PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Esquema sem centroavante tem funcionado melhor no Corinthians

Ale Cabral/AGIF
Imagem: Ale Cabral/AGIF

30/09/2018 08h05

Ainda no primeiro semestre desta temporada, sentindo a ausência do centroavante Jô, vendido para o Nagoya Grampus, do Japão, o técnico Fábio Carille adotou o 4-2-4 como sistema tático do Corinthians. Depois da saída da antiga comissão técnica e outras várias mudanças no clube, o atual treinador Jair Ventura dá mostras de que o antigo sistema, que rendeu a conquista do Paulistão, deve voltar a ser utilizado com mais frequência.

No jogo da noite do último sábado, contra o América-MG, em Minas Gerais, o Timão atuou com quatro jogadores na frente (Romero, Clayson, Pedrinho e Mateus Vital), sem a presença de um centroavante fixo. Em campo, o time rendeu bem e, apenas no primeiro tempo, finalizou 14 vezes. A média do Corinthians, por jogo, no Brasileirão, é de 9,7 chutes ao gol.

Apesar de ter deixado o Independência zerado e com um empate amargo na mala, a comissão técnica do Timão saiu satisfeita de Minas Gerais. Depois de sofrer com dificuldade em acertar o gol adversário (nos dos primeiros jogos de Jair Ventura no clube, o time não acertou nem um chute sequer ao gol), o Corinthians dá sinais de uma visível melhora ofensiva.

"Se a gente seguir com esse desempenho, vamos ficar muito mais perto da vitória. Foi o nosso melhor jogo em termos de criação, de controle de jogo. Pena não ter vencido", discursou o treinador após a partida.

Com o quarteto em campo, o ataque teve mais movimentação, conseguiu abrir espaços na defesa adversária e, principalmente, apresentou mais alternativas de jogo. Contra o Flamengo, na última quarta, embora com Jadson na vaga de Pedrinho, a mesma conduta foi observada e o time teve uma postura elogiável.

A tendência, desta forma, é de que o Corinthians volte a adotar o sistema sem um centroavante de ofício, que lhe rendeu o título do Paulistão, em cima do rival Palmeiras, no primeiro semestre. O objetivo, agora, é repetir a dose contra o Cruzeiro, na Copa do Brasil. Será que o 4-2-4 vai continuar rendendo bons frutos no clube de Parque São Jorge?

Esporte