PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Jucinara supera doença e realiza sonho de defender a Seleção Brasileira nas Olimpíadas

redacao@gazetaesportiva.com (Redação)

28/07/2021 11h49

Jucinara, lateral-esquerda da Seleção Brasileira, foi titular na vitória por 1 a 0 contra a Zâmbia nesta última terça-feira. A jogadora que atua no Levante-ESP tem uma tocante história de vida, já que superou uma trombose que evoluiu para uma embolia pulmonar, em 2015.

"Eu tenho uma história por trás de tudo isso. Além do sonho de criança de competir com a Seleção, em 2015, pouco antes da Rio 2016, eu tive uma trombose e uma embolia pulmonar. Passei oito meses praticamente na cama, sem poder caminhar muito. Tivemos que esperar muito tempo para saber se eu poderia voltar a jogar futebol ou não. No final do ano, me perguntaram: 'onde você se vê daqui a cinco anos?'. Respondi: na Olimpíada de Tóquio", lembrou Juci, em entrevista ao site da CBF.

"Além da realização de um sonho, é a realização de algo que superei com o futebol. Não tenho palavras para explicar meu sentimento em relação ao que vivi lá atrás e a poder realizar aquilo que eu disse naquela época", acrescentou.

A defensora chegou a ficar três meses sem andar e oito em recuperação gradual. Na época a gaúcha tinha 21 anos, estava no início da carreira profissional e prestes a disputar uma Olimpíada em seu país.

Após a recuperação, Jucinara foi campeã da Copa do Brasil com o Corinthians em 2016 e, em 2017, se mudou para a Espanha, onde atuou por Atlético de Madrid, Valencia e Levante UD, seu clube atual.

"Eu levo uma tatuagem com a palavra 'inefável', que é algo que não sabemos explicar. Estar aqui é um sentimento de felicidade, de emoção. Eu me sinto realizada. A Olimpíada reúne os melhores de todos os esportes, e poder estar nos Jogos Olímpicos, entre eles, é um sentimento bem difícil de expressar. É uma realização mas, ao mesmo tempo, poxa, estou aqui com Marta e Formiga! Poder dizer que estou entre os melhores é inexplicável", celebrou a jogadora.

"A gente nunca teve tanto tempo para trabalhar juntas como tivemos em Portland, com 15, 20 dias de preparação conjunta para Tóquio. Hoje (terça-feira) tivemos uma vitória importante, seguimos o planejamento que a Pia nos pediu e eu estou muito feliz. Antes de o jogo começar, eu estava bem nervosa, mas logo fui ficando mais tranquila. Temos um time que vem buscando seu melhor a cada dia, com muita união, trabalhando muito para aprimorar nossas virtudes e corrigir nossas fraquezas", concluiu.

A Seleção Brasileira volta a campo nesta sexta-feira, às 5 horas (de Brasília), para enfrentar o Canadá pelas quartas de final dos Jogos Olímpicos.

Futebol