PUBLICIDADE
Topo

Grêmio

"Me chamaram de louco", diz ex-Grêmio que pausou carreira por câncer do pai

Goleiro Júlio César faz defesa na partida entre Grêmio e Fluminense - Pedro H. Tesch/AGIF
Goleiro Júlio César faz defesa na partida entre Grêmio e Fluminense Imagem: Pedro H. Tesch/AGIF

Do UOL, em Santos (SP)

09/01/2022 04h00

A cura do meu pai é o maior troféu que eu poderia levantar".

O goleiro Julio Cesar recebeu uma dura notícia em fevereiro do ano passado: seu pai havia sido diagnosticado com câncer de garganta. Na época, o atleta estava em fim de contrato com o Grêmio e negociava com clubes da Série A e de Portugal, mas tomou a decisão de fazer uma pausa na carreira para cuidar da família.

"Eu orei e recebi que era tempo de dar uma pausa, de estar com ele. Foi uma decisão que me trouxe tranquilidade e paz. Muitos acharam que eu era maluco, me chamaram de louco por fazer isso. De nada adiantaria ter acertado com um grande clube e não estar ao lado do meu pai, dar forças a ele, independente dele ter se curado ou ter partido, eu tinha que fazer o meu máximo como filho", contou Julio Cesar em entrevista ao UOL Esporte.

Em desabafo em sua conta na rede social Instagram, o goleiro relatou todas as dificuldades passadas durante o período, com seu pai contraindo inclusive a covid-19 por causa das sessões de radioterapia no hospital.

Agora, Julio Cesar negocia com clubes brasileiros e da Europa, mantidos em sigilo por seu estafe, para retomar a carreira. Segundo ele, pendurar as luvas nunca passou por sua cabeça.

"Eu sempre tive certeza de que, apesar de todas as dificuldades que nem imaginávamos, ele seria curado e eu iria voltar à ativa, aos treinamentos e a minha carreira", afirmou.

Julio Cesar atuou por sete anos na Europa, com auxílio da dupla nacionalidade portuguesa. Ele teve passagem por Belenenses (POR), Granada (ESP), Benfica (POR) e Getafe (ESP), antes de voltar ao Brasil para o Fluminense e se transferir para o Grêmio em 2019.

Aos 35 anos, Julio Cesar afirma que vem se cuidando e também fazendo trabalhos particulares com um personal trainer/preparador de goleiros desde que seu pai se curou.

"Foi um período diferente, uns meses que me dediquei só a ele (pai). Como sempre tive facilidade para me cuidar a nível profissional, nunca fui de engordar por conta do meu biotipo, não tive problema. Agora, com a questão de treinamentos ainda mais sendo goleiro... Nesses últimos tempos tenho treinado com um preparador de goleiros, como se fosse um personal, com academia e um contexto quase completo da profissão para estar a altura quando retornar ao clube", disse.

Grêmio