PUBLICIDADE
Topo

Corinthians

Corinthians vai turbinar folha salarial, mas não se preocupa; entenda

Duilio Monteiro Alves, Alessandro Nunes e Roberto de Andrade (os três ao fundo da imagem) acompanham treino do Corinthians - Rodrigo Coca/ Ag. Corinthians
Duilio Monteiro Alves, Alessandro Nunes e Roberto de Andrade (os três ao fundo da imagem) acompanham treino do Corinthians Imagem: Rodrigo Coca/ Ag. Corinthians

Yago Rudá

Do UOL, em São Paulo

16/12/2021 04h00

As investidas do Corinthians no mercado da bola com a contratação do volante Paulinho e a busca por um camisa 9 de peso preocupam o torcedor. Afinal, de onde está vindo o dinheiro para pagar os reforços? A diretoria do Timão reconhece que a folha salarial irá sofrer um bom acréscimo a partir do mês de janeiro, mas não se preocupa com os números, visto que o clube receberá significativo aumento no faturamento.

Garantido na fase de grupos da Copa Libertadores e ainda com o Campeonato Paulista, Copa do Brasil e Brasileirão pela frente, o Corinthians projeta ao menos 30 partidas na Neo Química Arena em 2021. Considerando que o faturamento médio por jogo em casa nesta nesta temporada foi de aproximadamente R$ 1,8 milhão, o clube deve arrecadar mais de R$ 50 milhões apenas com bilheteria no ano que vem.

A diretoria também projeta valores expressivos em premiações. Apenas por participar da fase de grupos da Libertadores, o Timão garantiu cheque de US$ 3 milhões (R$ 17,13 milhões na cotação atual) que será pago pela Conmebol no primeiro semestre de 2022. Na Copa do Brasil, o Alvinegro está garantido na terceira fase da competição e, conforme for avançando, mais dinheiro entra nos cofres do clube.

Verbas com novos patrocínios, acordos comerciais e vendas de jogadores também são orçadas pelo clube. O objetivo da diretoria é fechar o próximo ano com as contas no azul e reduzir a dívida de quase R$ 1 bilhão. Inclusive, uma das metas do presidente Duilio Monteiro Alves para o futebol em 2022 é gastar menos do que 70% do total arrecadado pelo departamento.

Neste cenário e com o aporte de investidores — assim como acontece com o Grupo Taunsa na contratação de Paulinho — o Corinthians acredita que não terá problemas com a folha salarial, hoje superior a R$ 14 milhões. Caso o novo centroavante seja um reforço de peso, com renome no mercado internacional, a diretoria acredita que não terá problemas para trazer outro parceiro para custear a contratação.

A temporada 2022 ainda nem sequer começou e o Corinthians é visto como uma das atrações para o ano que vem. Afinal, o Alvinegro estará em destaque com seu retorno à Copa Libertadores e, principalmente, pelo seu elenco recheado de estrelas.

Corinthians