PUBLICIDADE
Topo

Athletico

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Colunistas: Por que Felipão renasceu e pôs Athletico na briga por título?

Felipão, do Athletico, e Abel Ferreira, do Palmeiras, se abraçam em jogo pelo Brasileirão - WILIAN OLIVEIRA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Felipão, do Athletico, e Abel Ferreira, do Palmeiras, se abraçam em jogo pelo Brasileirão Imagem: WILIAN OLIVEIRA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Colaboração para o UOL, em Santos (SP)

04/07/2022 11h46

Citado muitas vezes como ultrapassado desde a Copa do Mundo de 2014, Luiz Felipe Scolari tem dado mostras que ainda tem lenha para queimar no futebol brasileiro. Desde que assumiu o comando do Athletico, Felipão fez o time paranaense crescer de produção e hoje ele já ocupa a vice-liderança do Brasileirão -além de ter boa chance de avançar às quartas da Libertadores.

A última vitória, aliás, confirmou de vez o bom início de trabalho que o técnico tem feito no Furacão: 2 a 0 sobre o líder Palmeiras, em pleno Allianz Parque.

Diante da grande fase do Athletico de Felipão, nós convocamos os colunistas do UOL Esporte para responderem ao seguinte questionamento: Por que Felipão renasceu no Athletico e colocou time na briga? Confira as respostas abaixo:

Felipão é um dos técnicos mais vencedores do Brasil, com enorme capacidade de gerenciar elencos e o do Athletico é bom, inclusive com excelentes jovens talentos. Um elenco que parece respeitá-lo muito, o que faz bastante diferença para o sucesso da "família Scolari". A questão é saber se conseguirá manter esse desempenho, o que não aconteceu no Grêmio e no Cruzeiro.
ALICIA KLEIN

Algumas vitórias com mais sorte que juízo, como contra o Palmeiras no Allianz. Felipão simplifica o jogo, como encaixes de marcação, velocidade nos contragolpes e forte bola parada. Também sabe gerir o vestiário, fazendo todos se sentirem importantes e manter nível com reservas - chave do sucesso no Brasileiro de 2018 com o Palmeiras, apesar do fracasso no mata-mata, prioridade do clube paulista naquele ano. Em uma temporada achatada, com os principais times sem tempo para treinar e jogando a cada três dias, o velho feijão com arroz do Scolari ainda funciona bem.
ANDRÉ ROCHA

Felipão arruma o time de trás para frente e consegue melhorar rapidamente os times que assume. Mas normalmente a evolução é limitada, como já vimos nos últimos anos de trabalho dele.
DANILO LAVIERI

Porque tem bom material na mão, sabe jogar pelo resultado e é treinador de uma seleção campeã mundial, entre outros Grêmios e Palmeiras.
JUCA KFOURI

Felipão foi um dos maiores técnicos que o Brasil já teve. Tanto que alcançou o patamar de inquestionável. Chegou à seleção vestido dessa pompa e não demorou a incorporar toda a marra que qualquer treinador que chega à CBF incorpora. Foi com essa petulância que ele protagonizou o 7x1. Mas a imagem de Felipão como treinador excepcional era tão imensa que os 7x1 nunca colaram nele - nem em ninguém, é verdade. Não houve um resgate dos motivos que nos levaram a ser peça de um dos maiores vexames da história do futebol mundial. Houve Memes, mas não reflexão, estudos, ponderação. Felipão sacudiu a poeira e foi para bem longe, mas nunca deu a volta por cima. Acontece que um cara com o conhecimento dele, e com a experiência dele, pode seguir fazendo barulho desde que tope se atualizar. E talvez ele esteja fazendo exatamente isso no Athletico: somando experiência e conhecimento a atualizações na forma como se prepara um time para o futebol de hoje.
MILLY LACOMBE

Claro que a gente torce o nariz para Felipão por causa do 7 a 1. Mas é evidente que ele, ultrapassado ou não, ele entende muito de bola. Além disso, seu estilo paizão casou com o grupo do Athletico, clube que não sofre tanta pressão da torcida quanto Cruzeiro e Grêmio, seus últimos trabalhos. E, quem sabe, copeiro do jeito que é, pode beliscar uma taça com o Furacão, sim!
MILTON NEVES

Porque não deixou de entender de futebol. Seu talento não foi jogado fora. Felipão compreendeu as dificuldades do time e organizou o Athletico. O desafio agora é fazer a equipe manter esse desempenho até o final da temporada.
PERRONE

É cedo para dizer que Felipão renasceu. O início é bom, sem dúvida, mas até natural diante de sua história tão vitoriosa e seu enorme carisma. A questão é saber se o impacto positivo causado por sua chegada se transformará num resultado duradouro durante toda a temporada. Prefiro esperar mais, antes de considerar definitivo esse renascimento.
RENATO MAURÍCIO PRADO

O Athletico-PR foi campeão da Copa Sul-Americana e vice da Copa do Brasil em 2021, mas demorou para se encontrar com Alberto Valentim e Fábio Carille. Felipão acertou o time, com muita rapidez, aproveitando o bom elenco que tem em mãos. Mérito total do experiente treinador.
RODOLFO RODRIGUES

Felipão teve um aproveitamento próximo a esse nos primeiros meses de Cruzeiro e Grêmio. É muito experiente e identifica bem os problemas imediatos do time para a resolução. O elenco do Furacão é bom, equilibrado, mesmo tendo muitos jogadores jovens e alguns atletas que não deram certo em clubes maiores.
RODRIGO COUTINHO

Porque futebol não é uma ciência exata e nem sempre continuidade é sinônimo de sucesso. Futebol tem tática, experiência, gestão de grupo, nome e, para o Athletico-PR, os valores de Felipão casaram. E, embora não seja um gênio da tática, Felipão é o Rinus Michels se comparado ao Alberto Valentim.
VITOR GUEDES

Athletico