, Chape busca identidade para evitar primeiro rebaixamento de sua história

17/11/2018 07h35

A Chapecoense segue na luta contra o rebaixamento e se complicou ainda mais após derrota para o Botafogo na última quinta-feira. Para dificultar sua situação, o Verdão do Oeste terá uma sequência complicada no Brasileirão nas últimas rodadas. O Índio Condá está na 17ª posição, com 37 pontos somados, e quer evitar o primeiro rebaixamento de sua história.

Os catarinenses tiveram uma campanha interessante para chegar à Série A, que completou cinco anos na última sexta-feira. Após longas temporadas, desde sua origem, o clube demorou para chegar à Terceira Divisão, mas no momento em que conseguiu não demorou para emplacar reação, rumo à elite do futebol nacional. Em quatro anos, de 2010 até 2013, a equipe buscou a restruturação para conseguir o objetivo.

Além de sua arrancada histórica, a Chapecoense foi coroada com participações internacionais. O clube conseguiu uma participação na Copa Sul-Americana, em 2016, quando ocorreu o acidente aéreo, com 71 mortos no avião da La Mia, em direção para Colômbia, onde iria disputar a final da competição. Em duas temporadas seguidas, em 2017 e 2018, disputou a Copa Libertadores.

Nesta temporada, porém, a Chape sofreu para arrumar um comandante. Somente na competição, estiveram presentes no comando técnico três treinadores: Gilson Kleina, Guto Ferreira e Claudinei Oliveira. Isto, dificultou nesta construção de identidade e evolução dentro de campo no ano.

Diante desta situação complicada, o LANCE! procurou os setoristas da Chapecoense para falar um pouco da campanha do clube na competição nacional e o que o técnico Claudinei Oliveira pode preparar para as últimas e decisivas quatro rodadas. Além disso, as principais causas para o clube estar nesta posição.

Mateus Montemezzo, da Rádio Oeste Capital, salientou que a Chapecoense, nesta temporada, faltou identidade, o que comprometeu a equipe durante o resto da competição. Para ajustar isso, Claudinei Oliveira terá que achar um esquema necessário nos últimos jogos e "matar" as partidas dentro da Arena Condá para conseguir permanência.

- O que faltou para Chape este ano foi identidade. Você conseguir criar uma sequência de jogos, um padrão de jogo. Isto, não foi visto nos últimos jogos e Chapecoense terá a partida de número 60 contra o Grêmio. O que precisa ajustar é esquema necessário para cada partida, nada além mais do que isso, para o Claudinei Oliveira. E também parar de colocar três atacantes, deu certo contra o Santos, mas foi uma exceção. Tem que preencher mais o meio-campo e tentar isso diante do Grêmio e matar os jogos em casa. Tem que vencer Sport e o São Paulo criando um abafa, pressão, que não aconteceu e ainda tem dificuldades para criar jogadas. Além disso, a Chape está em seu terceiro técnico, é muito difícil o Claudinei fazer uma coisa diferente do que Kleina e Guto Ferreira fizeram.

Júnior Spindula, da Rádio Super Condá, também destacou que a Chapecoense precisa voltar a vencer dentro de casa para recuperar o "DNA". Mas ressaltou, que a equipe apresenta força para conquistar o objetivo até o fim do Campeonato Brasileiro.

- A Chapecoense precisa se impor novamente dentro de casa. Os adversários atualmente não tem mais receio de jogar em Chapecó. Precisa recuperar esse DNA de não vender fácil o resultado. Se fizer o papel de casa nestes próximos dois jogos na Arena Condá, vejo a Chapecoense com grandes possibilidades de permanência - disse.

- Vejo a Chapecoense com sério problema de organização dentro de campo em momentos decisivos das partidas. Não vejo um time com falta de vontade, mas vejo que um time sem vibração em muitos jogos, mas vejo um time se cobrando um pouco mais e querendo mais. A Chape precisa encontrar formas diferentes de surpreender o adversário, na minha opinião está um time muito previsível - completou.

Eduardo Florão, do Globo Esporte, também ressaltou a falta de regularidade do time em toda temporada. E acredita que em dois triunfos, a equipe pode conquistar a permanência na competição.

- Na minha visão, a Chapecoense está faltando encontrar regularidade, que faltou no ano todo, só que restam quatro rodadas do Brasileirão. Teve duas vitórias seguidas contra América e Santos e agora era a chance de consolidar uma fuga da zona de rebaixamento, mas perdeu para o Botafogo. E essa alternância nos resultados não é somente com o Claudinei, já foi com Kleina, Guto. Então, tem quatro rodadas para encontrar regularidade, e creio que com duas vitórias consegue a permanência. Além disso, precisa aproveitar os jogos em casa para vencer.

Com isso, o sonho de deixar o Z4 e encaminhar a permanência na Série A do Campeonato Brasileiro virou pesadelo. A derrota para o Botafogo colocou pressão nos últimos quatro jogos. Mas segundo Claudinei Oliveira, o time tem que achar o meio termo: "não pode ser céu e inferno. Tem o purgatório"

CONFIRA A SEQUÊNCIA: GRÊMIO, SPORT, CORINTHIANS E SÃO PAULO:

Grêmio (fora - 35ª rodada)

?Logo na primeira partida após derrota, o Índio Condá enfrentará a equipe gaúcha, que está disputando uma vaga para Copa Libertadores da próxima temporada e seu rendimento nas últimas rodadas tem sido irregular, com chances de brigar pelas primeiras posições na tabela de classificação. Além disso, em Porto Alegre, o Tricolor conta com grande apoio da torcida, que incendeia o jogo. As equipes se enfrentam no domingo, às 19h, na Arena do Grêmio, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul.

O técnico Renato Portaluppi, em coletiva após vitória sobre o São Paulo na última rodada, cravou que a briga é pela quarta posição e, consequentemente, para a Copa Libertadores da temporada que vem.

- Foi muito importante a gente conseguir se manter no G4, e o São Paulo, não. Faltam quatro rodadas, vamos continuar no nosso objetivo de classificar o Grêmio para a Libertadores do ano que vem. Entre os seis eu garanto. Mas o objetivo é ficar entre os quatro. Está se encaminhando bem para que isso aconteça - completou Renato.

Sport (casa - 36ª rodada)

?Assim como a Chapecoense, o Leão também luta contra o rebaixamento. Contudo, a equipe do Nordeste não perde há exatamente cinco rodadas, com três vitórias e dois empates. Porém, um fator que pode animar Claudinei Oliveira, é o baixo rendimento do Sport fora de casa: com 17 jogos, 12 revés, três triunfos e dois empates.

Corinthians (fora - 37ª rodada)

?A equipe paulista também enfrenta tormentos e chegou a ficar bem próximo da zona de rebaixamento, e ainda não está totalmente livre, pois também precisa pontuar. Com isso, mais um jogo de seis pontos entre as equipes, que pode definir o caminho de Chape ou do Timão para próxima temporada. O time comandado por Jair Ventura tem 7% de cair para à Série B, entretanto, o comandante ressaltou que a equipe não irá passar para os problemas na rodada final.

- A gente sabe que o Corinthians não cai, tem a situação por causa do momento,, mas não cai, não é porque estou falando, é pela qualidade do meu grupo - afirmou o técnico Jair Ventura.

São Paulo (casa - 38ª rodada)

?O Tricolor paulista fecha o último desafio da Chapecoense da temporada. Os paulistas lutam também por uma vaga na Copa Libertadores, e caso esteja precisando do triunfo, os obstáculos serão ainda maiores. Para conseguir o objetivo, terá que parar o meia Nenê, que já comandando o São Paulo dentro de campo, além dele, Diego Souza também dificulta o trabalhos dos adversários.

O técnico interino da equipe paulista, Jardine destacou que quer uma agressiva nos últimos jogos. Entretanto, a afobação pode atrapalhar no momento de perfeição. Isto, pode ser um fator favorável à Chapecoense e o pouco tempo de trabalho com o time.

*Sob supervisão de Leonardo Martins

Esporte