PUBLICIDADE
Topo

Brasileirão - 2021

Grêmio vence São Paulo de maneira dominante e ainda sonha com a permanência

Brunno Carvalho e Jeremias Wernek

Do UOL, em São Paulo

02/12/2021 21h54

Classificação e Jogos

O Grêmio trata as últimas três partidas do Brasileirão como finais para evitar o rebaixamento. E esse foi o espírito apresentado hoje (2), em sua casa, diante do São Paulo, pela 36ª rodada. Mais intenso que o adversário, o time de Vagner Mancini não deu espaço para o rival e dominou completamente a partida. A vitória por 3 a 0 foi construída facilmente pelo tricolor gaúcho.

Os gols da partida foram marcados por Thiago Santos, no primeiro tempo, e Diogo Barbosa e Jonatha Robert, na etapa final. O Grêmio ainda acertou duas vezes a trave de Tiago Volpi.

A vitória faz com que o Grêmio ainda sonhe com a permanência. O caminho, no entanto, é longo. Os gaúchos têm 39 pontos, três a menos que o Athletico, primeiro time fora da zona de rebaixamento e que ainda joga na rodada. Dependendo dos resultados, a terceira queda da história gremista pode ser confirmada na próxima rodada, diante do Corinthians.

Assim como aconteceu em praticamente todo o campeonato, o São Paulo se vê em distâncias semelhantes para uma vaga na Libertadores e contra o rebaixamento. Com 45 pontos, a equipe tem quatro a menos que o América-MG, primeiro time dentro da zona de classificação para a competição continental. Já a diferença para a zona da degola é de cinco pontos - o Bahia é o 17º colocado com 40 pontos.

Live do São Paulo

O que vem agora

O Grêmio tem duas decisões para evitar o terceiro rebaixamento de sua história. No próximo domingo (5), a equipe de Vagner Mancini visita o Corinthians, às 16h (de Brasília). Dependendo da combinação de resultado, os gremistas podem ser rebaixados em caso de derrota. O Tricolor gaúcho encerra o Brasileirão contra o campeão Atlético-MG, na quinta-feira (9), às 21h30.

O São Paulo ainda pode ser rebaixado, apesar da possibilidade ser baixa. Para evitar qualquer chance, a equipe de Rogério Ceni recebe o Juventude, na segunda-feira (6), às 19h (de Brasília). Dependendo dos demais resultados da rodada, um empate já pode ser suficiente para o São Paulo. A equipe paulista encerra o Brasileirão contra o América-MG, na quinta-feira, às 21h30.

Foi bem: Thiago Santos

Thiago Santos comemora gol marcado pelo Grêmio no jogo contra o São Paulo - Pedro H. Tesch/AGIF - Pedro H. Tesch/AGIF
Imagem: Pedro H. Tesch/AGIF

Mesmo perdendo um gol inacreditável, o volante foi o grande destaque de um bom jogo do Grêmio. Como Benítez não conseguia ajudar muito na marcação, Thiago Santos ficou livre para explorar os buracos no meio de campo são-paulino e avançar ao ataque. Foi assim que ele abriu o placar no primeiro tempo.

Foi mal: Benítez

Benítez cercado por Douglas Costa e Rafinha em Grêmio x São Paulo - Pedro H. Tesch/AGIF - Pedro H. Tesch/AGIF
Imagem: Pedro H. Tesch/AGIF

O meia argentino atuou por apenas 45 minutos, mas foi o suficiente para que Rogério Ceni decidisse voltar com a formação tradicional do São Paulo e o substituísse no intervalo. Com pouca intensidade, Benítez pouco ajudou na marcação. Na parte ofensiva, errou muitos passes e chutou para fora a única finalização que tentou.

Ceni muda o esquema, mas não dá certo

Rogério Ceni mexeu no esquema tático do time para colocar Benítez como titular. O 4-4-2 utilizado na vitória contra o Sport deu lugar ao 3-5-2, com o argentino jogando atrás dos atacantes Calleri e Rigoni. Pela direita, outra novidade: Gabriel Sara deixou o meio e foi deslocado para a ala direita.

As mudanças não surtiram efeito. O meio perdeu a intensidade característica e permitiu que Thiago Santos subisse sem pressão para o ataque gremista. Foram dele, inclusive, as duas grandes chances do time gaúcho no primeiro tempo. Na primeira, chutou em cima de Miranda, com Volpi já batido. Na segunda, não desperdiçou o cruzamento e balançou as redes de cabeça.

Ofensivamente, a estratégia também não funcionou. Benítez pouco conseguiu produzir. O argentino errou sete dos 15 passes que tentou no primeiro tempo. Ele foi o segundo jogador que mais perdeu a bola nos primeiros 45 minutos (11), atrás apenas de Rafinha (13).

Preso na direita, Gabriel Sara deixou de fazer o que vinha sendo seu destaque nas últimas partidas. O meia não tinha a liberdade para começar as jogadas e se lançar ao ataque. A missão de apenas marcar as subidas de Ferreirinha atrapalhou a atuação do melhor jogador do São Paulo nos últimos jogos.

Grêmio domina o primeiro tempo

Precisando desesperadamente da vitória, o Grêmio começou a partida com intensidade alta. Aproveitando o meio de campo pouco marcador escalado por Rogério Ceni, o time de Vagner Mancini se lançou para o ataque desde o início da primeira etapa.

As chances foram se acumulando e, aos 12 minutos, já era para estar 1 a 0 para o Grêmio. Thiago Santos, no entanto, perdeu uma chance incrível, com Volpi já no chão e Miranda se jogando para salvar. Dez minutos depois, o volante, melhor jogador do Grêmio na primeira etapa, se redimiu ao balançar as redes e colocar com justiça os gaúchos à frente do placar.

Duas bolas na trave e dois golaços: Grêmio se sobrepõe ao São Paulo

Rogério Ceni até que tentou corrigir os problemas do São Paulo no segundo tempo. Logo no intervalo, Welington e Benítez saíram para as entradas de Marquinhos e Igor Vinicius. Assim, a equipe voltou a jogar no esquema 4-4-2, que vinha dando certo nas últimas partidas.

Mas em campo pouca coisa mudou. O São Paulo seguia perdido em campo, com muitas dificuldades para armar jogadas. Por outro lado, o Grêmio apostava na habilidade de Ferreirinha para infernizar a defesa são-paulina.

Na primeira metade da segunda etapa, o camisa 11 criou duas grandes chances, mas não conseguiu balançar as redes. Na primeira, Ferreirinha passou por três marcadores são-paulinos dentro da área antes de chutar para fora. Depois, recebeu o passe em contra-ataque, dominou na esquerda e bateu firme para acertar a trave de Volpi.

A trave são-paulina voltaria a ser atingida. Antes disso, no entanto, aos 22 minutos saiu um golaço. Diego Barbosa recebeu livre na esquerda, cortou Igor Gomes e mandou no ângulo de Tiago Volpi. Dois minutos mais tarde, Campaz ganhou de dois marcadores, cruzou rasteiro e Borja chegou de carrinho para acertar a trave são-paulina.

O jogo estava tão tranquilo para o Grêmio que ainda teve tempo para mais um gol. Já nos acréscimos, o São Paulo perdeu a bola no ataque e permitiu o contra-ataque gremista. Quase no meio de campo, Jonatha Robert viu Tiago Volpi adiantado e chutou para o gol, fechando o placar para o Grêmio.

O jogo do Grêmio: irreconhecível (para o bem) do início ao fim

Nem parecia o time que está o campeonato todo no Z4. O Grêmio se impôs, com sobras, do início ao fim da partida. No primeiro tempo, com atitude e estratégia, mas também grande dose de força e ritmo alto. Não à toa, foram duas chances claras com 23 minutos e uma delas terminou em gol.

No segundo tempo, o ritmo foi mais lento. O domínio seguiu. Com organização ofensiva e jogadas ensaiadas em bola parada, o Grêmio aproveitou a fragilidade defensiva do São Paulo. Conseguiu até passar ileso pelo jogo mental na mistura de ansiedade e pressão.

O jogo do São Paulo: pouca intensidade e muita desatenção

O São Paulo não se achou na Arena do Grêmio. A escalação diferente feita por Rogério Ceni deixou a equipe sem intensidade no meio de campo, sendo um alvo fácil para as subidas de Thiago Santos. Ofensivamente, a equipe paulista não conseguia criar jogadas de perigo. No primeiro tempo, a única finalização foi um chute errado de Benítez. Na segunda etapa, um chute de Rodrigo Nestor ficou fácil para Gabriel Chapecó defender.

Aplausos para Campaz e Diego Souza

A escalação gremista teve outras três mudanças, na comparação com a derrota para o Bahia. A presença de Jaminton Campaz deu dinâmica ao setor, mesmo que com oscilação. O colombiano foi aplaudido por dar carrinho na linha lateral. A atitude também rendeu apoio a Diego Souza, que começou a partida e se esforçou bastante. Douglas Costa teve rápidos lampejos no lado direito, em combinação com Rafinha, especialmente.

Rafinha em campo por R$ 40 mil

Sem Vanderson, suspenso pelo terceiro amarelo, e com outros laterais já liberados pela diretoria (Léo Gomes para fazer tratamento no joelho e Victor Ferraz em fim antecipado de contrato), o Grêmio fez uma força-tarefa jurídica para conseguir ter Rafinha em campo. Suspenso pelo STJD na segunda-feira (29), o camisa 13 foi protagonista de uma transação disciplinar. O Tribunal receberá R$ 40 mil pelo efeito suspensivo, que autorizou a escalação do lateral direito contra o São Paulo.

Reencontro com o árbitro e volta da torcida

Sávio Pereira Sampaio, árbitro da partida entre Grêmio e São Paulo - Pedro H. Tesch/AGIF - Pedro H. Tesch/AGIF
Imagem: Pedro H. Tesch/AGIF

A partida contra o São Paulo marcou o retorno da torcida do Grêmio ao estágio. Os gremistas eram proibidos de ir à Arena do Grêmio há três jogos, desde a invasão de torcedores após a derrota para o Palmeiras. O STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) fechou o setor norte, onde ficam as organizadas gremistas, e permitiu que os demais voltassem a receber público.

O reencontro não foi o único. Além da torcida, o árbitro Sávio Pereira Sampaio também voltou à Arena do Grêmio. Era ele o responsável por conduzir a partida que terminou em confusão.

FICHA TÉCNICA
GRÊMIO 3 X 0 SÃO PAULO

Motivo: 36ª rodada do Brasileirão
Data e hora: 2 de dezembro de 2021, às 20h (de Brasília)
Local: Arena do Grêmio (RS)
Público: 9.312 pessoas
Renda: R$ 354.342,00
Árbitro: Savio Pereira Sampaio (DF)
Auxiliares: Daniel Henrique da Silva Andrade e José Reinaldo Nascimento Júnior (ambos do DF)
VAR: Pathrice Wallace Corrêa Maia (RJ)
Gols: Thiago Santos (22'/1ºT), Diogo Barbosa (22'/2ºT) e Jonatha Robert (48'/2ºT), para o Grêmio
Cartões amarelos: Gabriel Chapecó, Douglas Costa e Borja, pelo Grêmio; Miranda e Rigoni, pelo São Paulo
Cartões vermelhos: -

Grêmio: Gabriel Chapecó; Rafinha, Geromel, Kannemann e Diogo Barbosa; Thiago Santos (Mateus Sarará), Lucas Silva, Campaz (Villasanti); Douglas Costa (Jonatha Robert), Ferreira (Darlan) e Diego Souza (Borja). Técnico: Vagner Mancini.

São Paulo: Volpi; Arboleda, Miranda, Léo; Gabriel Sara, Igor Gomes (Gabriel), Rodrigo Nestor (Liziero), Benítez (Igor Vinícius), Welington (Marquinhos); Rigoni (Juan) e Calleri Técnico: Rogério Ceni.