PUBLICIDADE
Topo

Atlético-MG

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Contrato mostra que Atlético-MG não teve convicção ao fechar com Mohamed

Do UOL, em São Paulo (SP)

14/01/2022 04h00

Depois de não esperar por Jorge Jesus e ver conversas com Carlos Carvalhal e Eduardo Berizzo não evoluírem, o Atlético-MG anunciou a chegada de Antonio 'El Turco' Mohamed. O argentino estava sem clube desde que deixou o Monterrey, do México, e assinou por um ano com o Galo.

Na Live Fim de Papo Especial do mercado da bola, transmitida pelo UOL Esporte na última quinta-feira (13), os jornalistas Danilo Lavieri e Victor Martins analisaram a chegada do treinador e falaram sobre como deve ser o futuro do time com o argentino no comando.

"A promessa é de que ele vai jogar com linhas altas. Sobre a contratação dele, é óbvio que ele não era nenhuma das primeiras opções porque o Atlético-MG levou algumas negativas. No caso do Carlos Carvalhal, não chegou nem a ser um não. Com ele, a conversa evoluiu, mas tinha uma multa de 16 milhões de reais e não dá para você pagar isso para um técnico", começou dizendo Victor Martins.

"Na live em que foi anunciado, El Turco falou que quer ser chamado assim mesmo. Ele foi oferecido, ou seja, o Atlético-MG não tinha ele como uma das prioridades. O tempo foi se passando, o mercado fechando, e a diretoria decidiu ir com ele mesmo. O contrato dele é só de uma temporada, sendo que o clube vinha praticando vínculos de dois anos com Sampaoli e Cuca, que saíra porque quiseram. Então, se vê que não se tem tanta convicção no trabalho do Mohamed, até porque, se der errado, a multa de rescisão não será muito grande", disse.

Logo depois, o jornalista traçou um panorama dos trabalhos anteriores de Antonio Mohamed.

"Ele tem bons trabalhos. O torcedor do Atlético-MG lembra muito dele, afinal ele era o treinador daquele Tijuana, que foi adversário em um dos jogos mais históricos do Galo, quando o Victor pegou aquele pênalti do Riascos. Mas, o Tijuana, com um time muito inferior, foi melhor nos dois jogos. No México, abriu 2 a 0 e ninguém sabe como o Atlético empatou. No Independência, o pessoal fala muito do pênalti, mas teve bola na trave, o Victor fez defesa cara a cara. Foi o maior amasso que o Galo levou naquela época".

"Outro destaque foi essa última passagem dele pelo Monterrey, onde ele fez um jogo, digamos, de igual para igual com o Liverpool, tomou um gol no final e acabou sendo eliminado no Mundial de Clubes. Ele tem a característica de ser um treinador que se adapta ao elenco. Se tem um time com qualidade inferior, joga mais recuado. Caso contrário, solta o time. O Atlético quer isso e o time pede que seja assim", finalizou Victor Martins.

A próxima edição da Live Fim de Papo Especial do mercado da bola será na sexta-feira (14). Você pode acompanhar a live pelo Canal UOL, no app Placar UOL, na página do UOL Esporte ou no canal do UOL Esporte no Youtube.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Atlético-MG