PUBLICIDADE
Topo

Vasco

'Operários': Vasco defende invencibilidade com apelido criado pela torcida

Quintero, Anderson Conceição e Edimar: alguns dos pilares que formam "Time de Operários", como apelida torcida - Daniel Ramalho / Vasco
Quintero, Anderson Conceição e Edimar: alguns dos pilares que formam "Time de Operários", como apelida torcida Imagem: Daniel Ramalho / Vasco

Bruno Braz

Do UOL, no Rio de Janeiro

29/06/2022 04h00

Classificação e Jogos

"Time de Operários", "Operários da Colina"...Não importa a variação, o fato é que, nesta campanha invicta do Vasco na Série B do Brasileiro até aqui, o espírito de luta e entrega dos jogadores tem contagiado os torcedores, que assim batizaram o elenco que hoje (29), às 21h30, no estádio Jorge Ismael de Biasi, em Novo Horizonte (SP), encara o Novorizontino, pela 15ª rodada.

Antes motivo de desconfiança dos vascaínos, o sistema defensivo tem dado conta do recado e é, ao lado de Cruzeiro e Grêmio, a defesa menos vazada do torneio, com apenas cinco gols sofridos em 14 jogos.

O goleiro Thiago Rodrigues virou xodó da torcida, e a força física dos zagueiros Anderson Conceição e Quintero e dos laterais Gabriel Dias e Edimar convenceu os cruz-maltinos, que compreenderam o estilo de jogo do quarteto, praticamente moldado para este formato de competição.

"É o espírito de um time que não tem vaidade, que joga todo mundo junto, um correndo pelo outro. Um time que foi montado pelo Zé [Ricardo], pelo [Carlos] Brazil com essa característica de comprar a causa, vestir a camisa do Vasco. Nosso principal objetivo não é que eu me destaque, que o Edimar se destaque, Nenê, Figueiredo...É o coletivo. E que, no final, o Vasco vença e alcance o principal objetivo", declarou ao UOL Esporte o zagueiro e capitão, Anderson Conceição.

O lateral esquerdo Edimar, que chegou a receber críticas da torcida, agora vive fase de lua de mel e vem sendo chamado carinhosamente de "Edimáquina". Mais reservado, ele sorri quando o ouve, mas agradece o carinho.

"Estão colocando uns apelidos cruéis [risos], mas é legal, é o reconhecimento de um trabalho. Costumo dizer que o reconhecimento não chega do dia para noite, é uma construção do dia para a noite. Eu, sinceramente, tenho vivido dias espetaculares aqui no Vasco, que têm marcado minha carreira, minha vida, e espero continuar crescendo e retribuindo o carinho do torcedor", disse à reportagem.

Experiente e com passagens por Cruzeiro, São Paulo, entre outros, Edimar costuma frisar que escolheu o Vasco para voltar a viver a sensação de defender um clube de massa, e ele garante que os momentos presenciados com o Cruz-Maltino não têm preço:

"Dinheiro nenhum paga ou compra o que você vive em termos de realizações profissionais. Quando cheguei, disse que tinha escolhido o Vasco para voltar a viver essas experiências. Voltar a sentir o calor da torcida, aquilo que senti quando jogava contra o Vasco, e tem sido incrível."

Violeiro do elenco

Se vive de forma mais discreta extracampo, internamente Edimar tem papel coletivo importante. Além de ser uma das lideranças do elenco e espécie de "guru" do jovem e promissor lateral esquerdo Riquelme, ele também tem sido o "violeiro" do elenco nos momentos de folga.

Neste mês, por exemplo, ocorreu o aniversário de Raniel e o atacante promoveu uma festa com a temática de festa junina. Em dado momento, Edimar subiu ao palco e, sob posse de um violão, se mostrou afinado com o instrumento e também cantando música gospel. Recentemente, também emocionou os torcedores ao cantar o hino do Vasco durante entrevista coletiva.

"Eu aprendi [violão] por coisa de Deus, porque nunca fiz aula, curso que normalmente as pessoas fazem... Meu pai sempre tocou violão, e lá em casa tinha um violão velho, meu primo começou a tocar, eu comecei a pegar o violão velho do meu pai, aprendi com meu primo algumas notas... Já tinha ali no sangue da família, né? E aí comecei a tocar. Hoje consigo tocar tanto para o lado destro quanto para o canhoto", disse, relembrando o aniversário de Raniel e do hino:

"O Raniel deu oportunidade de tocar no aniversário dele e foi legal. É legal você se entrosar não somente como pessoa como também com o torcedor. Essa oportunidade de cantar o hino foi legal porque aproxima você muito mais do torcedor. E mostra que você está conhecendo cada dia mais o clube e quer viver o clube."

Até então, Edimar ainda não havia levado o violão para as concentrações, mas garantiu que isso seria feito antes da partida contra o Novorizontino de hoje.

"Vou começar a levar agora. Na próxima concentração [contra o Novorizontino] eu vou levar e tocar lá para os meninos. Eu consigo tocar vários tipos de música, mas o meu estilo mesmo é o gospel", ressaltou.

Vasco busca ampliar vantagem para o quinto

Com 30 pontos, o Vasco busca, além de manter a invencibilidade, também ampliar a distância para o quinto colocado e se manter cada vez mais folgado na zona de acesso para a Série A. Para o jogo de hoje, o técnico Maurício Souza novamente não poderá contar com o lateral direito Gabriel Dias, que segue com uma lesão no tendão do pé esquerdo. Weverton deverá ser novamente o substituto.

FICHA TÉCNICA:

NOVORIZONTINO x VASCO
Competição: Série B do Brasileiro - 15ª rodada
Data e hora: 29 de junho de 2022 (quarta-feira), às 21h30 (de Brasília)
Local: Jorge Ismael de Biasi, em Novo Horizonte (SP)
Árbitro: Ramon Abatti Abel (SC)
Auxiliares: Kléber Lúcio Gil (Fifa/SC) e Éder Alexandre (SC)
VAR: Pablo Ramon Gonçalves Pinheiro (RN)

NOVORIZONTINO: Lucas Frigeri; Walber, Joilson, Paulinho e Reverson; Johny Douglas, Danielzinho e Diego Torres; Ronald, Douglas Baggio e Ronaldo. Técnico: Rafael Guanaes

VASCO: Thiago Rodrigues, Weverton, Anderson Conceição, Quintero e Edimar; Yuri Lara, Andrey Santos e Nenê; Gabriel Pec, Figueiredo e Getúlio (Raniel). Técnico: Maurício Souza

Vasco