PUBLICIDADE
Topo

Futebol

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Trajano: Flamengo paga por 'viuvez' do Jorge Jesus. Isso tem atrapalhado

Do UOL, em São Paulo

01/12/2021 13h43

Enquanto o Flamengo ainda não tem um novo treinador, a torcida voltou a gritar o nome de Jorge Jesus no Maracanã durante a vitória na partida diante do Ceará. Desde a saída do técnico português que conquistou o Brasileirão e a Libertadores de 2019, o clube rubro-negro teve Domènec Torrent, Rogério Ceni e Renato Gaúcho, que não conseguiram convencer os torcedores.

No UOL News Esporte, José Trajano afirma que o Flamengo tem o desafio de superar a 'viuvez' de Jorge Jesus e considera que este é um fator que tem atrapalhado os treinadores, apontando como solução até a tentativa de retorno do português.

"Eu acho que o Flamengo paga por uma viuvez do Jorge Jesus. Isso tem atrapalhado todos os técnicos que vieram depois. Enquanto o Flamengo não se libertar ou trazer o Jorge Jesus para colocar de novo, para ele ganhar tudo ou perder tudo, e acaba de vez com essa coisa, ou vai ficar sempre uma referência e uma lembrança ao Jorge Jesus. Estou falando isso porque gritaram o nome do Jorge Jesus ontem mais uma vez", diz Trajano.

"O Flamengo fica nessa dependência, a referência do Flamengo em todos os momentos, principalmente momentos de fracassos, ruins ou quando perde, 'ah é o Jorge Jesus'. Isso não dá tranquilidade emocional para ninguém. Aliás, o Jorge Jesus também não está lá muito bem das pernas lá no futebol português, até que na Champions está. Entrou Rogério Ceni, entrou o Renato, entrou não sei quem. Quem vem agora? É o tempo inteiro Jorge Jesus", completa.

O jornalista afirma que nem considera o português como o maior técnico estrangeiro da história do Flamengo, apontando o paraguaio Fleitas Solich como mais importante para o clube.

"Eu discuto se é o Jorge Jesus o técnico estrangeiro mais vitorioso e importante da história do Flamengo, eu acho que foi o Fleitas Solich, que foi tricampeão pelo Flamengo em 1953, 1954 e 1955, revelou Dida, trouxe jogadores do juvenil, botou no time de cima. Então é uma discussão, enquanto tiver o fantasma do Jorge Jesus rondando o Ninho do Urubu, Gávea, Maracanã, o Flamengo vai viver uma contradição", conclui.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Futebol