PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Auxiliar de Abel vê superação do Palmeiras e explica escalação de garotada

João Martins acredita que garotada aproveitou oportunidade contra o Cuiabá - Cesar Greco
João Martins acredita que garotada aproveitou oportunidade contra o Cuiabá Imagem: Cesar Greco

01/12/2021 01h07

Classificação e Jogos

Entrar em campo três dias depois de conquistar a Libertadores da América representou um momento de superação, segundo João Martins, auxiliar-técnico de Abel Ferreira no Palmeiras. Foi ele o comandante da equipe que derrotou o Cuiabá por 3 a 1, hoje (30), na Arena Pantanal, pela 36ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Após a partida, o treinador fez questão de parabenizar seus atletas, que foram escalados de última hora para um confronto que já não tinha muita importância para o Palmeiras. "Eles souberam que, independentemente de quem entrar em campo, existe uma camisa para defender. Foi um jogo intenso, com muito calor para as duas equipes", descreveu João Martins, que ainda fez críticas a atuação da arbitragem na condução do duelo no aspecto físico.

"Foi proibida a parada técnica. No primeiro tempo, foi dado três minutos de acréscimo, e não houve assistência médica. No segundo tempo, foram mais oito. Essas atitudes são difíceis, mas os meninos tiveram uma capacidade incrível de superação e aproveitaram essa oportunidade."

Os jovens valores do Palmeiras foram o grande destaque da partida. No time titular, nove atletas vieram das categorias de base do Verdão, e quatro deles quase não foram utilizados durante a temporada. Mesmo assim, conquistaram o triunfo com gols de seus três atacantes -Giovani, Gabriel Silva e Gabriel Verón.

A escalação de jovens atletas também foi explicada por João Martins. Na opinião dele, não havia condição mental para os atletas que disputaram a final da Libertadores jogarem contra o Cuiabá. O duelo contra o Flamengo, no sábado (27), terminou com triunfo do Alviverde por 2 a 1 na prorrogação.

"Quando existe uma final desse nível, é sempre o último jogo da temporada. Como na Liga dos Campeões, não há mais nada depois disso. Pressão, ansiedade, nível físico vão tudo aos limites porque é o jogo de nossas vidas. Depois de um jogo desse, é difícil voltar a focar", lembrou.

"O que fizemos foi conversar com os seres humanos para saber quais deles estavam com condições mínimas para disputar. Não treinamos para esse jogo, fizemos só uma atividade na Academia antes da viagem. Tentamos montar o jogo por vídeo. E felizmente alguns jogadores toparam vir mesmo sabendo dos riscos físicos."

Agora, o Palmeiras se prepara com um elenco alternativo para os dois últimos jogos da temporada. No dia 6, o Verdão encara o Athletico-PR na Arena da Baixada. Para fechar, pega o Ceará em casa no dia 9. Enquanto isso, os atletas do elenco principal saem de férias no sábado (4). A ideia é que retomem os trabalhos no início de janeiro, visando ao Mundial de Clubes, que acontece na primeira quinzena de fevereiro.

Futebol