PUBLICIDADE
Topo

Futebol

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Milly: Atlético-MG se manifesta por bebedouro e cala em acusação de estupro

Do UOL, em São Paulo

05/07/2022 12h04

O Atlético-MG contratou o argentino Cristian Pavón como reforço para jogar a partir do próximo dia 18, quando abre a janela de transferências, e a direção do clube se incomodou com uma brincadeira feita pelo perfil oficial do Mineirão nas redes sociais pelo fato de o atleta ter depredado um bebedouro em briga após jogo do Boca Juniors com o Galo no ano passado.

No UOL News Esporte, Milly Lacombe lembra o fato de o jogador ser acusado de violência sexual e chama a atenção para a contratação de um atleta com um caso tão grave, enquanto o clube se importa com uma brincadeira de rede social com o bebedouro do Mineirão.

"Se a mulher fosse um bebedouro talvez o Atlético-MG se repugnasse. É muito absurdo tudo isso, é claro que há acusações falsas de estupro, elas são da ordem de 3 a 5%, é um número muito baixo. O que não existe é uma mulher fazer acusação para se dar bem, nunca houve uma mulher que tenha acusado alguém de estupro e tenha se dado bem, é o contrário o que acontece", diz Milly.

"As acusações contra o Pavón são graves, são sérias, elas precisam ser levadas muito a sério, não dá para sair contratando jogadores que tem acusações tão sérias. O Atlético-MG fica revoltado com uma brincadeira do Mineirão em relação ao bebedouro e contrata um cara acusado tão seriamente de um crime tão grave, é inadmissível", completa.

A colunista do UOL afirma que a forma como os clubes contratam jogadores e ignoram acusações de crimes contra mulheres é um forte golpe nas mulheres que gostam do futebol e que precisam lidar com este tipo de postura.

"A gente que é mulher gosta se um esporte que detesta a gente. É preciso ter muito amor para continuar gostando desse esporte que detesta a gente. Todos os direitos aos bebedouros e nenhum direito às mulheres, é isso o que o Atlético-MG está dizendo quando não diz também, porque o silêncio comunica. Quando o Atlético-MG escolhe se manifestar em relação a bebedouro e calar em relação à acusação de assédio, abuso e estupro, ele está tomando um lado", conclui.

Futebol