PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Chuvas na Bahia atrasam difícil negociação entre Santos e Marcos Leonardo

Gabriela Brino e Lucas Musetti Perazolli

Colaboração para o UOL, em Santos (SP)

13/01/2022 04h00

O Santos tentou marcar uma reunião com os representantes de Marcos Leonardo para a última segunda-feira (10), mas as chuvas na Bahia atrapalharam os planos.

O atacante já se reapresentou ao Peixe, mas seu pai, também Marcos, ficou em Itapetinga, na Bahia. A cidade natal do Menino da Vila foi uma das mais afetadas pelas fortes chuvas no estado.

A família de Marcos Leonardo ajudou os desabrigados e, inclusive, colocou a casa à disposição para coleta de alimentos, colchões, roupa de cama e produtos de higiene. O pai do atleta deve voltar para a Baixada Santista no fim desta semana.

O executivo de futebol Edu Dracena, então, marcará uma reunião até domingo com o pai e os empresários de Marcos Leonardo. A ideia é tentar avançar pela renovação do contrato válido até outubro de 2022. Se não rolar acordo, o centroavante de 18 anos será afastado do elenco profissional.

Dracena ficou afastado em função da covid-19 e já foi liberado pelo departamento médico do Santos. Ele mantém contato virtual frequente com o estafe do Marcos Leonardo, porém, quer um papo olho no olho dessa vez.

Negociação (muito) difícil

O Santos tenta a renovação de Marcos Leonardo há um ano. Desde então, o clube pouco avançou. O Peixe entrou no último ano do contrato do atacante sem ter o controle da operação.

O estafe do jogador afirma que Marcos foi subutilizado em 2021 e só esteve em campo por extrema necessidade, não por um projeto. O jovem foi preterido por Diego Tardelli, Léo Baptistão e Raniel e só entrou nas rodadas finais do Campeonato Brasileiro, quando fez quatro gols em três jogos e espantou o risco de rebaixamento à Série B.

Pessoas próximas a Marcos Leonardo entendem que o Santos pode repetir a última temporada e dar pouco espaço ao atacante. O Peixe, em contrapartida, alega que o atleta atuará se estiver bem e não pode prometer minutos em campo.

O Santos procura um novo atacante depois de emprestar Raniel para o Vasco e não renovar com Diego Tardelli. O Peixe afirma que avisou os empresários de Marcos Leonardo sobre essa reposição há muito tempo. Já o estafe se mostrou incomodado com a tentativa frustrada de contratar Pablo, do São Paulo.

Além dessas questões técnicas, o maior entrave é a multa rescisória. Por ter visto Marcos jogar pouco em 2021, os empresários do atacante pedem uma multa rescisória escalonada: começaria com um valor fixo mais baixo que o normal e aumentaria conforme os minutos em campo.

O Peixe nega completamente essa possibilidade e quer uma multa de pelo menos 30 milhões de euros (R$ 190 mi) —o Alvinegro costuma firmar contratos com multa de no mínimo 50 milhões de euros (R$ 316 mi), mas abriria essa exceção.

O Santos entende que o estafe de Marcos Leonardo exigir multa escalonada é não confiar no atacante. Já o estafe argumenta que o Peixe só confiou em Marcos Leonardo por "desespero" e não por "convicção". A multa escalonada seria uma forma de dar segurança para ele caso o Alvinegro o mantenha como reserva.

Carta na manga

O Santos entende que o risco de Marcos Leonardo ficar dez meses sem jogar pode pesar a favor da renovação. Caso não haja avanço, o Peixe afastaria o atacante do elenco profissional até o fim do contrato, em outubro.

Os representantes do atacante entendem que, caso não haja acerto, o centroavante já se apresentou ao mercado o suficiente e não teria problemas de encontrar clube no Brasil ou no exterior.

Em abril, Marcos pode assinar um pré-contrato para sair livre em novembro.

"Esgotar as possibilidades"

Os empresários de Marcos Leonardo dizem que vão tentar a renovação com o Santos até o fim e que não há nada acertado e nem encaminhado com qualquer outra equipe.

Os representantes entendem que o atacante está em casa no clube, mas, em compensação, não cederam muito nas exigências ao Peixe pelo acordo. O Alvinegro aumentou a base salarial, mas bateu o pé pela multa.

Segundo apurou o UOL Esporte, o estafe alega também que deu mais de uma opção para a multa rescisória e que "só pede o salário que o mercado quer pagar a Marcos Leonardo". O Santos vê a pedida alta e não está disposto a arcar com comissão ou luvas.

Por fim, os agentes prometem não deixar o Santos sem ser compensado pela formação do atacante. Se a renovação não der certo, procurarão propostas para ressarcir parte do investimento do Peixe.

Carille aguarda

O técnico Fabio Carille monitora a situação e conversa frequentemente com Marcos Leonardo sobre a renovação. Ele espera contar com o atacante no seu time titular em 2022.

A princípio, Carille teve dúvidas sobre o desempenho de Marcos e a maturidade para atuar diante do mau momento no Campeonato Brasileiro. Na sequência, porém, se convenceu e viu o centroavante se destacar.

Se não contar com Marcos Leonardo, o Santos tem Léo Baptistão para a posição. Rwan pode ser promovido após a Copa São Paulo de Futebol Júnior. O Peixe procura por um atacante no mercado independentemente da renovação ou não do Menino da Vila.

Futebol