PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Após oferta de R$ 22 milhões negada, Júnior Tavares vive novo momento

22/07/2017 05h20

Há três semanas, Júnior Tavares assina a renovação de seu contrato com o São Paulo, ganhava aumento salarial e viu o clube recusar uma oferta de 6 milhões de euros (R$ 22,6 milhões) do Zenit, da Rússia, por ele. Mas o lateral-esquerdo, titular absoluto em toda a temporada, agora amarga a reserva sob o comando do recém-contratado técnico Dorival Júnior.

A situação atual é uma surpresa para o camisa 22. O Tricolor sabia que o Ajax, da Holanda, o estava observando e tratou de ampliar seu contrato, que acabaria em 2019, para se encerrar no fim de 2021. Ainda definiu multa rescisória de 40 milhões de euros (aproximadamente R$ 151 milhões).

Júnior Tavares assinou seu novo contrato no dia 26 de junho. Quatro dias depois, seus empresários apresentaram ao clube uma oferta de 6 milhões de euros do Zenit e a diretoria não quis nem abrir negociação. O time já estava à beira da zona de rebaixamento no Campeonato Brasileiro e as recentes vendas do zagueiro Maicon e do volante Thiago Mendes tinham trazido complicações e críticas.

Júnior Tavares já tinha sido observado por representantes do Ajax, da Holanda, em duas partidas do Campeonato Brasileiro, em maio, e os dirigentes chegaram a prometer uma oferta que poderia chegar a 8 milhões de euros (quase R$ 30 milhões). A proposta não se confirmou, mas o lateral se dizia à vontade no São Paulo.

Júnior Tavares era titular absoluto de Rogério Ceni e continuou titular nos dois primeiros jogos de Dorival Júnior. Tinha participado de 38 dos 40 jogos do clube na temporada até que, na última quarta-feira, virou reserva. Com Edimar estreando em seu lugar (o lateral-esquerdo de 30 anos ficou quatro meses só treinando à espera de uma chance), o Tricolor ganhou do Vasco por 1 a 0, no Morumbi, e Dorival não dá mostras de que irá mexer na equipe.

A amigos, Júnior Tavares diz que caiu de rendimento junto com o time e não entende por que parou na reserva, mas promete não reclamar. O discurso é de trabalhar para voltar a ter espaço, como Dorival Júnior prometeu ao comentar seu caso na entrevista coletiva depois da partida.

Junior Tavares foi formado pelo Grêmio, mas atuou pelo time sub-20 do São Paulo no ano passado e, após ser aprovado por Rogério Ceni, a diretoria comprou 50% de seus direitos econômicos. No acordo com o clube gaúcho, a equipe tem até 2019 para adquirir mais 30% dos direitos de Júnior por um valor considerado baixo. Ele fará 21 anos de idade no próximo dia 7.

Esporte