PUBLICIDADE
Topo

São Paulo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Perecini: 'São Paulo não pode ficar na correria. Tem que buscar controle'

Do UOL, em São Paulo

23/05/2022 04h00

Classificação e Jogos

O São Paulo teve um primeiro tempo exemplar diante do Corinthians, no clássico disputado neste domingo (22). Mesmo jogando na Neo Química Arena, o Tricolor se impôs sobre os donos da casa, fez 1 a 0 e criou várias oportunidades para ampliar a vantagem. O técnico Rogério Ceni surpreendeu ao escalar sua equipe com três zagueiros, mas outros detalhes ajudam a explicar a superioridade da equipe, que levou um gol no segundo tempo e amargou um empate por 1 a 1.

Na Live do São Paulo, programa do UOL Esporte logo após os jogos do Tricolor, os jornalistas Marcelo Hazan, Menon e Gabriel Perecini esmiuçaram o esquema tático utilizado por Ceni na primeira etapa, que mostrou um São Paulo incisivo no ataque e seguro na defesa. Para Perecini, o segredo do São Paulo foi não apostar na correria e trabalhar muito bem a bola para a articulação de Igor Gomes e Rodrigo Nestor.

"Com oito, dez minutos, o São Paulo consegue se posicionar muito bem no campo, impede a progressão do Corinthians, recupera a bola rápido e torna o jogo para as suas características. O São Paulo não pode ficar na correria. Não tem jogador para isso. Botava a bola no chão, buscava inversões de jogo para os alas, que buscavam sempre Igor Gomes e Nestor por dentro", comentou o jornalista.

Perecini viu o Tricolor muito bem posicionado em campo na etapa inicial, o que ajuda a explicar as dificuldades do Corinthians em atacar. "O São Paulo jogou quase em um 3-4-2-1. Alison e Luciano faziam muito bem esse movimento atrás do Luciano e caíam mais por dentro quando precisava. O Nestor ficou alinhado com Igor Gomes, praticamente na linha dos alas, e os três zagueiros. Todos eles tinham um papel muito importante taticamente e o São Paulo não dava espaço para o Corinthians", disse.

Igor Gomes e Rodrigo Nestor foram os 'motores' são-paulinos, na visão de Perecini, e com importância fundamental par o sucesso do esquema de Ceni. "Esses dois jogadores vindos de trás foram os responsáveis pela construção do São Paulo para essa movimentação. Com relação a Alisson e Luciano, quando o São Paulo atacava de um lado, o outro fechava, sempre para ter alguém se aproximando do Calleri", observou.

A aplicação tática na etapa inicial ajuda a entender como o São Paulo sufocou o Corinthians. "Esse aspecto coletivo do São Paulo para pressionar, recuperar a bola rápido e tornar o jogo para suas características, de controle, posse e saída de bola com os zagueiros tornaram o São Paulo bem superior ao Corinthians no primeiro tempo. É a tal intensidade, que necessariamente não significa correria", avaliou Perecini.

As alterações no segundo tempo pioraram o time, como destacou Perecini, que apontou qual dos reservas teve o pior desempenho. "Em termos de marcação, o São Paulo piora com a entrada do Gabriel Neves. Ele não entrou bem e poderia ter sido expulso. O máximo que ele conseguiu fazer foi ser uma válvula de escape. Às vezes, quando o São Paulo recuperava a bola, era ele quem puxava a ultrapassagem e segurava a bola para o São Paulo tentar sair no contra-ataque", concluiu.

Não perca! A próxima edição da Live do São Paulo será na quarta-feira (25), logo após a partida contra o Ayacucho pela Copa Sul-Americana. Você pode acompanhar o programa pelo Canal UOL, no app Placar UOL, na página do São Paulo no UOL Esporte ou no canal do UOL Esporte no Youtube.

São Paulo