António Oliveira avalia trabalho feito no Corinthians e pede paciência à torcida: "Tem sido desafiante"

O treinador António Oliveira ganhou uma sobrevida no comando técnico do Corinthians com o empate da equipe alvinegra diante do Athletico-PR, em 1 a 1, na Ligga Arena, pelo Campeonato Brasileiro. No entanto, o português não tem tido vida fácil no comando do Timão.

António foi contratado pelo Alvinegro paulista em fevereiro deste ano. O comandante estava no Cuiabá e deixou o time mato-grossense para assumir a equipe do Parque São Jorge. Ele teve um bom início, mas agora atravessa um momento conturbado: o clube está na zona de rebaixamento do Brasileiro e não vence há cinco jogos.

Em entrevista ao canal do jornalista Flávio Prado, o treinador português avaliou como tem sido sua passagem no Corinthians até o momento. Até aqui, ele esteve à beira do gramado em 27 partidas, com 12 vitórias, oito empates e sete derrotas.

"É um caminho que tem sido desafiante. É evidente que só cheguei porque os jogadores não estavam bem, senão não chegaria aqui, e foi através desse trabalho (no Cuiabá). Nós sabemos que o futebol é imprevisível, muito aleatório, mas é difícil um treinador do Cuiabá ganhar o prêmio de melhor técnico do mês, como aconteceu na época passada. É muito raro isso acontecer. Mas não há bom treinadores sem ter bons jogadores. Se fui um bom treinador, é porque tinha bons jogadores comigo. E também nessa perspectiva tenho que ser muito grato aos meus jogadores, ao que construímos, para além de uma equipe, um grupo, uma família. E sabemos o quanto difícil é, hoje, bater o clube que vamos enfrentar (Cuiabá). Um clube bem estruturado, organizado, que dá toda as condições aos profissionais para desempenharem as suas funções de forma tranquila. E eu sabia que viria para um mar que não era calmo. Pediram-me para acalmar o mar, e o mar acalmou. Na altura, o Corinthians tinha sete jogos e cinco derrotas, e hoje com 24, 25 jogos, tem sete", destacou o profissional.

Continua após a publicidade

O Timão também não atravessa um momento fácil longe dos gramados. O time alvinegro vive uma crise administrativa: diversos diretores deixaram o clube, enquanto a patrocinadora máster VaideBet rescindiu com a equipe devido a um esquema de laranja que foi revelado pelo jornalista Juca Kfouri.

António Oliveira comentou a fase que o Alvinegro paulista vem passando, dentro e fora de campo, e pediu paciência à torcida. O português também revelou que tem sido não só um técnico de futebol, mas também um gestor.

"Nós percebemos o contexto que o clube se mergulhou e nessa perspectiva, as pessoas têm que ter alguma compreensão, certa paciência. O trabalho que tem sido feito tem sido de grande qualidade, principalmente num momento tão conturbado do clube, conseguimos mobilizar toda essa gente para vir a todos os jogos e vi a entrega deles no último jogo. É por isso que digo que aqui no Corinthians tenho sido muito mais que um treinador de futebol. E o técnico tem que ser muito mais que um treinador, não pode só saber dos treinos e das partidas. Tem de saber gerir os recursos humanos, as emoções deles. Posso ter o melhor treino e a melhor ideia do mundo, mas se não conseguir comprometer os jogadores em um objetivo comum, vai um para cada lado", explicou.

Em busca da reabilitação no Campeonato Brasileiro, o Corinthians de António Oliveira retorna aos gramados já nesta quarta-feira. O Timão visita o Cuiabá às 20h (de Brasília) desta quarta-feira, na Neo Química Arena, pela 12ª rodada do torneio.

Continua após a publicidade

Deixe seu comentário

Só para assinantes