PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Como ajuste de Pezzolano armou defesa do Cruzeiro invicta há cinco jogos

Técnico Paulo Pezzolano e zagueiro Lucas Oliveira  - Staff Images
Técnico Paulo Pezzolano e zagueiro Lucas Oliveira Imagem: Staff Images

Lohanna Lima

Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte, MG

16/05/2022 04h00

É bem verdade que a melhora no desempenho defensivo de um time não está ligado apenas a um setor. Cada vez mais, técnicos e jogadores ressaltam a importância de uma marcação compacta e que se inicie com os jogadores da frente. No entanto, no Cruzeiro, um ajuste feito pelo técnico Paulo Pezzolano relacionado à zaga casa diretamente com a evolução da equipe no aspecto. Desde o jogo contra o Londrina, válido pela 4ª rodada da Série B, o time vem atuando com três zagueiros e, desde então, não sofreu mais gols.

A trinca formada por Zé Ivaldo, Lucas Oliveira e Eduardo Brock já atuou em cinco jogos sem ser vazada, sendo quatro pelo Brasileiro e um pela Copa do Brasil. Do início da Série B até o jogo da mudança, o time de Pezzolano havia sofrido cinco gols em quatro jogos em uma média de 1,25 por partida. Nesse domingo (15), o time venceu o Náutico por 1 a 0, nos Aflitos, e a recompensa pelo bom momento veio: a equipe assumiu pela primeira vez a liderança da Série B.

A chegada de Zé Ivaldo levantou a possibilidade de que ele brigaria por uma vaga com Lucas Oliveira para atuar ao lado de Eduardo Brock. No entanto, com a mudança feita por Pezzolano, Zé vem atuando pela direita, Brock pela esquerda e Lucas pelo centro. A partir disso, o zagueiro canhoto vem sendo também um dos destaques na construção ofensiva da equipe.

Jogos determinantes

O Cruzeiro teve uma estreia frustrante na competição ao perder para o Bahia, por 2 a 0, na Arena Fonte Nova. Neste jogo, a exposição da defesa foi algo que chamou bastante atenção, uma vez que Victor Jacaré marcou duas vezes, em menos de 20 minutos, e com facilidade para chegar à meta celeste em ambos os lances.

Pela Copa do Brasil, no terceiro jogo após a estreia diante do Bahia, o time levou a virada do Remo, por 2 a 1, no Baenão. Houve muita reclamação em torno das decisões da arbitragem, mas que não anularam os alertas para uma nova fragilidade demonstrada pela defesa nos lances.

Futebol