PUBLICIDADE
Topo

Grêmio

De saída, Jean Pyerre foi de 'herdeiro da 10' ao afastamento no Grêmio

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

24/01/2022 04h00

Jean Pyerre está prestes a ter saída confirmada pelo Grêmio. O meia de 23 anos será emprestado até o meio de 2023 aos Giresunspor, da Turquia. A trajetória no Tricolor, perto de um fim ou, ao menos, uma interrupção, foi marcada por altos e baixos. Considerado "herdeiro da camisa 10", ele viveu picos de idolatria, mas também se envolveu em polêmicas e chegou a ser afastado.

Até mesmo a saída do clube está rodeada de polêmica. Jean Pyerre primeiro não se acertou com Alavés, da Espanha. Depois tinha acertado transferência para o Athletico Paranaense, até mudar de planos e firmar com o Giresunspor. A troca de destino gerou irritação do Furacão, que enviou até uma notificação extrajudicial ao atleta.

Joia da base

Jean Pyerre foi uma das principais joias das categorias de base do Grêmio, que se acostumaram a produzir grandes jogadores. Em 2017, quando foi integrado ao elenco principal, era considerado um "case de sucesso" na formação gremista. Já estava no clube desde os primeiros chutes na bola. Naquele ano, ele fez oito jogos, marcou um gol e deu uma assistência.

Foi em 2018 que sua arrancada começou de fato. Com 18 participações e três gols, ele passou a figurar frequentemente na equipe e teve ótimo rendimento. Em 2019, era visto como peça importante do elenco e suas atuações deram segurança para o clube vender Luan ao Corinthians. Foram 39 jogos, seis gols e oito assistências naquele ano.

Jean, então, era considerado herdeiro da camisa 10 gremista, próximo na fila de grandes jogadores formados no clube que brilhavam vestindo azul, branco e preto e depois rendiam valores importantes aos cofres com vendas volumosas para Europa.

Lesões e instabilidade

Porém, a trajetória daí em diante foi dura. Jean teve alguns afastamentos por lesão e sofreu, principalmente, com um problema no ombro. Entre 2019 e 2020, ele chegou a ficar seis meses afastado por um problema muscular.

Ao mesmo tempo, o rendimento caiu e o técnico Renato Gaúcho passou a cobrar correções em suas movimentações. Segundo o treinador, Jean precisava "se ajudar".

"Às vezes, ele fica chateado com algumas cobranças que faço. E eu cobro de todo mundo. O jogador fica bravo, mas sabe que é para o bem dele. Ele tem que se ajudar, estar pronto. Agora estou feliz, ele voltou a jogar uns 30 minutos e é um jogador importante. Mas precisa se ajudar também", disse o técnico na ocasião.

A paciência de Portaluppi, aos poucos, teve fim. O técnico repetia, sempre que podia, que era necessário crescer para atingir o que se esperava do meia da equipe.

Problemas fora de campo

As palavras de Portaluppi cobravam empenho além dos gramados. O comportamento fora de campo também foi alvo de algumas críticas. Por exemplo, o jogador esteve em uma festa durante um dos picos da pandemia de covid-19. Jean foi flagrado sem máscara em uma festa e um vídeo que registrava o momento viralizou nas redes sociais. O Grêmio, em nota, lamentou a conduta.

Ausências e reclamação

Aos poucos, Jean Pyerre perdeu relevância no time. Em 2020, fez 40 jogos, com oito gols e três assistências. Em 2021, foram 39 jogos, quatro gols e quatro assistências.

O cenário desagradou o jogador. Em março de 2021, por exemplo, Eduardo Luiz Correa, pai do atleta, afirmou em um vídeo que Renato Gaúcho "não treinava a equipe", revelando clima nada ideal no núcleo direto e relações do atleta.

No fim do ano passado, veio o pico da instabilidade. Jean foi afastado junto a outros seis atletas da reta final do Brasileirão. A alegação para isso seria a "falta de empenho" em tirar o time da rota do rebaixamento, que acabou se confirmando.

Desde o início do ano, sua saída estava definida, restava saber qual seria o destino, que agora se desenha para a Turquia, que deve oficializar a situação nos próximos dias.

Grêmio