Para vermelho? Ex-árbitros divergem sobre lance que quebrou braço de Rony

O Palmeiras goleou o América-MG, mas a partida no Allianz Parque contou com um lance polêmico. Aos 6 minutos de jogo, Rony quebrou o braço após uma joelhada do goleiro Jori. O VAR revisou o lance, mas não recomendou a expulsão arqueiro.

Quatro ex-árbitros analisaram o lance e divergiram sobre a decisão de Wilton Pereira Sampaio — árbitro de campo — e Rodolpho Toski Marques — VAR. A decisão final foi de impedimento de Rony e não aplicação de cartão vermelho para Jori.

Ele [Jori] toca na bola primeiro e depois tem o contato com o Rony. [...] O VAR respeitou a decisão de campo, foi checado um possível cartão vermelho, o VAR respeita a decisão de campo, eu concordo com a decisão final, porque a ação do Jori foi tocando na bola, fazendo a defesa, e a partir daí ter um contato com o Rony. Lógico que é um choque que impressiona, mas no detalhe a gente percebe que primeiro ele [Jori] tem uma ação que é na bola e a partir daí o contato com o Rony, é um contato forte sim, mas o fato de ele ter tocado na bola, a partir daí, para mim, é um acidente de trabalho. PC de Oliveira, no "Troca de Passes", programa do sportv

A entrada do goleiro no Rony tem uso de força excessiva, assume o risco de lesionar o adversário, que caracteriza vermelho. O goleiro pega bola e o Rony junto, já falei de lances assim que resultam em faltas e cartões. A arbitragem da CBF segue errando, ontem também erraram, e com VAR. [...] E o vermelho independe da posição do atacante, se estava impedido ou não. Renata Ruel, no Twitter

O Rony, inclusive, dá um toque na bola e o goleiro sai com uma força bem desproporcional, faz falta. Na minha opinião, era condição clara de gol, esse goleiro tem que ser expulso. A saída do goleiro foi totalmente desproporcional em cima do Rony, então, sem dúvida nenhuma, falta e expulsão. João Paulo Araújo, ao UOL

Para mim, expulsão. Ulisses Tavares, ao UOL

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes