PUBLICIDADE
Topo

Palmeiras

Abel pede apoio total ao Palmeiras e cita Hamilton: 'mudar a mentalidade'

Abel Ferreira, do Palmeiras, em jogo contra o Cerro Porteño pela Copa Libertadores - REUTERS/Cesar Olmedo
Abel Ferreira, do Palmeiras, em jogo contra o Cerro Porteño pela Copa Libertadores Imagem: REUTERS/Cesar Olmedo

Diego Iwata Lima

Do UOL, em São Paulo

29/06/2022 22h56

O técnico Abel Ferreira, do Palmeiras, estava puro carinho com seus jogadores, após a vitória por 3 a 0 sobre o Cerro Porteño (PAR), que praticamente encaminhou a classificação para as quartas da Libertadores.

O treinador mais uma vez lamentou que o time seja alvo de críticas, algo que vem acontecendo por conta da derrota para o São Paulo, na Copa do Brasil, e do empate com o Avaí, no Brasileiro, nos dois últimos jogos.

"Esse jogo começou a ser ganho no jogo com o Avaí. O treinador do Palmeiras acredita em todos os seus jogadores", iniciou.

"Tenho uma admiração grande pelos nossos jogadores. Por isso me custa [aceitar as críticas]. Se são os nossos vizinhos a criticar, sabemos como funciona. Agora, os meus, os nossos, os da família? Não posso aceitar. Quem não erra na vida?", disse o português.

"Parabéns aos nossos jogadores que são gente séria, de caráter e que entregam tudo o que tem em cada momento. E há momentos em que as coisas vão sair mal. Agradeço o apoio, as críticas, mas precisamos estar todos juntos em todos os momentos", declarou o treinador.

"Quem critica, não lhe corre nas veias o que é ser palmeirense. Vamos errar muitas vezes, mas vamos dar muitas alegrias, muitas vezes. Como diz o Hamilton, é preciso mudar a mentalidade", disse ele, citando Lewis Hamilton, que reagiu com essa frase a uma fala de cunho racista do ex-piloto Nelson Piquet.

"Quem não faz asneiras? Quem é perfeito no trabalho? Não conheço ninguém perfeito. Queremos que os jogadores sejam perfeitos. Eles jogam com os pés, não com as mãos", declarou o técnico.

Abel exalta marca de Rony

Ao ser informado que, com os dois gols, Rony chegava à marca de 16 gols, igualando os históricos de Pelé e Zico na Libertadores, ele também elogiou o camisa 10, a quem já disse amar, no passado recente.

"Ele tem aquilo que gosto num homem. Caráter. A qualidade, depois, vem com o trabalho. Não sabia desse recorde dele. Tenho uma admiração muito grande por todos os nosso jogadores", disse.

Sobre o jogo, Abel explicou a dificuldade verde na etapa inicial e evitou falar em vaga conquistada.

"O primeiro tempo foi equilibrado, melhoramos no segundo. Não tem nada fechado. Os primeiros 45 minutos terminaram agora e os outros 45 são em São Paulo. Agora é pensar no Brasileiro para manter a liderança e depois no jogo de volta", disse ele.

"Quero dar parabéns ao Arce. Tem uma história muito grande no nosso clube. O Cerro entrou muito bem e nos bloqueou. As marcações do Cerro foram difíceis e duras. Tivemos paciência, calma e procuramos impor nosso jogo. Isso é jogo de Libertadores, competitivo", disse.

O Palmeiras volta a campo sábado para se manter na liderança do Brasileiro. O jogo contra o Athletico-PR será às 21h. O jogo de volta contra o Cerro, pela oitavas da Libertadores, será na próxima quarta, dia 6, no Allianz Parque. O Palmeiras se classifica mesmo se perder por dois gols de diferença.

Palmeiras