PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Carille chega ao Brasil e fala sobre o Santos: "Fazer um grande trabalho"

Fábio Carille deixou o Al-Ittihad, da Arábia Saudita, no fim de agosto - Reprodução
Fábio Carille deixou o Al-Ittihad, da Arábia Saudita, no fim de agosto Imagem: Reprodução

redacao@gazetaesportiva.com (Redação)

07/09/2021 16h35

Em negociação avançada com o Santos, Fábio Carille desembarcou no Aeroporto de Guarulhos na tarde desta terça-feira (7). O técnico volta ao Brasil depois de ser demitido do Al-Ittihad, da Arábia Saudita. Ele veio acompanhado Walmir Cruz (preparador físico), Denis Lupp (analista de desempenho) e Leandro Cuca (auxiliar).

Carille foi perguntado sobre o Peixe e praticamente confirmou o acerto. "Responsabilidade é detectar o que o grupo pode nos dar em relação a características. Chegando Tardelli, Baptistão e Velázquez. Já dei uma olhada, principalmente no aeroporto. É fazer um grande trabalho para que o Santos melhore", disse Carille, antes de desconversar.

"Acabei de falar com meu empresário. Existe, sim, uma conversa com o presidente Rueda. O quanto antes me encontrarei com quem cuida da minha carreira para entender melhor tudo isso", completou.

Fábio Carille também falou sobre ser o quarto técnico do Santos no ano e comentou sobre o DNA ofensivo do clube.

"Não me preocupa. Aceitei um desafio pior no Ittihad. Últimas três temporadas tiveram 11 técnicos. E eu fiquei um ano e sete meses. É resultado, sabemos, mas sem medo de encarar. Sabia desde que escolhi a profissão", explicou.

"Dei continuidade no Corinthians do que aprendi, DNA implantado pelo Mano em 2008 e 2009, veio o Tite e dei sequência. Meu trabalho no Ittihad mostra diferenças, assim como o Corinthians principalmente em 2018, que propunha e ficava com a bola", concluiu.

A negociação entre Santos e Fábio Carille foi iniciada no último domingo, dia da demissão de Fernando Diniz, e avançou rapidamente. Pesou para o Peixe a vontade do treinador de trabalhar no Brasil após a segunda experiência no mundo árabe.

Depois de receber um alto salário no mundo árabe no Ittihad e também no Al-Wehda, Carille aceitou ganhar um valor dentro da realidade financeira do Santos. O acordo não possui multa rescisória. Faltam alguns detalhes contratuais para a oficialização.

O Peixe também via Rogério Ceni com bons olhos, mas o profissional não demonstrou o mesmo desejo de Carille para assumir o elenco imediatamente. A estreia já seria contra o Bahia no sábado, na Vila Belmiro, pela 20ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Fábio Carille tem 47 anos e fez sucesso desde a base do Corinthians antes de ser efetivado em 2016. Ele foi campeão brasileiro em 2017 e conquistou o tricampeonato paulista (2017, 2018 e 2019).

Depois dos títulos, Carille foi para o Al Wehda, também da Arábia Saudita, em 2018. Ele ficou sete meses por lá antes de voltar ao Timão. A segunda passagem no Parque São Jorge não foi como o esperado e veio a demissão em novembro de 2019.

No Ittihad, Carille se destacou. Somou 21 vitórias, 16 empates e 10 derrotas em 47 jogos, com a vaga na final da Liga dos Campeões Árabes. A derrota na decisão e uma divergência com a diretoria culminaram na saída.

O contexto atual fez o Santos não procurar estrangeiros. A ideia foi trazer alguém para conseguir reação imediata no elenco depois de seis jogos sem vitória.

Ariel Holan e Fernando Diniz, escolhas dessa gestão, tinham similaridades no perfil, como a busca pela posse de bola e "defender atacando". Após os resultados negativos, o Peixe aceitou trazer Carille, reconhecido pelo bom sistema defensivo e que não se importaria de atuar em transição.

Esporte