PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Borja busca marca de 1968, mas não tem vaga garantida contra o Boca

MÁRCIO CUNHA/ESTADÃO CONTEÚDO
Imagem: MÁRCIO CUNHA/ESTADÃO CONTEÚDO

30/10/2018 06h00

Borja está a dois gols de igualar Tupãzinho, que em 1968 atingiu o recorde de gols em uma edição de Libertadores pelo Palmeiras: foram 11 na ocasião. Na briga pela artilharia neste ano, o colombiano tenta garantir uma vaga para o jogo de quarta-feira, contra o Boca Juniors (ARG), único rival em que não marcou na competição.

Graças à expulsão de Deyverson no Brasileiro, Borja já fez duas partidas seguidas, contra o Boca na Bombonera e contra o Flamengo. Artilheiro do Verdão também no ano com 19 gols, o camisa 9 não tem presença certa na volta da semifinal da Copa Libertadores por conta de sua sequência de jogos e uma possível mudança no estilo de jogo.

Enquanto ele é um jogador que se aproveita melhor das jogadas pelo chão, com diagonais curtas na área, Deyverson briga mais pelo alto e tem mais facilidade no pivô, um estilo que agrada a Luiz Felipe Scolari. Após a derrota por 2 a 0 em Buenos Aires, Felipão falou em mudar a estratégia e sistema para a volta no Allianz Parque, sem entrar em detalhes.

Borja tem a favor os ótimos números nesta Libertadores: são nove gols em 11 jogos. Artilheiro junto de Morelo, que já foi eliminado com o Santa Fé (COL), o colombiano fez gols no Junior Barranquilla (quatro), Alianza Lima (dois), Cerro Porteño (dois) e Colo-Colo (um). O Boca Juniors é o único rival que passou ileso pelo goleador até aqui.

Caso balance as redes no Allianz Parque, o centroavante irá se isolar na segunda posição entre os palmeirenses que fizeram mais gols em uma edição da Libertadores - ele hoje está empatado com Lopes, que em 2001 também fez nove. Tupãzinho, com os 11 gols nas 14 partidas de 1968, lidera esta lista.

Nesta terça, haverá a última atividade, quando Felipão definirá a equipe para a semifinal. Além de uma possível mudança no ataque, existe a possibilidade de Lucas Lima entrar no meio-campo, na vaga de Moisés ou Felipe Melo. O Verdão precisará vencer por 2 a 0 diante de quase 40 mil pessoas para levar o jogo aos pênaltis - se ganhar por mais de três gols de diferença, vai à final.

Esporte