PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Alto número de empates persegue Cruzeiro desde a queda em 2019

Cruzeiro se despediu da Série B com empate diante do Náutico - Fernando Moreno/Fernando Moreno/AGIF
Cruzeiro se despediu da Série B com empate diante do Náutico Imagem: Fernando Moreno/Fernando Moreno/AGIF

Lohanna Lima

Colaboração para o Uol, em Belo Horizonte, MG

01/12/2021 04h00

São muitos os fatores dentro e fora de campo que ajudam a explicar o rebaixamento e a permanência do Cruzeiro na Série B pela terceira temporada seguida. Falando especificamente do desempenho dentro das quatro linhas, uma coisa é certa: a quantidade de empates que acompanham o time desde a queda, em 2019, colaboraram diretamente para que os resultados ficassem longe do esperado.

Na Série B deste ano nenhum time empatou mais que o Cruzeiro. Foram 18 resultados iguais - praticamente um turno apenas empatando. Com o técnico Mozart Santos foram sete igualdades em 13 partidas. Luxemburgo chegou, mas não conseguiu resolver o problema. Sob o comando do atual treinador foram 11 empates em 23 jogos.

Invencibilidade que mexeu pouco na tabela

Sob o comando de Luxemburgo, o Cruzeiro alcançou uma sequência de dez jogos de invencibilidade. Desses, o time venceu quatro e empatou seis, o que dificultou a entrada na briga pelo acesso, como era o objetivo do treinador. A equipe celeste terminou a competição no 14º lugar, com 48 pontos: apenas quatro posições a mais do que quando Luxa assumiu o time, na 16ª rodada.

Problema antigo

Em 2020, o Cruzeiro não liderou o quesito, mas esteve entre os que mais empataram também. Com 13 resultados iguais, foi o quarto colocado no item ao fim da competição. No ano da queda, em 2019, o time liderou a estatística somando 15 empates.

Futebol