PUBLICIDADE
Topo

Palmeiras

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Colunistas opinam: Palmeiras atual é o maior de todos os tempos?

Colaboração para o UOL, em Santos (SP)

25/05/2022 11h55

Classificação e Jogos

Atual bicampeão da Libertadores, o Palmeiras não cansa de quebrar recordes. Ontem (24), com a goleada por 4 a 1 sobre o Deportivo Táchira-VEN, no Allianz Parque, o time de Abel Ferreira bateu dois deles na história da competição —como mostra a coluna do Rodolfo Rodrigues.

Além de ser agora o time com mais gols, isolado, na fase de grupos da Libertadores (25 gols), o Alviverde alcançou a melhor campanha na fase de grupos, com 100% de aproveitamento, mas com um saldo de gols melhor que outros times (22) que também fizeram 18 pontos em 6 jogos: Vasco de 2001, Santos de 2007 e Boca Juniors de 2015.

Diante da atual fase alviverde, o UOL Esporte convocou seus colunistas para responderem à seguinte pergunta: o Palmeiras atual é o maior de todos os tempos? Confira as respostas:

A única medida objetiva possível são títulos. A Academia de Abel venceu duas Libertadores e uma Copa do Brasil em dez meses. Este ano, já levou o Paulista, a Supercopa e entregou a melhor campanha da história da fase de grupos da Libertadores. Tornou-se uma potência continental, um time consistente, eficiente e temido. Mas não posso deixar de notar que a Academia de Ademir precisou bater de frente com o Santos de Pelé, e essa concorrência (desleal) certamente encolheu as possibilidades de sucesso daquela Seleção alviverde.
ALICIA KLEIN

"Todos os tempos" é muito tempo. Épocas diferentes, contextos diferentes. O Palmeiras disputou a Libertadores 2020, a primeira do bicampeonato, como terceiro colocado do Brasileiro 2019. Em outros tempos sequer disputaria o torneio, já que só se classificavam o campeão e o vice de cada país. Antes a Libertadores era uma terra de ninguém, sem antidoping, com muita violência dentro e fora de campo, inclusive sobre arbitragens, sem TV para registrar os absurdos. A ponto de ter um time histórico, o Estudiantes de Zubeldia, que apelava para qualquer recurso sujo para se impor em campo. O time atual é histórico, sem dúvida alguma. Não é todo dia que se ganha um bicampeonato sul-americano e se bate o recorde de pontos na fase de grupos. Mas hoje há facilidades, ou circunstâncias mais adequadas, que grandes times do Palmeiras do passado não desfrutaram.
ANDRÉ ROCHA

"Todos os tempos" traz sempre um exercício necessário e cuidadoso. É preciso entender contextos e personagens, além de títulos e individualidades. O fato é que esse Palmeiras de hoje já é eterno, principalmente pelas conquistas que nenhum outro Palmeiras teve. Mas colocaria o Palmeiras de hoje no mesmo nível que as duas "Academias" (com seus ídolos e feitos) e aquele dos anos 90 (de um futebol envolvente e vencedor).
ANDREI KAMPFF

Meu deus! Que exagero! Se maior aqui for usado como melhor, nem pensar. Pode vir a ser o mais vitorioso, mas antes mesmo de poder ser comparado às Academias, e não deve, perderia de goleada para o time campeão paulista de 1996, que tinha Cafu, Cléber, Junior, Djalminha, Rivaldo, Muller, Luizão, além de Vanderlei Luxemburgo ainda apenas treinador. E para ser o maior tem de ganhar um Mundial, como em 1951...
JUCA KFOURI

Ainda não. O time da década de 1950 levantou o troféu que o clube considera como Mundial, nos 1960 e 1970 as Academias encantaram e conquistaram títulos, nos 1990 os fortes times montados com o dinheiro da Parmalat levaram a conquistas inéditas, como a Copa do Brasil e a Libertadores. Esse time já está na história, pelo Bi da Libertadores e a depender do que ainda fará poderá, aí sim, ser o maior de todos.
MARCEL RIZZO

Não. É um dos cinco maiores, junto com as duas Academias, o fugaz time de 96, que durou um semestre e o time de 93 e 94. O de hoje, ganhou mais, mas os outros tinham mais jogadores. Se alguém se der só trabalho de fazer uma seleção desses cinco times, quem do atual elenco entraria no lugar de leão, Djalma Santos, Dudu, Ademir, Leivinha, Edmundo, Evair e Antônio Carlos.
MENON

Com todo o respeito ao maravilhoso Palmeiras atual. Mas não dá para comparar o time de Abel Ferreira com as máquinas das Academias. O futebol de hoje em dia é diferente, nossos melhores jogadores estão lá fora e, por exemplo, o Verdão de 2022 não poderia representar a seleção como o Palestra de 1965, que venceu o Uruguai por 3 a 0 na inauguração do Mineirão.
MILTON NEVES

O mais justo é esperar o ciclo da equipe atual se encerrar para responder. Até lá, considero as duas Academias, empatadas, como os maiores times da história Alviverde. Nenhuma delas venceu a Libertadores, mas além de empilharem taças no Brasil, somando os feitos, os "acadêmicos" superaram em decisões o Santos de Pelé, o Real Madrid e representaram a seleção brasileira. Também não podemos esquecer os talentos individuais das Academias. Nomes como Valdir Joaquim de Moraes, Leão, Eurico, Djalma Santos, Julinho Botelho, Luís Pereira, Leivinha e Ademir da Guia.
PERRONE

Está entre os maiores. São épocas distintas, difícil comparar. O que o Palmeiras dos anos 1960 fez foi algo memorável. A Academia foi a única que conseguiu parar o Santos de Pelé. Depois veio o time de Luxemburgo, bicampeão brasileiro e bicampeão paulista que jogava um grande futebol, recheado de craques. Esse time atual vem conseguindo resultados impressionantes e está entre os maiores por isso.
RODOLFO RODRIGUES

Caminha nesse sentido. Pelas conquistas, nível de elenco mantido durante temporadas, o protagonismo continental, vida financeira tranquila. É difícil ter noção de algo tão grandioso enquanto a história está sendo contada. Talvez seja uma conclusão mais fácil daqui a alguns anos, mas vai totalmente de encontro ao melhor Palmeiras de todos os tempos sim.
RODRIGO COUTINHO

Sim. Econômica, desportiva e, até, politicamente, com uma pacificação entre alas jamais vista antes em quase 108 anos de história, o Palmeiras vive o melhor momento. Se é verdade inconteste que (pela lógica do mercado, que leva os principais atletas brasileiros) o time atual não se compara às duas academias, aos esquadrões da era Parmalat e aos grandes europeus contemporâneos, não é menos verdade que o Palmeiras jamais sobrou em relação aos rivais e sobrou no continente de forma duradoura e sólida como agora. E o Palmeiras atual não duela com a sua história, mas com os adversários.
VITOR GUEDES

Palmeiras