PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Times de SP tiveram público limite de Doria em 48% dos jogos desde a volta

Corinthians teve mais de 70% de público na Neo Química Arena em todos os jogos desde a liberação de 100% - Ettore Chiereguini/AGIF
Corinthians teve mais de 70% de público na Neo Química Arena em todos os jogos desde a liberação de 100% Imagem: Ettore Chiereguini/AGIF

Do UOL, em São Paulo

12/01/2022 15h50

A nova restrição de público anunciada pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), deverá ter pouco impacto para os times paulistas. No Brasileirão, os cinco clubes que disputaram a primeira divisão ultrapassaram os 70% da capacidade máxima de seus estádios apenas em 48% dos jogos desde que a volta total do público foi liberada.

O grande destaque foi o Corinthians. Brigando por vaga na Libertadores, o time de Sylvinho teve casa cheia nos seis jogos que fez na Arena Corinthians desde o dia 1 de novembro, quando a totalidade da torcida voltou a ser permitida. Em todos os duelos, o alvinegro encheu mais de 70% de seu estádio.

Desempenho parecido teve o Santos. A luta contra o rebaixamento fez com que a torcida lotasse a Vila Belmiro. A única vez que o time alvinegro não teve mais do que 70% do estádio cheio foi na vitória por 2 a 0 sobre o Red Bull Bragantino, pela 31ª rodada do Brasileirão.

Os dois alvinegros são os responsáveis pela maior parte dos públicos acima do novo limite permitido pelo governo paulista. São Paulo, Palmeiras e Red Bull Bragantino quase nunca conseguiram ter mais do que 70% em seu estádio. Os dois times da cidade de São Paulo atingiram o feito apenas uma vez cada, enquanto a equipe de Bragança Paulista não chegou nem perto disso.

No caso do São Paulo, se destaca o fato de o Morumbi ser o estádio com a maior capacidade entre os citados, com 66.795 lugares. O Tricolor teve públicos semelhantes ao do Corinthians, mas percentualmente seus números ficaram quase sempre abaixo do 70%. A única exceção foi na goleada de 4 a 0 sofrida para o Flamengo. Naquele dia, 47.885 torcedores acompanharam o duelo, ocupando 71,6% da capacidade do Morumbi.

Já o Palmeiras só conseguiu atingir a marca justamente contra o São Paulo. Mesmo com um time reserva mandado a campo por Abel Ferreira, 35.570 torcedores (74,1% da capacidade máxima) acompanharam a derrota por 2 a 0 que deu ânimo ao rival tricolor na luta contra o rebaixamento.

As novas medidas anunciadas por João Doria passam a valer a partir do dia 23 de janeiro, data da primeira rodada do Paulistão.

Confira os públicos dos times paulistas no Brasileirão a partir da liberação de 100% da torcida:

São Paulo - (capacidade máxima do Morumbi: 66.795 pessoas)

São Paulo 0 x 4 Flamengo - 47.855 torcedores - 71,6% de ocupação
São Paulo 0 x 0 Athletico - 43.491 torcedores - 65,1%
São Paulo 2 x 0 Sport - 35.679 torcedores - 53,4%
São Paulo 3 x 1 Juventude - 40.422 torcedores - 60,5%

Santos - (capacidade máxima da Vila Belmiro: 16 mil pessoas)

Santos 0 x 2 Palmeiras: 13.165 - 82,2%
Santos 2 x 0 Red Bull Bragantino: 9.443 - 59%
Santos 2 x 0 Chapecoense: 11.574 - 72,3%
Santos 2 x 0 Fortaleza: 11.313 - 70,7%
Santos 1 x 1 Cuiabá: 12.444 - 77,7%

Palmeiras (Capacidade máxima do Allianz Parque: 48 mil pessoas)

Palmeiras 4 x 0 Atlético-GO - 19.165 - 39,9%
Palmeiras 0 x 2 São Paulo - 35.570 - 74,1%
Palmeiras 2 x 2 Atlético-MG - 17.744 - 36,9%
Palmeiras 3 x 0 Ceará - 5.304 - 16,8%*

*O jogo entre Palmeiras e Ceará foi disputado na Arena Barueri, que tem capacidade máxima de 31.425 pessoas

Corinthians - (Capacidade máxima da Neo Química Arena: 47 mil pessoas)

Corinthians 1 x 0 Chapecoense - 39734 - 85%
Corinthians 1 x 0 Fortaleza - 36.059 - 77%
Corinthians 3 x 2 Cuiabá - 38.474 - 82%
Corinthians 2 x 0 Santos - 43.381 - 92%
Corinthians 1 x 0 Athletico - 37.309 - 79%
Corinthians 1 x 1 Grêmio - 43.980 - 94%

Red Bull Bragantino - (Capacidade máxima do Nabi Abi Chedid: 17.724 pessoas)

Red Bull Bragantino 0 x 2 Athletico - 1.701 - 9,5%
Red Bull Bragantino 3 x 0 Fortaleza - 1.978 - 11,1%
Red Bull Bragantino 1 x 1 América-MG - 2.673 - 15%
Red Bull Bragantino 1 x 0 Inter - 5.339 - 30,1%

Futebol