PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Homem-gol do Coxa já foi 'Ibra do Nordeste' e passou sem brilho pelo Inter

Léo Gamalho, do Coritiba, passou sem brilho pelo Inter no início da carreira - Gabriel Machado/AGIF
Léo Gamalho, do Coritiba, passou sem brilho pelo Inter no início da carreira Imagem: Gabriel Machado/AGIF

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

24/06/2022 04h00

Classificação e Jogos

Uma ameaça constante ao gol do adversário. Este é Léo Gamalho, centroavante do Coritiba, que hoje (24) enfrenta o Inter, no Beira-Rio, às 21h30 (de Brasília), pela abertura da 14ª rodada do Campeonato Brasileiro. O veterano goleador já foi chamado de 'Ibra do Nordeste' e teve passagem apagada pelo Colorado no início da carreira.

Os primeiros chutes do centroavante, que hoje tem 36 anos, aconteceram no rival, o Grêmio. Depois disso, ele partiu para um período no River Plate, da Argentina, onde atuou no time B. A transferência para o Inter ocorreu entre 2004 e 2005. Inicialmente, sua contratação aconteceu para as categorias de base. O desempenho o levou ao principal, mas foi somente um jogo, e em seguida participação na equipe B.

"Léo Gamalho chegou ao Inter vindo do River Plate, teve um destaque lá, veio para a base. Mas no decorrer do trabalho se lesionou muito, teve um momento ruim na carreira por muitas lesões, não conseguiu se firmar tanto no principal como no time B por questões de lesão", contou Newton Drummond, o Chumbinho, que era executivo de futebol do Colorado na época, ao UOL Esporte.

O dirigente, que atualmente está cotado para assumir cargo de executivo de futebol do Juventude, recorda que foram exatamente os problemas médicos que frearam a trajetória do jogador em Porto Alegre.

"Pelas lesões, ele ficava pouco no campo, acabava muito tempo em tratamento, e essa imagem pode trazer para quem está de fora a ideia de de um jogador relapso, que não é o caso. Ele teve um período ruim, sabe, anos em que as lesões acontecem seguido, foi o problema dele no Internacional", completou.

A passagem pelo Beira-Rio acabou em 2006, quando o atacante assinou com América-RN. Em seguida, ele virou um 'andarilho da bola'. Ainda antes do time de Natal, ele tinha passado pelo América de Cali, da Colômbia. E depois vieram: Valdevez-POR, Shenyang Dongjin-CHN, Nacional-URU, Pohang Steelers-COR, e o Al Khor-QAT. Além de uma lista de outros 13 clubes brasileiros.

"Ele é mortal"

No Coxa, clube que defende desde 2021, Gamalho reencontrou o dirigente que trabalhou com ele no início da carreira no Inter. Newton Drummond, executivo de futebol do Coxa até o fim do ano passado, percebeu claramente a evolução profissional que o atacante teve.

"Encontrei ele numa outra fase da vida. Ele rodou muito no futebol brasileiro, tinha sido goleador na temporada anterior pelo CRB, e no Coritiba eu encontrei um jogador muito mais tranquilo em relação ao menino que esteve no Beira-Rio. Um profissional experiente, conhecedor de seu potencial, bom de grupo, agregador, super tranquilo, cumpridor de suas tarefas e presença sempre importante nos treinos, sempre querendo jogar. Com a condição física que adquiriu, com o passar do tempo aprendeu a se defender das lesões. Praticamente não teve lesões no período em que estivemos juntos no Coritiba", contou.

"Ele é mortal. Se a bola cair na área duas vezes no pé dele, uma ele vai marcar. Foi bacana nosso reencontro, foi bom, ele é um cara super tranquilo, bem instruído. Ele foi goleador no Coritiba, foi bom, ele me reconheceu, e nossa relação fluiu com tranquilidade", acrescentou.

Na temporada passada, foram 23 gols e três assistências em 49 jogos. Na atual são 13 gols e uma assistência em 23 partidas.

'Ibra do Nordeste'

Alguns dos melhores momentos da carreira de Léo Gamalho aconteceram no nordeste do Brasil. Em 2014, por exemplo, ele fez 32 gols em uma temporada pelo Santa Cruz, tinha feito 14 em um ano vestindo as cores do ASA-AL, além de ter se destacado também pelo Ceará.

Até que em 2020 recebeu oportunidade de defender o CRB. Ali, logo de cara, se popularizou o apelido de 'Ibra do Nordeste', em alusão ao sueco Zlatan Ibrahimovic. A relação ao goleador, atual campeão italiano pelo Milan, se dá pela estatura, pelo faro artilheiro e também pelo jeito de prender os longos cabelos durante os jogos.

"Muita gente fala dessas coisas. Eu não tenho um apelido que eu prefira, deixo a torcida à vontade para escolher", contou. "O cabelo começou quando o Sérgio Soares [treinador] me pediu para prender o cabelo, [eles trabalharam juntos no Ceará, em 2013], para evitar que a faixa que eu usava caísse e atrapalhasse na hora do cabeceio", disse em sua apresentação no CRB.

"A partir daí começaram a me chamar assim. Se eu deixasse o cabelo solto seria o Falcão Garcia, o Cavani (risos)", brincou. Pelo CRB, Gamalho marcou 18 gols em 31 jogos. Na temporada 2020/2021, Ibra fez 17 em 27 partidas pelo Milan.

Lei do ex, de novo?

A 'lei do ex', tão famosa no futebol brasileiro, tem prazo de validade? Será que um jogador com passagem por determinado clube perde a bênção da regra quando marca pela primeira vez contra ele?

Se sim, o Colorado pode ficar tranquilo. Léo Gamalho marcou, pelo Avaí, duas vezes no confronto entre as equipes em 2015. Agora, caso contrário, há motivos para temer quando ele pisar no gramado do estádio vermelho nesta noite.

FICHA TÉCNICA:

INTERNACIONAL x CORITIBA
Data e hora:
24/06/2022 (sexta-feira), às 21h30 (de Brasília)
Local: estádio Beira-Rio, em Porto Alegre (RS)
Transmissão na TV: SporTV e Premiere
Árbitro: Jefferson Ferreira de Moraes (GO)
Auxiliares: Cristhian Passos Sorence e Tiago Gomes da Silva (ambos goianos)
VAR: Emerson de Almeida Ferreira (MG)

INTERNACIONAL: Daniel; Bustos, Moledo, Vitão e Thauan Lara; Gabriel, De Pena, Edenilson, Pedro Henrique e Taison; Alemão. Técnico: Mano Menezes

CORITIBA: Rafael William; Matheus Alexandre, Henrique, Luciano Castán e Guilherme Biro; Willian Farias, Matías Galarza e Thonny Anderson; Igor Paixão, Alef Manga e Léo Gamalho. Técnico: Gustavo Morínigo

Internacional