Documento contradiz Augusto Melo e Corinthians deve finalizar saída de Carlos Miguel

Na última segunda-feira, o presidente do Corinthians Augusto Melo negou ter recebido qualquer contato de algum clube interessado em contratar Carlos Miguel.

"Não tive nenhuma proposta até agora. Até agora não chegou nada, nenhum contrato, não pagaram multa, nada. O menino está aí feliz, trabalhando. Até agora...", respondeu o mandatário corintiano, durante entrevista coletiva ao ser questionado sobre o assunto.

No dia seguinte, a Gazeta Esportiva entrou em contato com Augusto Melo e, por mensagem, o dirigente reforçou o discurso da coletiva, de que não havia recebido nada.

Na quinta-feira anterior, dia 6, a Gazeta publicou que o goleiro já havia tomado a decisão de jogar no Nottingham Forest após o empresário Kia Joorabchian apresentar a proposta do clube inglês.

Nesta sexta-feira, a reportagem teve acesso ao documento enviado pelo Nottingham Forest ao Corinthians, datado em 5 de junho. Nele, os ingleses manifestaram interesse em pagar a multa rescisória de 4 milhões de euros, cerca de R$ 23 milhões.

Foto: ReproduçãoA reportagem, então, voltou a procurar Augusto Melo, que preferiu não se manifestar. Já a assessoria do Corinthians afirmou que o Timão recebeu, sim, contato do Nottingham Forest, mas que isso aconteceu dia 12, dia seguinte a coletiva. Este e-mail não foi apresentado.

A situação, agora, está na fase burocrática. Carlos Miguel não deve mais jogar pelo Corinthians. Existe a possibilidade do negócio ser concretizado ainda neste final de semana.

O Corinthians detém 80% dos direitos econômicos de Carlos Miguel. Sendo assim, o alvinegro deve receber R$ 18,4 milhões.

Continua após a publicidade

Carlos Miguel chegou ao Corinthians em outubro de 2021 e o atual vínculo tem vencimento datado para dezembro de 2025. Pelo Timão, ele entrou em campo em 24 partidas e passou a se destacar na atual temporada ao assumir a titularidade que era de Cássio antes do ídolo corintiano se transferir para o Cruzeiro.

Depois de perder Cássio e diante a iminente saída de Carlos Miguel, o Corinthians vai ficar, ao menos por ora, com as opões de Matheus Donelli, 22 anos, Felipe Longo e Matheus Roger, ambos com 19 anos, para assumir a posição.

A multa rescisória de Carlos Miguel para o futebol do exterior caiu de 50 milhões de euros para 4 milhões de euros a partir de janeiro de 2024, valor considerado baixo para clubes com alto poder de investimento e forte moeda local, como é o caso dos ingleses.

Continua após a publicidade

Essa condição contratual foi firmada durante a gestão de Duilio Monteiro Alves. Por meio de contato da sua assessoria de imprensa, o ex-presidente informou que a medida foi uma exigência de Gilmar Veloz, empresário de Carlos Miguel, que chegou de graça ao Corinthians.

"A posição era de que, se o atleta não fosse bem nesse período, a ponto de não ter seu contrato valorizado e renovado, eles não queriam ficar presos em uma situação de goleiro reserva com multa impagável", diz o comunicado enviado pela assessoria de Duilio.

Na época, de acordo com o ex-presidente, a possibilidade de Cássio deixaria o Corinthians seis meses antes do fim do contrato era impensável. "E, caso essa possibilidade se apresentasse, o clube teria tempo suficiente para renovar com o atleta", diz a nota.

Deixe seu comentário

Só para assinantes