Endrick: as caneleiras do atacante foram feitas por um ex-motoboy

Wingleson Vieira viu a vida mudar de rumo após abrir a Shark Caneleiras, empresa especializada em caneleiras personalizadas. O mineiro, que era motoboy, já fez materiais especiais para Endrick e jogadores da Série A do Brasileirão.

Do futebol para motoboy e empreendedor

Wingleson tentou ser jogador de futebol. Ele chegou a jogar na base do Osasco, mas deixou a vida de atleta de lado em 2015 para seguir a veia de empreendedor no ramo esportivo, investindo em venda de uniformes, chuteiras e, agora, caneleiras personalizadas. Enquanto isso, também trabalhava como motoboy em Uberlândia (MG).

A lista de contatos foi crescendo e tudo mudou com uma mensagem de John Kennedy, do Fluminense. O atacante procurou Wingleson nas redes sociais e pediu uma caneleira.

O John Kennedy me chamou no Instagram, tomei um susto na hora. Ele me chamou lá, eu vi a notificação dele, não acreditei na hora. Wingleson, ao UOL

O atacante do Fluminense enviou uma foto com a caneleira, e Wingleson publicou na página da empresa no Instagram. Hoje, o perfil tem mais de 10 mil seguidores, e o empresário não trabalha mais como motoboy.

O sucesso chegou ao Palmeiras e a Endrick. Quem fez a ponte foi Rodrigo Leria, que procurou Wingleson e pediu uma caneleira para Breno Lopes e também para o atacante da seleção brasileira e que será do Real Madrid em breve.

Recebi uma mensagem no meu WhatsApp do Rodrigo. Ele pediu uma caneleira para o Breno Lopes, que estava no Palmeiras. Fizemos a caneleira para o Breno Lopes. Depois, ele falou: 'eu conheço o pai do Endrick'. E eu falei: 'vamos mandar uma para o Endrick também, é o cara do momento'. Sempre tentei o Endrick, mas é difícil acessar esses caras, é complicado. Eu entendo também porque é muita gente que tenta acessar eles. A gente mandou para ele e deu tudo certo, ele fez o vídeo, tirou foto segurando a caneleira e hoje usa, inclusive usou na despedida dele no Palmeiras.

Novo pedido de Endrick e sonho com Vini Jr.

O primeiro envio agradou Endrick. O atacante gostou da caneleira e pediu um novo par, além de um modelo para o irmão, Noah Gael, de cinco anos.

Continua após a publicidade

Ele mandou fotos da família, da namorada dele, do irmão dele também [para a primeira caneleira]. Inclusive, fiz um par para o irmão dele também, com foto dele e do irmão dele. A nova, ele fez com a camisa da seleção, um uniforme azul [usado no amistoso contra a Inglaterra].

O encontro com Endrick ainda não aconteceu. Wingleson chegou a ir na casa do atacante, em São Paulo, acompanhado de Rodrigo Leria para entregar o segundo par encomendado, mas o jogador estava dormindo. O empresário ainda não recebeu um novo pedido especial para a Copa América ou para o Real Madrid.

Wingleson sonha em fazer um par de caneleiras para Vini Jr. As primeiras tentativas de aproximação foram em vão.

O Endrick foi uma realização, fiquei muito feliz mesmo, sem acreditar, foi uma conquista bastante grande, mas eu tenho o sonho de chegar no Vini Jr. O Vinícius é um cara que a gente almeja, vamos rodeando, comendo pelas beiradas para ver se a gente consegue chegar nele. Eu já tentei chegar, procurei todo mundo em volta dele, amigos... Está difícil, mas vamos conseguir.

O que mais ele disse?

Nenê entre os primeiros clientes. "Eu conheci o Matheus Vargas [ex-Corinthians e Fortaleza], que é irmão do Douglas Vargas, que jogou junto comigo lá no Osasco. Ele fez essa ponte com o Nenê. Ele pediu, eu mandei uma caneleira para o Nenê, ele tirou uma foto com a caneleira".

Continua após a publicidade

História com Lucas Piton, do Vasco. "O Vasco veio aqui na minha cidade, em Uberlândia. Falei: 'vou tentar alguém'. Fui no Piton. Fiz uma caneleira para o Piton. Fui no hotel, eles não atenderam os torcedores, passaram direto até porque tinha muita gente. Fui no outro dia. Não desisti. Consegui passar [pela portaria] e dei de cara para uma galera toda da comissão do Vasco e eles estavam lá embaixo. Eu falei: 'tem como você entregar para o Piton?'. Ele falou: 'pode deixar que a gente entrega entrega para o Piton'. Não sei se ele está usando ou recebeu, mas creio que sim".

Outros jogadores que são clientes. "O Luiz Henrique, do Botafogo, me chamou agora para fazer. Agente mandou para o Allan, do Flamengo. Já fiz também para o Nikão, do Athletico Paranaense, Luiz Adriano, Lucas Esteves, Iury Castilho e Osvaldo, do Vitória".

Deixe seu comentário

Só para assinantes