PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Dorival ri de drones invasores e compara São Paulo e Palmeiras

25/08/2017 11h26

"Vou confirmar a escalação na hora do jogo, até porque os drones de lá são os mesmos daqui, essa molecada é esperta". Foi com essa declaração que Dorival Júnior iniciou sua entrevista coletiva nesta sexta-feira, antes de treino fechado à imprensa. Mas o técnico garante que estava apenas brincando e compara as situações atuais de Palmeiras e São Paulo, rivais deste domingo, no Allianz Parque.

- Não teve situação nenhuma (de drone invadindo treino), foi apenas brincadeira, até porque o muro e as árvores são altos. Precisamos usar tudo ao alcance dentro do cmapo, extracampo não é lega, e existe respeito dos dois lados. Como não estou sabendo a equipe do lado de lá, vou aguardar. Mas não terá muita novidade, fiquem tranquilos - sorriu o comandante do Tricolor.

O São Paulo ocupa a zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro, aparecendo em 17º lugar, com 23 pontos em 21 rodadas. O Palmeiras está na quarta posição, com dez pontos a mais, mas sob pressão, mesmo estando na faixa da tabela que dá vaga direta na Libertadores. Para Dorival, a diferença entre os times está apenas em detalhes dentro de campo.

- São pequenos detalhes que estão faltando ao São Paulo. está na hora de reverter isso. Que pequenos detalhes comecem a sorrir e nos acompanhar, estamos deixando pontos na competição em razão de pequenos detalhes que estão interferindo. Que voltemos a ter esses detalhes conspirando a nosso favor - disse, comentando também sofre o fato de ele e o São Paulo nunca terem vencido no Allianz Parque.

- É uma condição desfavorável, temos de reconhecer, mas trabalhar para reverter. Estamos alcançando um caminho, um horizonte. Que joguemos com confiança, façamos um grande jogo e saibamos enfrentar o Palmeiras em momento como esse, com seu torcedor e retrospecto altamente favorável.

Confira outros temas abordados por Dorival Júnior em sua entrevista nesta sexta-feira:

Momentos dos rivais

São momentos distintos, mas situações de campeonato que se assemelham nos últimos resultados. São Paulo precisando de reabilitação, e Palmeiras querendo retomar. Duas equipes que se respeitam, um clássico, com histórico fantástico. Esperamos jogar em situação superior e subida a mais em relação às últimas partidas. Temos uma confiança maior e temos de melhorar isso, servindo como base e sustentação melhor para o nosso momento. Que essa condição seja uma alavanca para buscarmos mais pontos e melhoremos a classificação.

Tabu pessoal no Allianz Parque

Depende dos momentos. Depois da estreia, enfrentei com o Santos, nos primeiros momentos, Santos em zona de rebaixamento, inseguro. Depois, na decisão da Copa do Brasil e alguns outros jogos. Jogos sempre equilibrados. Jogar em seu campo tem sempre equilíbrio muito grande entre torcedor e equipe. Se equipe vive grande momento, existe aproximação muito saudável, isso faz com que toda equipe cresça atuando ao lado de seu torcedor.

Aproveitamento de 44,4%

Ainda é muito pouco, precisamos de mais. O São Paulo não pode sobreviver sempre flertando ou estando dentro da zona de rebaixamento. Em algum momento, precisaremos estar livres dessa condição. depende do nosso esforço, comprometimento e trabalho. Está tudo nas nossas mãos, é um fator importantíssimo. Precisamos de uma reação rápida.

Jejum de gols de Pratto

Tudo é questão de tempo, que criemos mais para Pratto, Gilberto e Denilson sejam abastecidos. Pratto é um grande definidor, grande jogador, não traz preocupação. Naturalmente, vamos observar as melhores opções e modificar essa situação.

Possível interesse do Ajax em Rodrigo Caio

Garantia (da diretoria que ninguém vai sair) nós temos. Se um clube chegar depositando a multa e acertando com atleta, não tem como interferir. Corremos riscos como todos os clubes brasileiros. Enquanto não houver equilíbrio, com janelas se encerrando no mesmo momento, será assim. Mas não sei nada do Rodrigo Caio.

Treino aberto no Morumbi

Foi uma ideia da diretoria, pedido do torcedor e pode passar energia, jogadores se sentirem aparados porque torcedor não poderá comparecer no momento da partida. Fui totalmente favorável, nosso trabalho se encerra na sexta e trabalharemos ao máximo para estarmos bem no domingo.

Torcida única

Pelo que vivemos aí, não tem como. A morte está banalizada, as pessoas não se respeitam, não tem como fazer diferente. Pelo esporte, sou contrário, mas temos de ser realistas. Violência está banalizada, e país na impunidade faz imperar isso. Não tem como fazer diferente, temos de entender. Só como esportista sou totalmente contrário.

Maicosuel e Lucas Fernandes

Maicosuel vem crescendo, Lucas Fernandes, também, um garoto que promete, estamos olhando com carinho o crescimento dele.

Esporte