PUBLICIDADE
Topo

Palmeiras

Palmeiras pode se animar apesar de sequência indesejada; veja cinco motivos

Gustavo Scarpa comemora gol pelo Palmeiras contra o Avaí pelo Brasileirão 2022 - Beno Küster Nunes/AGIF
Gustavo Scarpa comemora gol pelo Palmeiras contra o Avaí pelo Brasileirão 2022 Imagem: Beno Küster Nunes/AGIF

Colaboração para o UOL, em São Paulo

27/06/2022 04h00

Classificação e Jogos

O Palmeiras fechou a semana com dois resultados indesejados: a derrota para o São Paulo na Copa do Brasil, na quinta-feira (23), e o empate de ontem (26) com o Avaí por 2 a 2, na Ressacada. Para uma equipe que não perdia há mais de dois meses, a sequência pode não ser ideal, mas não faltam os motivos para estimular o torcedor alviverde para as próximas semanas.

Da força da equipe para reagir a resultados adversos à volta de seu artilheiro na temporada, veja o que se pode tirar de positivo da equipe de Abel Ferreira na última semana.

Retorno de Veiga e força total

Embora tenha entrado com o time misto diante do Avaí, o Palmeiras já tinha disponíveis os seus principais jogadores — a não ser Danilo, suspenso. Após quase um mês se recuperando de uma lesão muscular na coxa direita, Raphael Veiga voltou a entrar em campo.

Artilheiro do time na temporada, com 16 gols, o meia teve atuação discreta, mas pôde recuperar o ritmo de jogo e deve ser mais uma arma para uma semana com dois jogos duros: o início da mata-mata na Copa Libertadores, contra o Cerro Porteño, na quarta-feira (29), e a partida contra o embalado Athletico-PR, que ocupa o terceiro lugar do Brasileirão.

Com Veiga de volta, Abel Ferreira deverá ter força total para os próximos jogos. A exceção fica para o volante Jailson, que teve grave lesão no joelho direito em abril.

O visitante mais indigesto -- e imbatível -- do Brasileirão

É fato que, diante do Avaí, o resultado desejado pelos torcedores e por Abel Ferreira era a vitória, mesmo na Ressacada. No entanto, dadas as circunstâncias, o empate não saiu tão mal para o Verdão.

O time estava incompleto, e enfrentou um adversário que teve ótimo desempenho em casa e fez frente aos alviverdes.

Além disso, o 2 a 2 significou a manutenção da invencibilidade da equipe paulista longe de seus domínios na Série A, com quatro vitórias, três empates, 11 gols marcados e quatro sofridos, que fazem do Alviverde o melhor visitante da competição.

O cenário se resume na fala de Gustavo Scarpa, que comentou sobre o objetivo pelos três pontos, mas celebrou o empate. "Sabemos que o Brasileiro é difícil. E fora de casa é sempre melhor vencer, mas às vezes o empate é uma coisa boa. É melhor um ponto do que nenhum", disse o meia.

Poder de reação

Exceto a derrota contra o São Paulo pela Copa do Brasil, o Palmeiras mostrou o poder de reação de seu elenco em dois dos últimos três jogos.

No Brasileirão, contra o próprio Tricolor Paulista, há duas rodadas, o time saiu perdendo desde o primeiro tempo. Nos acréscimos da etapa final, quando o jogo parecia se encaminhar para uma derrota, Gustavo Gómez e Murilo viraram o jogo no Morumbi e deram os três pontos para o Verdão.

A cena quase se repetiu na Ressacada, na tarde de ontem: com um gol de pênalti aos 52 minutos do primeiro tempo, o Avaí foi para o intervalo com a vitória parcial. Não demorou e os palmeirenses empataram no terceiro minuto do segundo tempo, com Scarpa, também de pênalti, e viraram com Rony, aos 19.

A belíssima cobrança de falta de Jean Pyerre até impediu que o time vencesse mais uma na Série A. À parte dos dois pontos perdidos, os comandados de Abel Ferreira deram mais uma mostra de que têm força para superar placares adversos, o que pode ser importante na reta final das três competições em disputa, sobretudo no mata-mata.

Sem Veiga, Scarpa foi decisivo para o Palmeiras

Que Gustavo Scarpa é peça importantíssima do elenco não é novidade. Mas, na ausência do artilheiro Raphael Veiga, desde 5 de junho, o camisa 14 cresceu ainda mais de produção, e foi essencial nos 20 dias sem o companheiro de meio-campo.

Até o retorno de Veiga, no segundo tempo ante o Avaí, o Palmeiras fez cinco partidas, com quatro vitórias e uma derrota. Neles, Scarpa marcou dois gols e deu três assistências, tendo participação em um gol por jogo.

Em cobrança de pênalti digna de manual, deslocando Vladimir, o meia marcou também no empate de ontem (26), ainda antes da entrada de Raphael Veiga, a quem deu lugar aos 14 minutos da etapa final.

Segundo dados da plataforma SofaScore, Scarpa é o jogador que mais deu assistências (5) no Brasileirão, mais ofereceu passes decisivos (47), mais fez cruzamentos certos (39) e o segundo com mais participações em gols (8).

Única derrota em dois meses e meio é reversível

Até a derrota no jogo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil, no clássico diante do São Paulo, o Palmeiras gozava de uma invencibilidade de dois meses e meio, desde o revés por 3 a 2 para o Ceará, na estreia do Brasileirão.

Porém, mesmo a quebra da sequência sem perder — inclusive diante de um rival — não significa uma razão para o torcedor crer na eliminação contra o Tricolor.

Diferentemente do caso do Santos, que saiu derrotado por 4 a 0 ante o Corinthians e tem poucas chances de classificação, a vitória são-paulina foi pelo placar mínimo, e a volta será no Allianz Parque, onde a equipe alviverde marcou 12 gols nos últimos quatro jogos.

Outro ponto serve de alento à torcida: foi também no estádio palmeirense em que, na final do Paulistão, o time de Abel Ferreira reverteu uma derrota por 3 a 1 e goleou por 4 a 0, sagrando-se campeão.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que foi informado no texto, o Palmeiras conquistou o Paulistão em 2020, e não estava em uma fila desde 2008. O erro foi corrigido.

Palmeiras