PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Carille diz que Timão ainda merece título e abre caminho a Clayson

29/10/2017 19h50

Derrotado em três dos últimos quatro jogos, o Corinthians dá cada vez menos sinais de reação restando sete rodadas para terminar o campeonato que ainda lidera (pode ter a vantagem diminuída para três pontos ao fim da rodada). Porém, o técnico Fábio Carille defende o time e ainda acredita que merece ser campeão.

O mérito, na opinião do treinador, se deve à regularidade do primeiro turno, no qual o Timão não perdeu.

- Tem que estar na frente. Existe 38 jogos. Quem for melhor, é o campeão brasileiro. Os jogadores entraram no vestiário de cabeça erguida porque lutou muito. Não lembro de uma defesa do Cássio no segundo tempo. Triste pelo resultado, mas feliz pelo desempenho - disse.

O técnico, apesar da derrota para a Ponte Preta, em Campinas, neste domingo, acredita que o Corinthians jogou bem e só não obteve um placar diferente graças ao goleiro Aranha.

- O Aranha fez boas defesas, mais importante do que finalizar, é acertar o gol. O Aranha foi muito feliz. O que me deixa mais contente nesse momento é que o rendimento da equipe foi bom. Duro é perder não jogando bem. Deixei a equipe mais ofensiva e criamos oportunidades com as mudanças. Infelizmente não fizemos o gol.

Logo no intervalo, já que terminou o primeiro tempo perdendo, Carille sacou o volante Gabriel e colocou Clayson aberto pelo lado esquerdo. O Timão teve mais posse de bola e passou a ficar mais próximo da área.

A atuação do "talismã" agradou ao chefe, mesmo sem ter balançado as redes. Agora, o atacante definitivamente briga por uma vaga entre os titulares.

- Essa possibilidade existe (de Clayson ser titular). Estamos satisfeitos com ele e pode acontecer. Está merecendo, mas a gente tem estratégia. Quem decido o jogo são 14 jogadores, os 11 que iniciam e os três que entram em campo. Muitas vezes usamos ele numa peça que não funciona muito bem. Se a gente vira o jogo 0 a 0, poderia fazer a troca direta pelo Romero, mas como virou 1 a 0, decidi deixar o time mais ofensivo - concluiu.

Esporte