PUBLICIDADE
Topo

Atlético-MG

Torcida do Atlético-MG gastou mais de R$ 4 milhões com camisas em três dias

Atlético-MG estreou nova camisa na vitória sobre o Juventude, pelo Campeonato Brasileiro -  Luiz Erbes/AGIF
Atlético-MG estreou nova camisa na vitória sobre o Juventude, pelo Campeonato Brasileiro Imagem: Luiz Erbes/AGIF

Victor Martins

Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte (MG)

04/07/2022 11h53

Lançadas pela Adidas na última sexta-feira, as novas camisas do Atlético-MG já estão em falta nas lojas oficiais do clube, seja nos pontos de venda em Belo Horizonte ou das cidades metropolitanas. Somente nos modelos masculinos foram vendidas mais de 13 mil unidades, como divulgou a Rádio Itatiaia e confirmou o UOL Esporte. O faturamento bruto superou os R$ 4 milhões, somando com os demais produtos, como camisas femininas, infantis, calções, meiões e uniformes de treinamento.

Na manhã desta segunda-feira, algumas peças de reposição já foram entregues, mas a Adidas ainda não enviou na totalidade os pedidos feitos pelos comerciantes. A promessa da empresa alemã é que a situação será normalizada nos próximos meses.

Pelo contrato celebrado com a Adidas, o Atlético depende do sucesso na venda de produtos para ter um bom retorno financeira. O Galo tem uma participação no valor da camisa vendida ao comerciante, não no preço final de R$ 299,99. Como os royalties variam de acordo com a quantidade de produtos vendidos, estima-se que o clube mineiro receberá entre R$ 400 mil e R$ 600 mil dos R$ 4 milhões vendidos no primeiro final de semana da parceria com a Adidas.

Nos primeiros dias de vendas a variedade de produtos à disposição dos torcedores é bastante limitada. Por enquanto, somente estão à venda as uniformes de jogo 1 e 2, camisa vermelha de goleiro, camisas de treino e da comissão técnica, além da camisa de concentração. Ao todo serão cerca de 40 produtos diferentes à venda, mas por ser uma parceira nova, a linha completa não estará nas lojas antes de setembro.

Atlético-MG