PUBLICIDADE
Topo

Fundador da Gaviões critica proposta de mudança no estatuto: 'Inadmissível'

Chico Malfitani, fundador da Gaviões, em protesto na Av. Paulista contra Bolsonaro - Adriano Wilkson/UOL
Chico Malfitani, fundador da Gaviões, em protesto na Av. Paulista contra Bolsonaro Imagem: Adriano Wilkson/UOL

Yago Rudá

Do UOL, em São Paulo

28/01/2022 19h55

Um dos fundadores da Gaviões da Fiel, Chico Malfitani se mostrou contrário à ideia debatida dentro da organizada em alterar o sistema eleitoral para a escolha do presidente da instituição — noticiada hoje (28) pelo UOL Esporte. O comunicador vê a proposta como inadmissível e fala em tentativa de golpe na principal torcida do Corinthians: 'Vamos instalar uma ditadura?'.

"Essa proposta é contra a história da Gaviões, é um equívoco absurdo. Eu, como fundador da Gaviões, tenho a obrigação de me posicionar e ser contrário à ideia. Seria a mesma coisa de abrir mão da eleição para presidente da República e deixar esse poder nas mãos do Congresso Nacional. É antidemocrático", afirma Malfitani, que entrou em contato com a reportagem e pediu para se posicionar sobre o tema.

A Gaviões da Fiel trabalha em cima de uma reforma estatutária e criou uma comissão para propor mudanças e melhorias no documento. Um dos temas debatidos internamente é a alteração do sistema eleitoral para a escolha do presidente da Torcida, que deixaria de ser escolhido em votação aberta aos associados e passaria a ser eleito pelo Conselho Deliberativo.

Os membros da organizada que são favoráveis à mudança argumentam que a proposta é democrática e, caso aprovada, aconteceria dentro dos termos do estatuto da instituição. Para Malfitani, no entanto, o fato de a possível mudança retirar do associado o direito ao voto direto configura a articulação de um golpe na política interna da Gaviões.

"O voto é a coisa mais sagrada da democracia. A Gaviões foi criada para defender a democracia e a liberdade. Portanto, isso é inadmissível. A Gaviões sempre foi um exemplo de como uma torcida deve se portar, a Gaviões é um exemplo para todas as outras organizadas. Vamos dar um passo atrás?", questiona um dos doze fundadores da Torcida.

"A eleição indireta acontece nas ditaduras. Vamos instalar uma ditadura dentro da Gaviões? É um tremendo equívoco isso. Se tiver e isso passar, é um golpe contra a democracia", conclui.

Malfitani é um dos conselheiros vitalícios da Gaviões da Fiel. O corintiano, no entanto, informou à reportagem que pediu afastamento de sua cadeira após aceitar o convite de Guilherme Boulos para trabalhar na campanha eleitoral do candidato à prefeitura de São Paulo pelo PSOL. O político acabou chegando ao segundo turno do pleito, porém foi derrotado por Bruno Covas, do PSDB.

Ainda não há um prazo para que as propostas de mudança do estatuto sejam apresentadas ao Conselho Deliberativo da Gaviões. Os conselheiros analisarão as mudanças e votarão para decidir quais serão elegíveis à Assembleia Geral dos associados, esta sim definitva e soberana.