PUBLICIDADE
Topo

Libertadores - 2022

Fortaleza avança e salva estreantes brasileiros na Libertadores de 2022

 Silvio Romero, do Fortaleza, comemora gol contra o Colo-Colo pela Copa Libertadores - Marcelo Hernandez/Getty Images
Silvio Romero, do Fortaleza, comemora gol contra o Colo-Colo pela Copa Libertadores Imagem: Marcelo Hernandez/Getty Images

Colaboração para o UOL, em Maceió e em São Paulo

26/05/2022 04h00

Classificação e Jogos

A classificação do Fortaleza, ontem (25), foi a única entre os times brasileiros que estrearam na Copa ibertadores. O Leão do Pici chegou às oitavas de final após a vitória sobre o Colo-Colo, no Chile, por 4 a 3. O time havia começado mal a competição, mas reverteu os resultados. Red Bull Bragantino e América-MG, porém, não tiveram êxito e finalizam a participação na última posição de seus respectivos grupos.

O Fortaleza começou a competição tropeçando, com duas derrotas logo nos dois jogos iniciais, contra Colo-Colo, em casa, e River Plate, fora. Depois, o time embalou uma sequência forte e não foi mais derrotado: venceu o Alianza Lima duas vezes, empatou com o River Plate e bateu o Colo-Colo na última rodada, conquistando dez pontos em quatro jogos e garantindo a vice-liderança do Grupo F.

Para o técnico Vojvoda, o início complicado não tirou a fé do Tricolor em uma reviravolta para buscar a vaga.

"O objetivo era passar de fase neste grupo, um grupo muito igual, com grandes equipes de cada país. Foi a primeira vez que o Fortaleza participou de uma Copa Libertadores e tínhamos o compromisso e a fé no trabalho de que passaríamos à próxima fase. (...) Desde que começamos a pré-temporada, tínhamos o objetivo de passar de fase. Queríamos ganhar o Campeonato Cearense, chegar à final da Copa do Nordeste e passar de fase na Copa Libertadores", disse.

Bragantino perde o gás

Artur, do Bragantino, lamenta chance perdida durante jogo contra o Estudiantes, válido pela Libertadores - WILIAN OLIVEIRA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO - WILIAN OLIVEIRA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Artur, do Bragantino, lamenta chance perdida durante jogo contra o Estudiantes, válido pela Libertadores
Imagem: WILIAN OLIVEIRA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Diferentemente do Tricolor, o Massa Bruta começou bem no torneio. No Grupo C, o Toro Loko ganhou do Nacional-URU por 2 a 0 no primeiro jogo, em casa, e empatou com o Véléz Sarsfield em seguida. Com quatro pontos, a classificação parecia encaminhada.

No entanto, a equipe perdeu para o Estudiantes e empatou novamente com o Véléz, em casa. Após este duelo, o time argentino era o lanterna com apenas dois pontos, enquanto o clube de Bragança se mantinha na segunda colocação. A torcida chegou a cantar 'eliminado' no Nabi Abi Chedid, pois a situação do Vélez era muito complicada. No entanto, os hermanos bateram o Nacional-URU fora de casa e encerraram a campanha ganhando do Estudiantes para assegurar a segunda posição na chave.

Já o Braga, que foi derrotado para o Estudiantes na quinta rodada, chegou à última partida com chances de classificação. Porém, o Nacional-URU aplicou um 3 a 0 em Montevidéu, tirando os brasileiros da vice-liderança e jogando para a lanterna da chave. Com isso, o Massa Bruta ficou fora até mesmo da Sul-Americana.

América-MG sofre do começo ao fim

O clube mineiro ralou muito para chegar à fase de grupos. Nas fases preliminares, perdeu em casa para o Guaraní-PAR por 1 a 0 e estava sendo derrotado por 2 a 0 até o intervalo no jogo de volta. Em uma virada histórica, a equipe avançou após ganhar por 5 a 4 nos pênaltis. O placar das penalidades se repetiu no duelo diante do Barcelona-EQU, após dois empates sem gols.

Toda essa luta, contudo, rendeu a lanterna do Grupo D e se igualou a Santos, Vasco e Bangu com as piores pontuações de um clube brasileiro na fase de grupos do torneio. Sem conseguir vencer nas seis rodadas, somou apenas dois pontos, em empates com Atlético-MG e Tolima, que também derrotaram o Coelho, além de duas derrotas para o Independiente del Vale.

A equipe mineira marcou seis gols na competição, embora tenha sofrido 13, com aproveitamento de 11,1%. A campanha, de apenas dois pontos, iguala a do Santos, em 1984, do Vasco, em 1985 e do Bangu, em 1986.

Estreantes não tem bom retrospecto

De 2000 para cá, outros nove times brasileiros participaram da Libertadores pela primeira vez. Quatro caíram ainda na primeira fase e outros cinco não passaram das oitavas. O Fortaleza, classificado ao mata-mata, é quem pode quebrar esse tabu. O adversário do Leão será conhecido na sexta (27), às 13h, quando acontece o sorteio na Conmebol.

Athletico-PR, em 2000, São Caetano, em 2001, Paysandu, em 2003, Goiás, em 2006, e Paraná, em 2007, são as outras equipes que chegaram até as oitavas.

O Furacão e o Azulão caíram diante de outros brasileiros, ambos em disputadas de pênaltis. Galo e Palmeiras, respectivamente foram os algozes. O Papão chegou a vencer o Boca na Bombonera, porém foi eliminado com um revés em casa. O Goiás também caiu diante de um argentino, o Estudiantes, pelo gol fora de casa. Por fim, o Paraná saiu diante do Libertad-PAR.

Entre os eliminados na primeira fase, além do Toro Loko e do Coelho, estão: Juventude (sete pontos, em 2000), Santo André (oito pontos, em 2005), Paulista (seis pontos, em 2006) e Chapecoense (sete pontos, em 2017).