Além do cabelo rosa: saiba o que mais está vetado na seleção brasileira

A nova direção da CBF teve uma reunião com os jogadores na última Data Fifa, na Europa, e alinhou algumas orientações a serem seguidas a partir de então na seleção brasileira. Uma delas, como revelou Yan Couto, em entevista ao canal da jornalista Yara Fantoni, é o fim dos cabelos coloridos. A reportagem do UOL mostra quais são os outros pedidos.

Confira a lista de orientações

  • Tomar o cuidado de passar uma imagem de seriedade.
  • Evitar utilizar brincos chamativos.
  • Não utilizar colares extravagantes.
  • Utilizar as redes sociais de forma sóbria e com discrição, sem brincadeirinhas.
  • Utilização do celular na mesa de jantar apenas após terminar a refeição.
  • Evitar chegar ao estádio com fones ou ouvindo música alta.
  • Evitar que os atletas apareçam em vídeos oficiais ouvindo música e brincando no vestiário.
  • Se atentar e respeitar os horários.
  • Não atrasar a saída do ônibus.
  • Não comer nada fora do plano nutricional no quarto.

O cabelo 'platinado' não faz parte da lista de restrições da CBF. Alguns jogadores se apresentaram com o cabelo dessa forma e não foram advertidos.

Foi um pedido, basicamente. Falaram que o rosa é meio 'vacilão' assim. Eu não acho, mas vou respeitar, né? Me pediram, vou fazer Yan Couto

O que aconteceu

A reunião que definiu as orientações teve a presença de diretores, comissão técnica e jogadores convocados. Não há uma cartilha física com proibições escritas, mas sim orientações claras do que deve ser evitado a partir de agora.

A intenção é 'limpar a imagem' da seleção brasileira e trazer mais seriedade. Alguns itens da lista são vistos como uma forma de evitar uma imagem negativa e que possa se voltar contra os próprios atletas quando as coisas não acontecerem dentro das competições.

As definições foram discutidas com os jogadores e não impostas. Na reunião, houve oportunidade de falar e pontuar mais aspectos, sendo que alguns deles que estão na lista final partiram dos próprios jogadores.

Vazamento irritou a CBF

O vazamento da orientação passada pela CBF irritou diretores da entidade. Toda a delegação estava de folga na última quinta-feira (13), mas precisaram lidar com o problema.

Continua após a publicidade

Até a fala de Yan Couto, as orientações passadas não tinham vazado à imprensa. A reunião em que as definições ocorreram aconteceu há quase três meses.

Em contato com o UOL, a CBF negou o veto ao cabelo colorido. A entidade afirma que há conversas sobre responsabilidade com a imagem dos atletas na seleção em temas como horário, alimentação e postura nas folgas, mas não confirma conversa sobre cor de cabelo com qualquer jogador.

Durante a preparação para a Copa América, Yan Couto concedeu entrevista coletiva, foi questionado sobre a mudança no cabelo e não citou a nova regra da CBF.

Nos EUA, outro tom

Já nos Estados Unidos, Couto foi questionado sobre o "sumiço" do cabelo rosa. O jogador não revelou a razão pelo novo visual.

Estava jogando com o cabelo rosa a temporada toda. Na verdade, foi uma escolha minha, estava dando certo, foi legal, foi maneiro. Mas foi uma coisa mais para o Girona, muita gente lá pintou o cabelo, foi meio que moda. Aqui na Seleção, o ciclo encerrou. Sou o Yan de cabelo preto, não muda nada, continua sendo o mesmo. Vou tentar fazer uma Copa América para ajudar a Seleção.

Deixe seu comentário

Só para assinantes