PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Com gol de Welinton Júnior, Brasil de Pelotas bate a Ponte e respira na Série B

25/09/2018 23h41

Na busca por mais um feito no Campeonato Brasileiro da Série B, Ponte Preta e Brasil de Pelotas entraram em campo na noite desta terça-feira, pela 29ª rodada, no estádio Moisés Lucarelli, localizado em Campinas, interior de São Paulo.

Apesar da vitória conquistada, os comandados de Rogério Zimmermann não se movimentaram na classificação (15ª), porém chegam aos 34 pontos somados, tentando manter-se à frente de seus adversário que brigam para sair do Z4. Já os comandos de Marcelo Chamusca pararam nos 37 pontos, estacionando na 11ª colocação.

O Jogo

Nos primeiros dez minutos, apesar da intensa velocidade do jogo, além das chances aparecendo a cada minuto, ambas as equipes não conseguiram oferecer perigo aos respectivos goleiros.

Com o andar do relógio, o panorama continuava igual até meados dos 25 minutos. Tanto a Ponte, quanto o Brasil, buscavam encontrar caminhos em campo tentando escapar das faltas, porém nenhuma tentativa foi suficiente para abrir a contagem no Moisés Lucarelli, deixando Marcelo Pitol e Ivan tranquilos debaixo das traves.

Sem conseguir aproveitar as oportunidades criadas, as equipes faziam basicamente uma partida bastante equilibrada. Oscilando nas descidas, o número de finalizações erradas só cresciam, deixando os torcedores desapontados com a fraca pontaria dos jogadores.

Mesmo com o baixo aproveitamento dos atacantes, aos 34 minutos, finalmente a Ponte conseguiu oferecer real perigo de gol ao goleiro Marcelo Pitol. Após cruzamento do lateral Danilo Barcelos, o atacante Roberto subiu mais alto que a defesa do Xavante, obrigando o camisa 1 do clube gaúcho a realizar uma bonita defesa.

Passado o susto, o Brasil resolveu dar o troco na equipe local. Mas desta vez foi fatal. Aproveitando bom contra-ataque, o atacante Welinton Júnior recebeu bom passe na direita, conseguindo dar um toque sutil para encobrir o goleiro Ivan e balançar a rede rival. 1 a 0.

Até os acréscimos, a equipe gaúcha optou por tentar controlar mais a posse de bola, além de intensificar sua marcação em seu campo de defesa. Ao apito final do árbitro para encerrar a primeira etapa, a torcida da Ponte não perdoou seus atletas que saíram debaixo de vaias para os vestiários.

Na volta para a segunda etapa, ambos os times retornaram com as mesmas formações iniciais. Assim como foi no primeiro tempo, os 10 minutos foram parecidos com as boas chances criadas pelos times, no entanto, sem sucesso nas tentativas.

Com o relógio chegando aos 20 minutos, apesar de algumas alterações por parte do técnico Rogério Zimmermann, o Xavante pouco deixava a Ponte sonhar com seu gol de empate. Já pelo lado da equipe paulista, Chamusca parecia acreditar no potencial de seus jogadores, deixando os torcedores impacientes com o treinador.

Atendendo aos apelos das arquibancadas, o treinador do time de Campinas, finalmente, recuou aos seus suplentes. No entanto, mesmo com a entrada de Tiago Real no lugar de João Vitor, pouco notou-se melhorias por parte dos mandantes, passando por alguns apuros em seu sistema defensivo.

Percebendo o fraco desempenho de seus comandados em campo, Chamusca, outra vez, voltou a apostar em seu banco de reservas. Sem conseguir ter um bom aproveitamento em campo, o atacante Roberto acabou sendo escolhido para deixar seu lugar ao seu companheiro de posição, Victor Rangel.

Mesmo com as modificações, a Ponte mostrou-se valente para conquistar seu gol de igualdade. No entanto, o Brasil conseguiu segurar a pressão por parte do rival até o apito final da arbitragem, comemorando muito os três pontos conquistados para distanciar-se da zona de rebaixamento da competição.

Esporte