PUBLICIDADE
Topo

Palmeiras

Palmeiras: Evento de Deyverson tem choro, Tik Tok e ingresso a R$ 650

Deyverson, durante evento de despedida no Allianz Parque - Beatriz Sardinha/ UOL
Deyverson, durante evento de despedida no Allianz Parque Imagem: Beatriz Sardinha/ UOL

Beatriz Sardinha e Diego Iwata Lima

Do UOL, em São Paulo

05/07/2022 04h00

Classificação e Jogos

Na noite de ontem (4), Deyverson voltou ao estádio que chamou e gostaria de continuar chamando de casa, para um evento de despedida organizado por ele com parceiros. Para Fred, do canal Desimpedidos, o jogador falou sobre a sua carreira e seu tempo de Palmeiras no "Encontro com Deyverson", como o evento foi batizado.

Numa espécie de palco, no meio do salão do restaurante Braza, do Allianz Parque, Deyverson tinha luzes apontadas para si, com um backdrop às costas. Foi ali que, antes do bate-papo, ele fez o meet and greet,com o público — literalmente "encontrar/ conhecer e cumprimentar".

Nas mesas, os presentes comiam no esquema all inclusive. Massas, pizzas, saladas, bruschettas. Entre uma bocada e outra, uma foto com o homem que definiu a final da Copa Libertadores de 2021 e fez o Palmeiras tricampeão da América.

"Só a gente é que pode falar mal dele", disse um torcedor, que falava com um canal de TV. Um coro de "Deyvin, Deyvin" foi puxado, levando o ex-jogador a fazer o famigerado "desenrola, bate e joga de ladinho" em retribuição.

Para ter livre acesso ao evento e estar perto do "ídolo", como alguns o chamavam na hora dos cumprimentos, 231 pessoas pagaram entre R$ 250 (ingresso infantil área 2) a R$ 650 (ingresso adulto área 1). Quanto mais caro, mais perto do jogador.

Deyverson sorria sem parar. Curtia a festa como um aniversariante. Era uma festa de adeus, mas era um adeus feliz. Vestindo um blazer Gucci —verde, é claro—, tão reluzente quanto os sapatos da mesma grife, estava elegante.

"Foi o meu amor que escolheu. Ela tem bom gosto. Né, amor?", disse ele à esposa Karina Alexandre, que também vestia verde: um conjunto de paletó e calças, combinando com o amado.

É bom ser amado por quem se ama

d - Beatriz Sardinha/ UOL  - Beatriz Sardinha/ UOL
Base de réplica da Taça Libertadores, troféu de "Best of the Match", medalha e camisa de Deyverson da final da Libertadores de 2021
Imagem: Beatriz Sardinha/ UOL

"Eu entendi", disse Deyverson, quando perguntado pelo UOL Esporte sobre o que sentiu quando foi comunicado de que não teria seu contrato renovado. "Fui chamado numa sala pelo Anderson Barros [diretor de futebol do Palmeiras], ele me explicou, e tá tudo certo, também", disse ele. "São ciclos", enfatizou.

Deyverson, como sempre é esperado quando se trata dele, chorou ao falar dos amigos que fez no clube. "Jorge, Danilo, Breno Lopes, Wesley? Desculpe, eu até me emociono. É muito bom saber que pessoas que você ama também amam você", disse. "Eu fico triste com a torcida pegando no pé do Jorge, ele é um cara sensacional", desabafou.

Dos quatro citados pelo jogador, justamente Jorge não estava no restaurante. Os ex-colegas Fernado Prass e Zé Roberto sim, foram e distribuíram autógrafos. Uma réplica da taça Libertadores, e o troféu Best of the Match, ganhado por Deyverson contra o Flamengo em Montevidéu, adornavam o ambiente.

Deyverson ainda não sabe para onde vai. "Deixo isso para os meus empresários". Mas sabe como vai, após tantos anos de Palmeiras, clube que ele jura amar.

"Saio um jogador melhor, uma pessoa melhor, com certeza".

Palmeiras