PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Presidente da FPF: investigação sobre interferência na final foi rigorosa

Alexandre Battibugli/FPF
Imagem: Alexandre Battibugli/FPF

10/05/2018 10h50

Em entrevista ao jornal "O Estado de S.Paulo", o presidente da Federação Paulista de Futebol (FPF), Reinaldo Carneiro Bastos, rebateu as acusações feitas pelo Palmeiras e afirmou que não houve interferência externa na final do Campeonato Paulista contra o Corinthians. Ele ainda disse que foi realizada uma investigação interna rigorosa pela entidade.

"Não teve e não há interferência externa na arbitragem em São Paulo. Se houvesse qualquer indício de interferência, eu seria o primeiro a denunciar e correr para resolver o problema. Cumprimos o regulamento e somos rigorosos. A Justiça foi feita. O campeonato seria decidido por um pênalti inexistente. Aí sim estaria manchado", disse Reinaldo.

"Demorar 7min50s para fazer a bola voltar a rodar é inadmissível porque o árbitro já tinha tomado a decisão 2min50s depois do lance. O que aconteceu foi um erro de procedimento. Quando o árbitro decidiu, os jogadores do Corinthians pararam de reclamar, mas aí os jogadores do Palmeiras começaram a reclamar. Faltou uma atitude mais forte na área disciplinar para que o problema fosse sanado mais rapidamente", completou.

De acordo com Reinaldo, a delegada Margarete Barreto, corregedora da FPF e integrante do Departamento de Inteligência da Policia Civil, comandou a sindicância e chegou a uma posição de que não ocorreu interferência externa na decisão do árbitro Marcelo Aparecido de Souza de anular o pênalti de Ralf em Dudu na final do Campeonato Paulista. Margarete analisou as mensagens e ligações telefônicas relacionadas aos membros da federação que estavam em campo, junto com a equipe de arbitragem que atuou na final do Paulistão.

"Solicitamos uma sindicância interna feita pela delegada Margarete Barreto e ela levantou com as operadoras, minuto a minuto, os telefonemas e as mensagens de WhatsApp de todos que estavam envolvidos com a comissão de arbitragem e os árbitros. Ela fez um trabalho rigoroso e não foi detectada nenhuma interferência. A única pessoa que se encontrava com celular era o Márcio Verri Brandão, designado para que a federação tivesse uma atuação mais rigorosa naquela área comum aos dois clubes. Quando um helicóptero ficou em cima do estádio com dizeres do Corinthians, a segurança do Palmeiras pediu e o Márcio, sendo oficial da reserva da Aeronáutica, contactou o comando da FAB (Força Aérea Brasileira) para que o helicóptero fosse retirado. Então, ele saiu daquela área porque o sinal do celular é mais forte fora do túnel. Ele recebeu a mensagem e o helicóptero foi obrigado a se retirar. O Márcio estava com celular na mão e não no ouvido. No dia seguinte, inclusive, o Palmeiras agradeceu no WhatsApp dele a pronta intervenção", disse Reinaldo.

Reinaldo ainda se mostrou irritado com as declarações do presidente do Palmeiras, Maurício Galiotte, após o término da partida. O mandatário classificou a competição de "Paulistinha"

"Não foi um Paulistinha. Foi um Paulistão. O Palmeiras foi líder de arrecadação e público do campeonato. Ninguém luta tanto por um Paulistinha. O Paulista é o Estadual mais tradicional do País, por isso toda essa polêmica e discussão. O presidente é o torcedor número 1 do Palmeiras. Ele sofre uma pressão enorme por títulos, tem investimento e um parceiro forte no futebol, além de eleição em novembro. Aquela atitude não racional, depois do jogo, é até compreensível, mas continuar, insistir, é um exagero", afirmou.

Esporte