PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Sánchez assume protagonismo no Santos e explica torcida pelo River

31/10/2018 17h30

Desde que chegou ao Santos, o volante uruguaio assumiu o papel de protagonista no Alvinegro, dominando o meio-campo e se tornando fundamental no time titular comandado por Cuca. Feliz no Peixe, o camisa 7 admitiu se sentir importante para a equipe e falou inclusive sobre as mudanças em seu posicionamento no setor, atuando praticamente como o armador.

- É uma função que eu gosto, a de armador, é algo que eu sempre treinei. Trato de cumprir o que pede Cuca, deixo tudo em campo. Uma equipe que joga muito bem, sempre tratamos de corresponder a cada jogo, sendo protagonista. Tenho que jogar como Cuca preferir, com raça, com disposição, deixando tudo em campo - ponderou o uruguaio.

O Santos tem a semana livre para se preparar para o clássico contra o Palmeiras, no próximo sábado, às 19h, no Allianz Parque, pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro. Para Sánchez, não há motivo de alterar a rotina de treinamentos por se tratar de um jogo contra o rival. Mesmo assim, é preciso ter intensidade e entrega em cada atividade.

- Não nos preocupamos com isso, cada um mede suas emoções, sabemos que é um jogo importante no sábado, temos que fazer um grande jogo e seguir sonhando com a Libertadores. É uma grande motivação jogar contra o líder, cada semana se trabalha da mesma forma, com intensidade, sabemos que vivemos um grande momento e desfrutamos. No sábado, é concentração total no objetivo que é triunfar - disse, e completou:

- É algo complicado pensar com que equipe jogaremos. Vamos enfrentar os melhores sempre, sempre com motivação e esforço que cada jogo merece, com concentração 100%, sem deixar detalhes para outras equipes. Estamos motivados sempre para o jogo. É uma partida especial, um clássico, e tem que levar a semana com tranquilidade para fazer um grande jogo.

Torcida pelo River Plate na Libertadores

Em 2015, Sánchez foi campeão da Libertadores vestindo a camisa do River Plate. Além do carinho pelo time argentino por fazer parte da história, o volante ainda torce pelo irmão, Nicolás De La Cruz, que faz parte do plantel dos Millonarios. Por isso, contra o Grêmio e na final da Libertadores, seja com quem for, a torcida do hoje santista será total dirigida ao River Plate - e compartilhada com a esposa, que registrou nas redes sociais a audiência na semifinal contra o time gaúcho.

- Não torço por nenhum clube, torci ontem por um familiar que tenho no River, e é um carinho enorme pela instituição. Hoje não tenho nada a ver, só depois na final da Copa - afirmou.

Confira outros pontos da entrevista coletiva de Carlos Sánchez:

Seleção uruguaia

?Complicado pois não depende de mim. Seleção é um prêmio para todos, não é menos importante ficar na equipe, é muito importante tudo. Se estou convocado e confirmado, seria um prêmio, vou. E se fico, faço o que venho fazendo, pensando na equipe. Seleção é algo lindo, poder estar lá de novo, mas não tenho confirmado nada e só pensando em trabalhar aqui, ajudar nos jogos. Sempre pensamos no presente, treinar e verei como será a convocatória.

Fase artilheira

Não... É uma alegria enorme fazer gols. Trato de dar sacrifício ao time, ajudar, o gol é bem-vindo. Não sou eu que busco o gol, busco ajudar. Posso ajudar com gols também e às vezes a oportunidade vem. As chances estão vindo, mas só penso em ajudar e não em fazer gols.

Brincadeiras nas redes sociais com Derlis

Brincadeira é importante, grupo é saudável, humano, tratamos sempre com humor. Temos grande união e esperamos que todos sigam jogando bem. Não é individual, é coletivo. Que todos estejam à altura do Cuca para ele decidir. Nós apoiamos a todos.

Boa fase de Bryan Ruiz

Fico muito feliz por ele. Eu falei na semana passada que faltava confiança para ele ser o mesmo. Que seria o mesmo. Está dando tudo, crescendo e que ele continue ajudando. Ele é um jogador-chave, internacional, com muita experiência e que continue nos ajudando e nós a ele.

Momento ruim de Bruno Henrique

Não (conversei com ele). Não sabia disso, todos temos nossos objetivos, apoiando, dando confiança. Temos que dar confiança. Já aconteceu comigo de não jogar bem e ser substituído, tem que apoiar e confiar nas qualidades. Ele tem muita para nos ajudar. É fundamental. Que possa ter confiança e ser o mesmo.

Esporte