PUBLICIDADE
Topo

Flamengo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Colunistas: Técnico Paulo Sousa sofre processo de fritura no Flamengo?

Colaboração para o UOL, em Santos (SP)

20/05/2022 11h26

A vitória tranquila sobre a Universidad Católica-CHI por 3 a 0, resultado que classificou o Flamengo para as oitavas de final da Copa Libertadores e ainda lhe garantiu a primeira posição do grupo H, não aliviou em nada o clima pesado que há nos bastidores do clube rubro-negro —e que se intensificou depois do atrito entre o técnico Paulo Sousa e o goleiro Diego Alves.

A entrevista coletiva pós-jogo do treinador português, na terça-feira (17), revelou um clima ruim na relação com Diego Alves, que teria se colocado à disposição do executivo de futebol Bruno Spindel para jogar mesmo sem ter treinado. Questiona-se, porém, o fato de Paulo Sousa ter externado o assunto e criticado o dirigente por não se pronunciar para explicar o caso. Acrescenta-se a isso a sombra de Jorge Jesus, que afirmou querer voltar ao Flamengo e deu até prazo para isso —dia 20, justamente hoje.

Diante do atual cenário no clube rubro-negro, convocamos os colunistas do UOL Esporte para comentarem sobre a seguinte questão: Paulo Sousa sofre processo de fritura no Flamengo? Confira as opiniões dos jornalistas:

Sim, e nem sei se o problema são apenas as viúvas de Jesus. Perder a mão com o elenco pode ser a pá de cal na breve passagem de Paulo Sousa pelo Brasil.
ALICIA KLEIN

É o que parece, inclusive pelo histórico de boa parte do elenco, desde Dome em 2020. Mas Paulo Sousa não é inocente nessa história sem "mocinhos".
ANDRÉ ROCHA

Marinado, temperado, empanado e fritado no óleo fervendo. Servido com batata frita e chopp gelado. Serviço completo.
BRUNO ANDRADE

Todos os técnicos passaram no Flamengo depois de Jorge Jesus passaram pelo mesmo processo. O que muda é quem fritou. É bizarro os flamenguistas não conseguirem se livrar da sombra de Jesus.
DANILO LAVIERI

Ao que tudo indica, fruto de uma diretoria pusilânime.
JUCA KFOURI

Sim, está claríssimo. E já podemos chamar de tendência no Flamengo. Então a culpa é do sistema, não dele. Os principais dirigentes parecem ter outras prioridades, ainda mais em ano eleitoral. O Flamengo lembra muito o PSG nesse sentido. Para dar certo, vai precisar de sorte, um encaixe entre técnico e elenco como o que ocorreu em 2019.
JULIO GOMES

Sim, e depois da fritura externa (imprensa e torcida) agora tem a interna, o que dificilmente tem conserto. A sombra de Jorge Jesus atrapalhou todos os técnicos que assumiram depois da saída dele e continuará pela Gávea até JJ voltar e ganhar tudo de novo ou fracassar. Flamengo precisa se resolver com seu ex-treinador.
MARCEL RIZZO

Sim. O trabalho já tem cinco meses, não apresenta resultados e a saudade de Jesus é imensa.
MENON

Acho que sim. Uma fritura quente, lenta e pública. Me parece que, ao perder o elenco, o vestiário, ele perdeu tudo. Jamais saberemos se Sousa poderia ter sido bom para o Flamengo. A pressão e o fantasma de Jesus não permitiram que ele pudesse mostrar a que veio. Talvez ele tenha chegado impondo métodos de trabalho que foram um choque grande demais. Talvez devesse ter atuado com mais cuidados, mais consciência do que significou a passagem de Jesus pela Gávea. Muitas camadas para análises. O que me parece irreversível é a fritura.
MILLY LACOMBE

Não sei se existe um processo de fritura organizado por elenco e/ou diretoria ou se existem casos isolados de descontentamento. Mas, é óbvio que o episódio envolvendo Diego Alves desgastou o treinador.
PERRONE

Quem se colocou na frigideira foi o próprio Paulo Sousa, com a infeliz declaração a respeito de Diego Alves, numa entrevista coletiva. Era assunto para ser resolvido internamente. Mas o maior problema dessa "fritura" é que todos os envolvidos, notadamente os dirigentes, nem sequer sabem cozinhar e o cheiro de queimado já se espalha por todo o Ninho do Urubu, numa novela literalmente intragável.
RENATO MAURÍCIO PRADO

Sim. Há vários questionamentos justos sobre o trabalho dele. Mas também há diversos setores dentro e fora do clube empenhados nesse processo. Por diferentes interesses. Isso começou antes do primeiro mês dele no Flamengo. Muito cedo para avaliar de fato o trabalho.
RODRIGO COUTINHO

Sim. O que não o isenta: gerir grupo também é atribuição do técnico e ter sucesso nessa tarefa é condição fundamental para vingar em campo. E ainda é cedo para absolver Paulo Sousa na crise da vez envolvendo o mimado Diego Alves. O que é certo é líquido é que a principal culpada pela fritura é a omissa diretoria rubro-negra.
VITOR GUEDES

Flamengo