PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Sobreviventes relatam memórias do acidente com o voo da Chape

23/08/2017 16h48

Oito meses após a tragédia com o voo da Chapecoense, os sobreviventes Neto, Jakson Follmann e Alan Ruschel contaram ao site Players Tribune lembranças detalhadas que têm dos momentos que antecederam e sucederam a queda do avião. Um dos fatos mais marcantes apontados na narração feita pelos próprios jogadores é o depoimento do zagueiro Neto sobre um pesadelo semelhante ao acidente, que teve dias antes do ocorrido.

- Eu sonhei que iria acontecer. Poucos dias antes de nós partirmos para a primeira das finais da Copa Sul-Americana na Colômbia, eu tive um pesadelo terrível. Quando eu acordei, contei para a minha mulher que eu estava em um acidente de avião. Eu estava na aeronave à noite e chovia bastante. Então o avião desligou. E caiu dos céus. Mas, de alguma forma, eu consegui me levantar dos destroços. Eu saí e estava numa montanha à noite. Estava tudo escuro. É tudo o que eu me lembrei - contou o zagueiro.

- No dia da viagem para o jogo final, eu não consegui tirar o pesadelo da minha cabeça. O sonho era tão vívido. Estava martelando na minha mente. Então eu enviei uma mensagem para a minha mulher do avião. Eu disse a ela para orar a Deus e pedir para Ele me proteger daquele pesadelo. Eu não queria acreditar que aquilo iria acontecer. Mas eu pedi para que ela orasse por mim. Então eu vi todas as coisas daquele sonho se tornarem realidade. O avião desligou. A força caiu completamente. Eu estava completamente acordado... E o avião caiu dos céus. Estava além de nossa compreensão como humanos - destacou Neto.

O lateral-esquerdo Alan Ruschel relembrou os momentos de descontração no início da viagem e a emoção do time, que depois de muito trabalho conseguiu se classificar para disputar a final da Copa Sul-Americana.

- Eu estava fazendo mágica com o baralho. Eu sempre gostei de fazer isso. A gente estava ouvindo pagode. Era um grupo de pessoas que estava extremamente feliz em fazer história, independente de ser campeão ou não. A gente estava levando um clube de uma cidade pequena do Brasil para a final da Copa Sulamericana. Então a gente estava muito feliz - destacou Ruschel.

O ex-goleiro Follmann contou que no momento da queda, não havia o que ser feito, já que não foi anunciado o problema do avião e a tripulação começou a se desesperar tentando entender o que estava acontecendo sem receber respostas. Apegado a sua fé, o atleta contou que, no momento da queda, pediu a proteção divina.

- Não existem muitas pessoas no mundo que já passaram por aquele momento. Num segundo você está no caminho para conquistar os seus sonhos com os seus amigos e todos estão felizes, e então no segundo seguinte todas as luzes do avião se apagam e você está caindo dos céus. Eu só tive tempo de orar e pedir a Deus para ele me proteger. Dentro do avião, você não pode fazer nada. Você não pode correr, você não pode chorar, você não pode pedir ajuda, você não pode perguntar por quê? Tudo o que você pode fazer é deixar a sua vida nas mãos de Deus.

Os sobreviventes ainda citaram a negligência da companhia de aviação, responsável pelo acidente, que cometeu o mesmo erro de poupar combustível em outras viagens, se se preocupar com a segurança das pessoas que viajavam na aeronave.

- Nós não queremos deixar as pessoas esquecerem daqueles que se foram. As pessoas que morreram, eles são heróis. Perder tantos amigos. pessoas que eram filhos, que eram pais, que eram irmãos. é muito difícil de entender tudo isso. Por que tudo isso aconteceu? Poderia ter sido evitado - disse Follmann.

- A companhia que operava o avião estava economizando combustível repetidamente. Olhando para os fatos, nós podemos ver que mais cedo ou mais tarde, isso ia acontecer. Eles fizeram isso muitas vezes com outros times. A companhia queria economizar um pouco de dinheiro, e eles acabaram tirando a vida de muita gente. As pessoas falam muito do piloto, mas se você pensar a respeito, não pode ter sido só o piloto. Eles estavam seguindo os regulamentos. Para decolar daquele jeito, sem combustível extra, você tem de ter corrupção ao redor - relembrou Neto.

Oito meses após a tragédia, os atletas tentam pensar na chance que tiveram ao escapar da morte e garantem que seus amigos, que se foram no acidente, serão sempre lembrados com muito carinho e respeito.

- Nós não queremos deixar as pessoas esquecerem daqueles que se foram. As pessoas que morreram, eles são heróis. Perder tantos amigos. pessoas que eram filhos, que eram pais, que eram irmãos. é muito difícil de entender tudo isso. Por que tudo isso aconteceu? Poderia ter sido evitado - destacou Neto.

Após o acidente, Follmann teve parte de sua perna direita amputada, mas afirma agradecer sempre pela oportunidade de ter atuado como goleiro durante 12 anos.

- Bom, eu perdi minha perna, sim. Mas eu estou andando. Estou dirigindo. Estou vivendo uma vida feliz. Eu acredito que se você tem uma boa atitude, se você ainda se lembrar de como sorrir, então tudo vai ficar O.K.Eu não perdi o gosto por viver. Especialmente depois de tudo que aconteceu. Eu sempre acordei com um sorriso no rosto, desde quando eu era uma criança que sonhava em ser goleiro. E graças a Deus, eu fui capaz de viver esse sonho por 12 anos. Eu fui agraciado com essa benção na vida - disse o ex-goleiro.

Neto foi o último sobrevivente a ser encontrado entre os destroços. O jogador ficou cerca de oito horas desaparecido, até que foi ouvido pelo policiais que buscavam pessoas com vida no local de difícil acesso, próximo à Medellín.

- Quando você retorna de uma experiência como a que nós passamos, isso muda você. Marca você para sempre. Mas se eu for sincero, a minha mente é a mesma. Eu ainda vejo o bem no mundo. O acidente me ensinou a apreciar as pequenas alegrias na vida. Quando eu chutei a bola de novo pela primeira vez depois do acidente, eu me senti como se fosse criança novamente - declarou Neto.

Pela primeira vez, Ruschel foi relacionado para um jogo da Série A do Campeonato Brasileiro neste ano. O jogador estará no banco de reservas da Arena Condá podendo entrar em campo no decorrer da partida contra o líder Corinthians, que será realizada no próximo domingo. Antes de ser relacionado, o jogador contou sobre lição de vida.

- Para mim, celebrar a vida é a coisa mais importante. Se o acidente me ensinou uma lição, é a de que eu não sei o que vai acontecer nos próximos 10 minutos. Eu não sei o que vai acontecer quando eu sair deste quarto. Minha mensagem para qualquer um que esteja ouvindo é perseguir os seus sonhos. Se você realmente quer fazer alguma coisa, vai lá e faz. Viva a vida no máximo. Você não sabe o que o amanhã vai trazer - finalizou.

Esporte