PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Desempenho como visitante afasta Santos da liderança do Brasileirão

Tadeu goleiro do Goias durante partida contra o Santos na Serrinha pelo campeonato Brasileiro A 2022. - Isabela Azine/AGIF
Tadeu goleiro do Goias durante partida contra o Santos na Serrinha pelo campeonato Brasileiro A 2022. Imagem: Isabela Azine/AGIF

Colaboração para o UOL, em São Paulo

16/05/2022 04h00

Classificação e Jogos

A derrota para o Goiás no estádio da Serrinha, na noite de ontem (15), jogou luz sobre um problema antigo do Santos, que tem se repetido na temporada e se agravou desde a chegada de Fabián Bustos: a diferença de desempenho do Peixe entre os jogos na Vila Belmiro e como visitante.

Nos dez jogos fora de casa sob o comando do argentino, o Peixe perdeu cinco, empatou quatro e ganhou somente um, o que representa um aproveitamento de 23,3%. Em contrapartida, o time venceu os seis jogos que disputou na Vila com o técnico.

Uma vitória em Goiânia, por exemplo, faria a equipe de Bustos começar a semana na liderança do Brasileirão. Neste momento, o time é o quinto colocado, com dez pontos. Três à frente está o Corinthians, na primeira posição.

Em contraste às atuações como mandante, o Alvinegro tem se apresentado com uma postura mais tímida e pouco efetiva longe da Vila Belmiro: foram sete gols marcados e 11 sofridos nesse cenário, desde que Bustos assumiu o clube.

Mesmo a única vitória como visitante nos últimos dois meses e meio serve de exemplo para o problema: diante da Universidad Católica-EQU, os reservas do Peixe se defenderam durante praticamente toda a partida, foram pressionados pelos equatorianos e garantiram a vitória nos acréscimos, com Rwan Seco.

Já na noite desse domingo, contra o Goiás, o comportamento foi até mais ofensivo. Condicionado pelo gol breve do time de Jair Ventura, o Peixe se viu obrigado a sair para buscar o empate.

No entanto, o time pecou na criação, não soube encontrar espaços no ferrolho adversário, e, nas poucas vezes em que chegou bem, as finalizações pararam na boa atuação de Tadeu.

Escalado no meio, fora de sua posição, Bryan Angulo foi mal e participou pouquíssimo do jogo, sendo decisivo para a atuação escassa no setor criativo. Além disso, Léo Baptistão, Jhojan Julio e Marcos Leonardo tampouco pareciam entrosados no trio de ataque.

A falha na produção ofensiva pode ser resumida também pelos números: o time chutou mais que o Goiás, mas com menos qualidade.

Segundo a plataforma SofaScore, foram 16 finalizações santistas contra 10 esmeraldinas, além de 68% da posse de bola. Porém, os donos da casa foram eficientes, uma vez que tiveram mais finalizações no gol e grandes chances criadas (5 e 2, respectivamente) que o Santos (3 e 1).

Ao comentar sobre o desempenho ofensivo, o zagueiro Maicon, um dos poucos destaques positivos do Peixe, observou a ansiedade do time dentro de campo.

"Defensivamente estávamos bem compactos. A partida estava controlada, faltou paciência na parte ofensiva. Não só no ataque, mas a gente também na construção do jogo", disse o defensor, que viu o time abusar dos cruzamentos após sofrer o gol de Elvis.

Para ele, porém, os resultados negativos fora de casa no Brasileirão se devem também à arbitragem.

"Contra o Fluminense, no último lance, se tivesse o pênalti nosso favor, poderia ganhar o jogo. Com o São Paulo, a mesma coisa. Claro que temos um desempenho melhor em casa, mas temos que ressaltar que tivemos dois jogos que fomos prejudicados", considerou.

Na coletiva de imprensa, o técnico Fabián Bustos reconheceu a piora no nível enquanto visitante, mas disse também que parte dessa discrepância entre as atuações em casa e como visitante se deve ao calendário.

"Jogamos dez fora e cinco em casa. É uma loucura o calendário, por isso os melhores foram em casa", apontou o argentino, e concluiu:

"Temos que seguir fortes em casa e tentar acertar os resultados e melhorar em casa."

Sequência importante em casa

Se a fase como visitante assusta, na Vila Belmiro o Santos tem 100% de aproveitamento sob o comando de Bustos. Para os próximos jogos, esse fator pode ser decisivo, uma vez que o Peixe será mandante em quatro partidas seguidas.

Os confrontos serão contra Ceará e Palmeiras, pelo Brasileirão, e Unión La Calera-CHI e Banfield-ARG, pelo Grupo C da Copa Sul-Americana.

A fim de avançar às oitavas de final na competição continental, fazer valer o ótimo retrospecto em casa será essencial, uma vez que apenas o primeiro do grupo passará de fase.

Em segundo lugar, com sete pontos, o Alvinegro Praiano recebe o líder da chave, o Unión La Calera, que tem oito pontos, na quarta-feira (19), às 21h30 (horário de Brasília). Se vencer, o Peixe fechará a quinta rodada na liderança.

Futebol