PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Sem driblador, São Paulo enfrenta dificuldades com retrancas: "São jogadores raros"

redacao@gazetaesportiva.com (Redação)

24/11/2020 07h00

O São Paulo não conseguiu sair de campo com a vitória no último domingo, contra o Vasco, no Morumbi. E muito disso se deveu à falta de um jogador velocista, driblador, que busca levar as jogadas para o duelo individual com o zagueiro. Tendo de lidar com a forte retranca do Cruzmaltino, a equipe comandada por Fernando Diniz acabou empatando em 1 a 1.

Com a saída de Antony, hoje no Ajax, da Holanda, o São Paulo precisou mudar seu esquema tático para se manter competitivo. A equipe foi do 4-3-3 para o 4-4-2, porém, com a nova formação, perdeu o potencial de quebrar as linhas defensivas adversárias com um drible ou uma jogada de velocidade.

Atualmente, o Tricolor conta com dois jogadores com essas características no elenco, Paulinho Boia e Joao Rojas, mas nenhum tão eficiente quanto Antony. Rojas já chegou a ser um dos destaques do São Paulo que brigou pelo título brasileiro de 2018, sob o comando de Diego Aguirre, no entanto, sofreu lesões que atrapalharam sua evolução no clube do Morumbi.

"O Rojas teve um período difícil, conversei com ele recentemente. Se somar tudo, acho que dá dois anos de afastamento. Ele precisa de um tempo para se sentir confortável e, se reunir condições, é um jogador do um contra um. Sempre é bom ter dribladores na equipe, ajuda muito, mas esses jogadores são raros. São poucos times que contam com jogadores com a característica do [Paulinho] Boia, do Antony. Não é só ser rápido para puxar contra-ataque, é jogador que leva vantagem na maioria das ocasiões. Ajuda qualquer time e qualquer sistema tático", afirmou Fernando Diniz.

Se atletas com essas características específicas estão em falta, ao menos o São Paulo vem contando com o oportunismo da sua dupla de ataque. No último domingo, Luciano novamente foi às redes, chegando a cinco gols em três partidas e se isolando como artilheiro da equipe no Campeonato Brasileiro, com nove tentos.

Brenner, companheiro de Luciano no ataque tricolor, também vive grande momento. São dez gols do garoto nos últimos 12 jogos, números que o fazem despontar como artilheiro do time em 2020, com 17 gols no total.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Futebol