PUBLICIDADE
Topo

Paulista - 2022

Guarani faz dois golaços e vence o São Paulo na estreia do Paulistão

Brunno Carvalho

Do UOL, em São Paulo

27/01/2022 23h27

Classificação e Jogos

A estreia do Paulistão reservou dois golaços para o Guarani. Saídos dos pés de Lucão do Break e de Diogo Mateus, as bolas na rede garantiram a vitória bugrina sobre o São Paulo, em Campinas (SP), por 2 a 1. Calleri, de cabeça, descontou para o time tricolor.

Mesmo com a estreia de quatro reforços (Rafinha, Alisson, Patrick e Nikão), o São Paulo apresentou muitas dificuldades na criação, algo que já acontecia na temporada passada. Já o Guarani apostou nos contra-ataques, com Lucão do Break levando grande vantagem sobre a marcação são-paulina.

Na próxima rodada, o Guarani visita o Bragantino na segunda-feira (31), às 20h (de Brasília). Um dia antes, o São Paulo recebe o Ituano, às 16h (de Brasília), na primeira partida no Morumbi na temporada.

Live do São Paulo

O melhor: Lucão do Break

Observado por Rogério Ceni, Lucão do Break (ao fundo) comemora ao lado de Madison gol marcado pelo Guarani - LUCIANO CLAUDINO/CÓDIGO19/ESTADÃO CONTEÚDO - LUCIANO CLAUDINO/CÓDIGO19/ESTADÃO CONTEÚDO
Imagem: LUCIANO CLAUDINO/CÓDIGO19/ESTADÃO CONTEÚDO

O atacante deu muito trabalho à defesa são-paulina no primeiro tempo. Aliando força com velocidade, Lucão criou as principais chances do Guarani na etapa inicial. Se o gol não saiu após cruzamento para Diogo Mateus, saiu quando o próprio Lucão arriscou da quina da área e acertou o ângulo de Tiago Volpi.

O pior: Diego Costa

Escalado no lugar de Miranda, poupado após voltar da covid-19, o zagueiro apresentou muitas dificuldades na marcação do centroavante adversário.

Ceni muda esquema, mas São Paulo mantém problemas de 2021

Os reforços contratados para a temporada permitiram que Rogério Ceni mudasse o esquema tático do São Paulo. Se em 2021 o treinador jogava quase sempre em um 4-4-2, diante do Guarani a equipe se posicionou no 4-3-3, com Alisson e Gabriel Sara mais avançados no meio, com Rigoni e Nikão abertos no ataque e Calleri centralizado.

A mudança não foi suficiente para corrigir problemas que acompanham o São Paulo desde a temporada passada. A falta de entrosamento e o pouco ritmo de jogo no início da temporada podem ajudar a explicar, mas não são suficientes para se responsabilizarem pela falta de criatividade vista pelo time de Rogério Ceni no Brinco de Ouro da Princesa.

O São Paulo terminou o primeiro sem praticamente assustar o goleiro Kozlinski. A melhor chance foi um chute despretensioso de Gabriel Sara, que o arqueiro optou por espalmar para escanteio. Afora isso, o que se viu foram algumas tentativas de tabela e pouca velocidade para superar a marcação. Foram sete dribles tentados e apenas quatro bem-sucedidos. Sobrou para o São Paulo abusar dos cruzamentos para a área, quase sempre afastados sem dificuldade pela defesa bugrina.

Guarani ganha espaço e abre o placar com golaço

O início do primeiro tempo indicava que o São Paulo controlaria o jogo. As tentativas de tabela com Rigoni, Calleri e Alisson forçavam o Guarani a recuar e deixar a bola com o time tricolor. Por muitas vezes, os zagueiros Diego Costa e Léo começavam a jogada já dentro do campo adversário.

Mas conforme o São Paulo foi dando mostras de que não iria assustar, o Guarani passou a sair para o jogo. Os meias começaram a avançar e os lançamentos longos deram lugar para passes rápidos e jogadas laterais.

No ataque, Lucão do Break dava trabalho para a defesa do São Paulo. Antes de abrir o placar com um golaço, ele já havia criado um cruzamento que Diogo Mateus cabeceou mal e perdeu. Aos 38 minutos, Alisson tentou sair jogando na defesa do São Paulo, Lucão do Break o desarmou com extrema facilidade e chutou da quina da área para acertar o ângulo de Volpi e abrir o placar.

São Paulo sofre com a marcação do Guarani

Com a vantagem no placar, o Guarani recuou ainda mais suas linhas. A equipe bugrina dava todo espaço para o São Paulo até alguns metros além do círculo central do campo. Apenas nesse ponto chegava a primeira tentativa de bote.

A estratégia se mostrou bastante acertada. Com as linhas compactas, o Guarani impediu tentativas de dribles do São Paulo. A equipe de Rogério Ceni tentava inverter o jogo de um lado para o outro em busca de espaço, mas quase sempre sem sucesso.

A melhor chance foi mais uma vez com Gabriel Sara. Aos 18 minutos, o meia arrancou pelo meio, mas acabou chutando fraco para a fácil defesa de Kozlinski.

Aposta no contra-ataque leva o Guarani ao segundo gol

Com as linhas compactas atrás, o Guarani apostava no contra-ataque para tentar decidir a partida contra o São Paulo. E foi exatamente assim que a equipe de Campinas criou a jogada do segundo gol.

Aos 19 minutos, Yago arrancou pela direita e achou Person no meio. O camisa 8 tentou passar por Rodrigo Nestor, mas acabou derrubado em frente à área. Na cobrança, Diogo Mateus fez mais um belo gol para o Guarani.

São Paulo, enfim, incomoda, mas não vale

O São Paulo por muito pouco não teve uma chance clara para diminuir a desvantagem. Aos 22 minutos, Alisson estava saindo da área do Guarani quando foi derrubado por Ronald. O árbitro Luiz Flávio de Oliveira marcou o pênalti, e Reinaldo se posicionou para tentar fazer o primeiro do Tricolor.

Antes que o lateral efetuasse a cobrança, o VAR anulou o lance. As imagens mostraram que Alisson estava impedido no começo da jogada que resultou na penalidade.

Alisson e Patrick se destacam dentre os reforços

Das contratações feitas para a temporada, Rogério Ceni não utilizou apenas o goleiro Jandrei. Rafinha, Nikão e Alisson começaram a partida como titulares, enquanto Patrick entrou no segundo tempo.

Patrick jogou apenas 29 minutos, mas foi suficiente para chamar atenção. Foi dele o cruzamento para o gol de Calleri, aos 34 minutos. A jogada saiu após troca de passes com Reinaldo. O ex-jogador do Inter superou a marcação e lançou com perfeição na cabeça do camisa 9.

Alisson foi outro que se destacou, mas acabou marcado pelo erro que resultou no primeiro gol do Guarani. Afora isso, o camisa 12 foi quem mais tentou no primeiro tempo, seja com cruzamentos pela direita ou com tabelas pelo meio. Ele ainda sofreu um pênalti que acabou anulado por impedimento.

Guarani abdica do jogo, e São Paulo tenta o empate

A tática de recuar a marcação deu certo para o Guarani durante boa parte do jogo. Mas quando o São Paulo diminuiu a desvantagem, o time bugrino ficou sem saber o que fazer. Rogério Ceni levou a campo Éder e Patrick, o que acabou aumentando o número de jogadores dentro da área e dando mobilidade pelas laterais.

Com isso, a defesa do Guarani se viu obrigada a abrir para a marcação para proteger as laterais. A mudança gerou espaços para o São Paulo, que por pouco não buscou o empate. Aos 39 minutos, Alisson girou sobre a marcação e chutou de longe, quase acertando o ângulo.

Atuação do São Paulo: falta de criatividade atrapalha estreia

O São Paulo começou a partida apostando nas tabelas rápidas com Calleri como pivô. Com a mudança da marcação do Guarani, o time tricolor começou a tentar jogar pelas laterais, quase sempre com cruzamentos fáceis para a defesa bugrina afastar. No segundo tempo, Ceni colocou Éder no lugar de Gabriel Sara e Patrick no lugar de Nikão. As mudanças deixaram a área do Guarani com mais jogadores e obrigou que a defesa bugrina deixasse buracos para marcar as laterais. Foi assim que Patrick cruzou na cabeça de Calleri, para marcar o único gol do São Paulo na partida.

Atuação do Guarani: time ao ataque após indefinição do São Paulo

O Guarani começou a partida apostando em lançamentos longos. Conforme foi percebendo que o São Paulo pouco assustaria, a equipe passou a sair mais para o ataque. Os meias avançaram e a equipe passou a apostar em passes rápidos e jogadas pelas laterais. A estratégia resultou nas melhores chances da primeira etapa.

Fim do tabu em Campinas

A vitória de hoje encerra um tabu de quase 25 anos do Guarani. A última vez que a o clube campineiro havia vencido o São Paulo como mandante foi em 17 de maio de 1997. Curiosamente, o treinador daquele Guarani era Muricy Ramalho, atualmente na coordenação técnica são-paulina.

Cronologia da partida

O Guarani abriu o placar com Lucão do Break, aos 38 minutos do primeiro tempo. Aos 21 da segunda etapa, Diogo Mateus ampliou o marcador. O São Paulo descontou aos 34 minutos, com Jonathan Calleri.

FICHA TÉCNICA:
GUARANI 2 x 1 SÃO PAULO

Competição: 1ª rodada do Paulistão
Data e hora: 27 de janeiro de 2022 (quinta-feira), às 21h30 (de Brasília)
Local: Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas (SP)
Público: 5.458 pessoas
Renda: R$ 136.360,00
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira
Auxiliares: Neuza Inês Back e Anderson José de Moraes Coelho
VAR: Vinicius Furlan
Gols: Lucão do Break (38'/1ºT) e Diogo Mateus (21'/2ºT), para o Guarani; Calleri (34'/2ºT), para o São Paulo
Cartões amarelos: Léo, pelo São Paulo
Cartões vermelhos: -

GUARANI: Kozlinski; Diogo Mateus, Ernando, Derlan, Eliel (João Victor); Bruno Silva, Madison (Giovanni Augusto), Eduardo Person (Caio); Yago (Ronald), Júlio César (Maxwell) e Lucão do Break. Técnico: Daniel Paulista

SÃO PAULO: Volpi; Rafinha, Diego Costa, Léo, Reinaldo (Welington); Gabriel Neves (Rodrigo Nestor), Gabriel Sara (Éder), Alisson; Nikão (Patrick), Rigoni (Marquinhos) e Calleri. Técnico: Rogério Ceni