PUBLICIDADE
Topo

Fluminense

John Kennedy ganha 'rodagem' na Copinha antes de briga por vaga no Flu

Comemoração do gol de John Kennedy, para o Fluminense, marcado diante da Francana - LUCAS MARCELINO/ESTADÃO CONTEÚDO
Comemoração do gol de John Kennedy, para o Fluminense, marcado diante da Francana Imagem: LUCAS MARCELINO/ESTADÃO CONTEÚDO

Do UOL, no Rio de Janeiro (RJ)

14/01/2022 04h00

Rosto já conhecido da torcida do Fluminense, John Kennedy é um dos principais nomes do elenco tricolor nesta edição da Copa São Paulo de Futebol Júnior. Com três gols nos últimos dois jogos, o jogador inicia uma temporada em que promete ter uma disputa acirrada no elenco principal, com Fred e Cano, anunciado ontem (13), como opções no setor.

A equipe de Xerém, inclusive, entra em campo logo mais, às 15h, contra a Ponte Preta, na briga por vaga nas oitavas de final do torneio.

Integrado aos profissionais desde o ano passado, a participação de John Kennedy, 19, na Copinha faz parte de uma planejamento para o fortalecimento da transição entre base e profissional. A decisão foi tomada em conjunto entre o departamento de futebol e o estafe do atleta, com o aval do próprio, que foi consultado.

Na visão dos envolvidos, estar na competição e, principalmente, ganhar minutos em campo é positivo para o jogador, que está prestes a completar 20 anos e enfrenta obstáculos comuns deste momento da carreira.

Apesar de todo o holofote que a Copa São Paulo tem, a ideia é gerar um saldo positivo esportivamente para o atacante e para o clube, que quer voltar ao lugar mais alto do pódio — além dele, Matheus Martins e Wallace, que também já estiveram entre os profissionais, estão no elenco sub-20. Há o entendimento que John Kennedy é um jogador consolidado no mercado, e propostas podem surgir independentemente das atuações no torneio.

No caso do camisa 9 da Copinha, há ainda um outro fator: compensar o tempo perdido. Na reta final da temporada passada, ele foi utilizado nos profissionais e chegou a marcar dois gols na vitória por 3 a 1 no clássico com o Flamengo, pelo Campeonato Brasileiro. Antes disso, porém, defendeu as equipes de base após um drama causado pela covid-19. Entre abril e julho, foram três meses fora de combate por conta de complicações causadas pela doença.

O Fluminense realiza uma reformulação no elenco profissional e foi ao mercado da bola nesta janela de transferência. Até aqui, foram anunciados seis reforços, sendo dois deles para o setor ofensivo, como os atacantes Willian Bigode e Germán Cano. Por outro lado, Abel Hernández e Bobadilla não fazem mais parte do elenco, e Lucca negocia a saída do clube.

Após a Copinha, John Kennedy deve ser reintegrado aos profissionais e ficará à disposição do técnico Abel Braga.

Em live transmitida no fim do ano passado pela FluTV, o presidente Mário Bittencourt foi questionado se a escolha por usar "força total" foi questão de estratégia, para vencer a competição, ou porque os jogadores não estão sendo utilizados tão cedo no profissional.

"São as duas coisas. O Fluminense é um dos maiores vencedores da competição, tem cinco títulos, mas o nosso último título foi em 1989. Temos vontade, sim, de voltar a ganhar a competição, chegamos perto em 2012 [ficou com o vice], e estamos indo com a força máxima por alguns motivos. Primeiramente, para poder voltar a ganhar essa competição, e segundo, realmente, que o trabalho vem sendo muito bem feito", disse.

"Antes de chegarmos aqui, Xerém era muito separado do futebol profissional. Era uma outra gestão, uma outra administração, a parte de fisioterapia e medicina também, não tinha uma linha de comando de cima, e hoje há um trabalho integrado. Essa integração faz com que a gente consiga chegar na Copa São Paulo de 2022 podendo colocar jogadores que disputaram Libertadores e Brasileiro, como John Kennedy, Matheus Martins... Esperamos que possamos fazer uma grande competição e, logo depois, vão subir para serem aproveitados no profissional", completou.

Fluminense