PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Cruzeiro: Gols de atacantes baratos são boa notícia para projeto de Ronaldo

Thiago, atacante do Cruzeiro, comemora gol marcado sobre a URT pelo Campeonato Mineiro - Fernando Moreno/AGIF
Thiago, atacante do Cruzeiro, comemora gol marcado sobre a URT pelo Campeonato Mineiro Imagem: Fernando Moreno/AGIF

Lohanna Lima

Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte, MG

28/01/2022 04h00

Montar um time competitivo gastando pouco é a principal meta de Ronaldo à frente do Cruzeiro. Na estreia da equipe no Campeonato Mineiro diante da URT, o placar de 3 a 0 contou com a participação de dois jogadores que são a esperança de um ataque agressivo: Thiago, da base, e Edu, artilheiro da Série B passada.

Sob os olhares de um dos maiores atacantes da história, ambos não se sentiram intimidados. Thiago abriu o placar no primeiro tempo e Edu fechou a conta na segunda etapa. Os dois jogadores vão brigar pela camisa 9 durante a temporada e terão a concorrência de Marcelo Moreno que, neste momento, sai atrás na disputa.

Em seu terceiro e último ano de contrato no Cruzeiro, Moreno perdeu parte da pré-temporada e será ausência nos dois primeiros jogos devido aos compromissos com a seleção boliviana pelas Eliminatórias. Moreno chegou ao Cruzeiro no início de 2020, com a ajuda de um dos patrocinadores do clube para pagar metade dos vencimentos.

Com um salário na casa dos R$ 200 mil, o boliviano marcou apenas nove gols em dois anos e não se firmou como titular em nenhum momento. Edu recebe um pouco menos que a metade do valor de Moreno e Thiago cerca de três vezes menos. No caso de Edu, a gestão anterior adquiriu os direitos econômicos do jogador por R$ 600 mil. O valor foi pago à vista ao Brusque quatro dias após a aquisição da SAF por Ronaldo.

O ataque do Cruzeiro foi um dos principais problemas do time no ano passado. Nenhum jogador da posição conseguiu ser protagonista da equipe. Tanto que a artilharia geral da temporada ficou com Matheus Barbosa - volante que deixou o time no meio do ano com sete gols

Elogiado por Paulo Pezzolano, Moreno brigará pelo seu espaço após retornar da seleção. No entanto, o treinador, que prioriza um estilo de jogo intenso, deixou claro que escolherá quem estiver melhor fisicamente.

"Marcelo é um jogador de seleção e está agora na Bolívia. Nós o temos no plantel e quando chegar será um a mais. Se estiver bem, vai jogar, senão, vai ficar no banco. Normal! É mais um jogador no elenco. Gosto dele. Vamos ver se precisa trabalhar fisicamente quando voltar. É um atleta importante", disse o comandante.

Futebol