PUBLICIDADE
Topo

Atlético-MG

Pouco atrativo, Mineiro foi determinante na construção do Atlético-MG de 21

Atlético-MG comemora o título da Copa do Brasil 2021 - Robson Mafra/AGIF
Atlético-MG comemora o título da Copa do Brasil 2021 Imagem: Robson Mafra/AGIF

Lohanna Lima

Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte, MG

18/01/2022 04h00

De volta aos trabalhos na Cidade do Galo para a temporada de 2022, o Atlético-MG começa a se preparar para o primeiro compromisso do ano: a disputa do Campeonato Mineiro. Em 2021, o Galo utilizou as rodadas iniciais para dar mais oportunidades aos jovens jogadores e àqueles que tiveram poucas chances com Jorge Sampaoli. O mesmo vai acontecer agora sob o comando de El Turco Mohamed.

Apesar de o Estadual ser algo modesto para o Atlético tendo em vista todos os grandes objetivos para a temporada, entre eles a conquista da Libertadores, foi no regional do ano passado que muitos fatores foram determinantes na construção do Atlético que chegaria ao fim do ano conquistando, além dele, o Campeonato Brasileiro e a Copa do Brasil.

Três jogadores tiveram momentos determinantes no Estadual que renderam frutos no restante do ano. O primeiro deles foi o meia Zaracho. O argentino havia chegado em 2020 como até então a contratação mais cara do Atlético, mas não decolou. No Estadual, jogou como titular na equipe considerada alternativa, ganhou confiança, caiu nas graças do torcedor e pediu passagem. Zaracho terminou o ano como vice-artilheiro do time e na seleção do Brasileirão.

O lateral direito Mariano e o atacante Hulk tiveram um jogo em comum como decisivo para o futuro deles no time. Contra o Athletic, na 11ª rodada do Estadual, Hulk questionou Cuca publicamente para ter mais oportunidades como titular. Uma aresta se iniciou, mas o treinador decidiu dar a oportunidade pedida. O camisa 7 terminou o ano como o maior artilheiro do futebol brasileiro.

Nesta mesma partida, o então contestado Mariano ganhou oportunidade de atuar como titular na vaga de Guga. A escalação desagradou boa parte da torcida, inicialmente, mas o jogador fez o único gol da partida, ganhou mais chances e terminou o ano como titular inquestionável da posição.

Pressão

O Estadual foi a porta de entrada do técnico Cuca na segunda passagem dele pelo Galo. Nas primeiras rodadas em que o treinador esteve à frente da equipe, o time teve atuações e ideias questionadas, perdeu o clássico para o Cruzeiro e um início de forte pressão se formou em cima do início de trabalho. Tanto que o treinador chegou a pedir paciência e um tempo de dez dias para colocar o time em ordem. Foi no Estadual, inclusive, o único momento de tensão entre Cuca e a torcida durante todo o ano.

Atlético-MG