Paz do sofá aos estádios: Grupo de amigos une zoeira, rivalidade e futebol

Enquanto o cenário nas arquibancadas indica uma tendência cada vez mais homogênea, um grupo de amigos usa a internet para passar uma mensagem diferente. O canal Rivalidade FC propõe a convivência caótica, mas pacífica, de torcedores rivais, conciliando clubismo com descontração para realçar a festa no futebol. Tudo gravado, claro.

O que aconteceu

O projeto começou como um teste, no início de 2021, uma espécie de "experimento" no YouTube. Estudante de ciência e tecnologia, Renan França queria começar a gravar vídeos para a sua área, mas temia lidar com frustração. Em vez de se arriscar direto com conteúdos no ramo, resolver recorrer ao esporte que é sua paixão. Palmeirense corpo e alma, estava embalado pelo título da Libertadores sobre o rival Santos e levou a ideia a amigos de outros times paulistas: "E se a gente gravar nossas reações?".

A cobaia do canal foi o Mundial de Clubes. O torneio terminou com decepção para o Palmeiras e seus torcedores, mas fez a alegria dos adversários. Com isso, veio a descoberta de um nicho. O grupo percebeu que os chamados vídeos de react agradavam um público diversificado, interessado nas autênticas reações que são afloradas durante um jogo, e que dava para se explorar.

Canal Rivalidade FC junta torcedores dos quatro clubes grandes de São Paulo
Canal Rivalidade FC junta torcedores dos quatro clubes grandes de São Paulo Imagem: Reprodução/YouTube/Rivalidade FC

Eles decidiram investir na proposta e se reúnem desde então para assistirem, todos juntos, aos jogos em um sofá — o parceiro fiel de quem está longe dos estádios. A experiência proporciona altos, como quando seu time goleia em um clássico, mas também baixos, em casos de eliminação ou rebaixamento. Entretanto, ambas as situações geram reações que os espectadores querem ver.

A fórmula emplacou, o projeto cresceu e hoje conta com mais de 500 mil seguidores na somatória das redes sociais. O que surgiu na varanda de um apartamento evoluiu para um estúdio personalizado, resultando também na criação de uma produtora. O grupo se profissionalizou, mas manteve a essência. Apesar das diferentes composições ao longo dos anos, eles desenvolveram um ambiente descontraído e foram agregando novas pessoas até chegar à formação atual, com 11 "jogadores" — com representantes dos quatro clubes grandes de São Paulo.

O grupo de amigos fez sucesso pregando a união de zoeira e respeito no futebol: "Somos rivais, não inimigos". Eles defendem a paz e a provocação sadia entre torcedores de times diferentes, mostrando semanalmente que não só é possível, como também divertido, acompanhar partidas ao lado de quem não torce para o mesmo clube. O Rivalidade FC foi pioneiro no que atualmente se tornou um segmento, quer expandir e ainda sonha com o retorno do clássico com duas torcidas em estádios paulistanos.

Assistir com amigos rivais te azucrinando tem que ter uma amizade grande, fica mais fácil. A gente ouve dos nossos pais sobre a nostalgia que era assistir no estádio com rivais, em paz. O fato de torcer para outra equipe parece que te obriga a ser inimigo. Nossa principal mensagem é essa: dá para torcer pelo seu time, ser rival e respeitar dentro de uma zoeira. Futebol é isso, a graça é a resenha. Nos estádios, em casa, no bar. Queremos que se identifiquem com o sofá, mostrando a diversidade dos torcedores em paz. Renan França

Era muito bonito ver a festa de um Morumbi dividido, ter as duas torcidas em um clássico, é uma pena. Uma torcida vem com mosaico, outra com bandeira, isso é muito do brilho que é o futebol. Torcida é tão importante quanto os times. Nós do Rivalidade vamos para esse caminho, de um dia quem sabe voltar a ter torcida dividida em estádios em São Paulo. Gustavo Pera

Continua após a publicidade

A principal mensagem que deixamos é essa amizade e zoeira muito intensa. Infelizmente, tem muitas pessoas que se degladiam, são inimigas, muita violência dentro do futebol. Nem sempre é fácil [aguentar os rivais], varias vezes o seu time está perdendo, na hora fico puto, mas depois é legal, tem o respeito. Somos rivais, mas não somos inimigos. Todos têm amor muito grande pelo time, mas podem se respeitar. Alexandre Cazarotto

Deixe seu comentário

Só para assinantes