PUBLICIDADE
Topo

Diretor diz que SPFC recusou ofertas e quer naming rights ainda com Casares

Edson Lopes Jr./UOL
Imagem: Edson Lopes Jr./UOL

Brunno Carvalho

Do UOL, em São Paulo

18/01/2022 04h00

A procura por uma empresa interessada em adquirir os naming rights do estádio do Morumbi está na pauta no São Paulo. O tema veio a público durante o anúncio do patrocínio da empresa de criptomoeda Bitso, que estampará a manga da camisa tricolor. Na entrevista coletiva, Eduardo Toni, diretor de marketing são-paulino, afirmou que o acordo seria um teste parcerias maiores.

Em entrevista exclusiva ao UOL Esporte, Eduardo Toni falou sobre o desejo em fechar o acordo do novo nome do estádio do São Paulo ainda durante a gestão do presidente Julio Casares, que termina ao fim de 2023. O dirigente, contudo, afirmou não ter pressa para avaliar as propostas.

"Naming rights não é algo que está no meu orçamento, que eu tenho que entregar, porque é uma coisa complexa. A gente não tem a faca no pescoço para trazer esse dinheiro para casa. A gente quer trazer, mas não quer simplesmente colocar uma placa no estádio. O que a gente quer é entregar experiência, como é o caso da Bitso, que não é apenas um setor", explicou Toni.

No caso da Bitso, o São Paulo fechou parcerias que vão além do nome estampado na manga da camisa. A empresa adquiriu um setor no estádio do Morumbi e permitirá que ingressos sejam adquiridos com criptomoeda - Toni acredita que a possibilidade estará ativa até a quarta rodada do Paulistão. Além disso, é desejo da Bitso realizar um torneio amistoso na casa são-paulina com outros times que ela patrocina.

"Nós temos aqui dentro do estádio restaurantes, o tour. E eles vão aceitar criptomoeda. Isso é importante quando você vende um naming rights. É você vender além do nome, vender experiências, entregar para o torcedor e para a marca diferenciais que agreguem valor para os dois", explicou.

Toni afirma que as conversas com a Bitso sobre naming rights já existem, mas ainda estão em fase inicial. "É uma negociação complexa, são necessárias avaliações de muitos aspectos para tomar a decisão".

A empresa mexicana não é a única possibilidade aventada pelo departamento de marketing. Eduardo Toni diz ter chegado perto de um acerto com outra marca, mas as partes não concordaram sobre o valor pedido pelo São Paulo.

"A gente já teve propostas que nem abrimos negociação, outras que tentamos subir porque estavam próximas do que a gente queria, mas não chegou. Para nós entrarmos em um negócio desses, o valor tem que ser significante, tem que ser importante do ponto de vista de dinheiro para nós".

No dia do anúncio da parceria com a Bitso, o nome "Morumbitso" foi um dos assuntos mais utilizados no Twitter. Toni gostou da ideia sugerida pela torcida, mas afirmou que será necessária uma análise maior para definir como se chamará o Morumbi caso o negócio avance.

"As pessoas vão falar o novo nome do Morumbi"

Um dos principais desafios dos clubes brasileiros para fechar um acordo de naming rights é fazer com que o estádio seja chamado pelo novo nome. Até pouco tempo atrás, as transmissões da Globo evitavam citar marcas. O Allianz Parque, por exemplo, era citado como "Arena Palmeiras". Desde que o Corinthians acertou com a Neo Química, no entanto, a principal detentora dos direitos de transmissão do país mudou sua política.

Essa mudança é vista por Eduardo Toni como fundamental para avançar em um acordo de naming rights. Ele acredita que os torcedores passariam a usar o novo nome mesmo com o Morumbi tendo 61 anos de existência.

"Eu não me preocupo com o tempo de vida do estádio. Hoje, os veículos de comunicação citam o nome do estádio pelo nome que ele é: Neo Química Arena, o Allianz Parque. Então isso faz com que a coisa pegue. Se não fosse assim, não teria sentido vender o naming rights, que era o que acontecia na época da LG. Não existia o naming rights no Brasil. Colocar o nome de 'LG Arena' ou 'LG Stadium' e ninguém usar é só uma placa na porta. O que a gente quer é que a sociedade toda, todos os meios, todos os veículos se identifiquem com aquela propriedade e utilizem seu nome", completou.

A LG, citada por Eduardo Toni patrocinou o São Paulo entre 2001 e 2010, boa parte do período em que ele próprio era diretor da empresa sul-coreana. De acordo com ele, além do patrocínio-máster na camisa, a LG tinha também os namings rights do Morumbi. A empresa chegou a dar nomear setores da casa são-paulina, mas nunca trocou o nome do estádio.