PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Brasil faz balanço positivo no judô em Tóquio, mesmo com queda de medalhas

redacao@gazetaesportiva.com (Redação)

31/07/2021 08h00

A equipe brasileira de judô do Brasil não conseguiu repetir em Tóquio o desempenho das Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016. Na edição em casa, o País contabilizou três medalhas, sendo uma de ouro com Rafaela Silva - que não pôde competir em 2021 por causa de uma suspensão por doping. Agora, foram dois bronzes, comemorados por Mayra Aguiar e Daniel Cargnin. Ainda assim, a Confederação Brasileira de Judô (CBJ) fez um balanço positivo da participação em terras japonesas.

"A gente tem a equipe masculina num processo de renovação, diferentemente da feminina que tem atletas muito experientes e algumas mais novas. A equipe masculina só tem o Baby (Rafael Silva) com maior bagagem. Esses Jogos são diferentes porque tivemos muita dificuldade na preparação", disse o chefe da delegação do judô, Ney Wilson, citando os problemas causados pela pandemia do coronavírus.

"Um atleta jovem precisa de mais rodagem, mais treinamento, coisa que a pandemia nos dificultou. Certeza que cada desses atletas, dentro das possibilidades, tiveram a melhor preparação e entregaram o melhor melhor podiam. Se eu tiver que apontar alguma coisa em termos de resultados da equipe masculina é a dificuldade de preparação. Conquistamos todas as vagas, mas faltou um intercâmbio melhor que é nossa linha de trabalho", emendou.

Mesmo com o judô brasileiro chegando a 24 medalhas na história dos Jogos Olímpicos, o último dia foi de frustração para os atletas com as duas derrotas na disputa por equipes, que carregava esperança de brigar por uma medalha. Ney Wilson ressalta, contudo, que, no início do ano, a preocupação era grande por um desempenho pior na Olimpíada.

"Nós fomos em janeiro ao Master em Doha e saímos sem medalha nenhuma. Saímos dos Jogos Olímpicos com duas medalhas. Uma superação incrível de uma atleta que superou muita coisa para conquistar a terceira medalha olímpica (Mayra Aguiar). E um rosto novo que trouxe um grande resultado (Daniel Cargnin), um exemplo da renovação. Mantivemos a tradição de nos mantermos em Jogos Olímpicos. A modalidade trouxe duas medalhas e ajudou o Brasil no quadro de medalhas. Claro queríamos mais, mas a avaliação é boa", encerrou o representante da CBJ.

Futebol